[Teorias E Explicações] O estranho caso da Rei quantum

rei quantum

Todos sabemos que a história de Evangelion é cheia de mistérios. Não poderia ser diferente já que no primeiro episódio o nosso protagonista sofre o primeiro, de uma longa série de “mindfuck”. Mas de qual iremos falar?

Teoria traduzida e adaptada do parceiro italiano Dummy System.

As aparições de Rei


q-rei_nge1

[Ep.01] Rei aparece para Shinji em “Ataque dos Anjos”.

O aparecimento do  “fantasma” de Rei no primeiro episódio da série sempre foi um universo sombrio e fascinante de Evangelion.Não é a coisa mais estranha que já vimos, é óbvio, mas certamente difícil de esquecer. Vamos começar então por que achamos que Rei é uma “aparição”:

  1. Shinji nunca conheceu Rei, e, portanto, não poderia vê-la por causa de uma mera alucinação ou ilusão.
  2. Sabemos que Rei, na época, ficou gravemente ferida. Não só é impossível que ela estivesse lá fisicamente, mas acima de tudo sua aparência não reflete o momento real (braço engessado e o tapa-olho).

Como Rei aparece e desaparece? Como Shinji viu isso?

Na época, alguém poderia ter pensando que foi simplesmente um erro. Claro, é um momento legal com uma certa atmosfera, mas nada mais. Poderia ser, porque não? Considere, no entanto, que esta cena também está presente em Rebuild, o que é um excelente motivo para eliminar qualquer erro, já que 1.0 ainda tinha as características do quase-remake da série TV. Não se esqueça que, como um ciclo, Rei aparece na frente de Shinj uma segunda vez, em The End of Evangelion.

[EoE] Rei aparece para Shinji em “One more final: I need you”.

[EoE] Rei aparece para Shinji em “One more final: I need you”.

Não é possível dar uma explicação lógica, a estas aparições, ou, pelo menos, você pode tentar, mas quem disse que encontramos coisa lógicas em Evangelion?

A Teoria Quântica e Divindade


A verdade é que, se nós tentamos ser racionais a todo custo entenderemos em um segundo o por que de Rei se manifestar no início e no final da série: porque ela não é mais um ser humano. Deixe-me explicar. Em The End of Evangelion, após a absorção de Adão e a reunião com Lilith, Rei sobe para o papel de divindade. Quanto a divindade, Lilith/Rei é onipresente. Ela pode estar em qualquer lugar, a qualquer hora. Vemos isso na seqüência em que as almas dos personagens são “recolhidas”, por exemplo. Porém, nesse ultimo caso, o “Aperfeiçoamento da humanidade” (objetivo da instrumentalidade) é  um contexto específico, que pode ter regras diferentes, e essas regras talvez incluem a capacidade de Rei estar em mais lugares, afinal de contas, o aperfeiçoamento é seu domínio. Mas, além de “I need You”, em The End of Eva, ela aparece pelo menos três outras vezes.

[EoE] Rei aparece em frente a Ritusko.

[EoE] Rei aparece em frente a Ritusko.

A primeira é a Rei que aparece em frente a Ritsuko, quando é morta por Gendou. Neste ponto no filme, embora o seu Campo-AT esteja se desfazendo, Rei ainda é humana. Adão não foi absorvido, não se uniu a Lilith, e a Instrumentalidade ainda não foi acionada. No entanto, aqui estava ela, para se certificar dos últimos segundos de vida. O mesmo vale para a aparição na morte de Misato, antes que ela exploda o sector.

[EoE] Rei a frente da cabeça petrificada do Eva-01

[EoE] Rei a frente da cabeça petrificada do Eva-01

A segunda é a Rei que, no espaço, olha para a cabeça da Unidade 01 petrificada. Estamos no ponto em que Shinji recusou a instrumentalidade e Rei/Lilith está destruida. Isto significa que, pelo menos fisicamente, podemos considerá-lo já morta. Sua manifestação, no entanto, persiste.

Rei (como Lilith)saiu do curso do tempo. Sendo racional, esta é a única explicação válida. Os eventos estão acontecendo, progredindo para a frente, mas para ela é um “forward” (avanço rápido). Pense nisso: o que é a nossa existência nos olhos de um Deus? Qual é o tempo dos homens? Um piscar de olhos. Para nós o tempo da história “clássica” de Evangelion são 26 episódios + filmes, para os personagens, pouco mais de um ano. O que, para Lilith, é um ano?

O início ou o fim da história, para ela, qual é a diferença?

Esta é a explicação mais óbvia para as “aparições” de Rei. É um Deus, que faz o que ela bem quiser. Claro, mas vem aquela pergunta a responder: “Mas no início ela não era Deus, como é que pode ser a mesma?”

Será que em todos esses anos, os fãs nem sequer elaboraram uma explicação científica?

[Ep. 23] O Quarto de Rei Ayanami.

[Ep. 23] O Quarto de Rei Ayanami.

Você reconhece esse lugar, é o quarto de Rei. Um lugar agradável para se crescer, certo? Desde que o episódio 23 foi ao ar as escritas na parede tem atraído a atenção de todos. “TOP” “BOTTOM” e “Strange”  são termos de mecânica quântica, uma disciplina que estuda o comportamento das partículas subatômicas. “Top”, “Bottom” e “Strange” são três das seis variedades  de quarks conhecidos também por sabores. Como resumiu muito bem uma explicação no Wiki.Evageeks :

“A razão pela qual isso é importante é que os quarks se comportam de uma forma que seria impossível para as outras formas físicas. Por exemplo, um único quark pode estar em mais de um lugar ao mesmo tempo […] Outra propriedade dos quarks é que seu tempo não tem significado. No nível subatômico, os efeitos podem ocorrer antes de suas causas, e as partículas podem chegar ao seu destino antes de iniciar a viagem. ” 

Aqui, usando um princípio científico, chegamos a uma mesma conclusão: Lilith pode fazer o que ela bem entender.

A Rei quantum em Rebuild


Chegamos agora em Rebuild. Os novos filmes talvez estejam isentos dos “aparecimentos” de Rei? Definitivamente não.

Rebuild of Evangelion 1.0 é praticamente um espelho dos primeiros episódios da série. Há dois outros casos possíveis para se analisar calmamente, bem como, se sentir no “Mistério”.

Rei com uniforme do universo alternativo

[Preview em 2.0] três Reis crianças se escondendo atrás de uma Rei de 14 anos.

[Preview em 2.0] três Reis crianças se escondendo atrás de uma Rei de 14 anos.

A primeira Rei de origem duvidosa aparece no agora famoso pré-visualização de 3.0 incluído no final do 2.0 – “famoso”, especialmente porque depois de três anos e inúmeras conjecturas nem a metade do quadro foi então usado no filme. Por um breve momento, vemos Mari falar (ou, pelo menos, é o que sugere) com as quatro Reis. Três são meninas, que parecem esconder um pouco “com medo e tímidas”  e outra tem a aparência que conhecemos. O mindfuck, no entanto, está à espreita: em vez do uniforme clássico, ela está vestindo o uniforme do universo alternativo do episódio 26. Esta é a primeira mudança no design geral de Rei, em Rebuild, não é algo aleatório; é algo que qualquer fã se conecta a um episódio, em um contexto, em uma (possível) linha do tempo. Em suma, é inconfundível. Por outro lado, se é verdade que o diabo está nos detalhes, o mais alienante é talvez a expressão desta Rei. Sim, porque a Rei que nós associamos com esse uniforme é uma Rei alegre e sem timidez, que corre com o seu lanche na boca, deixa a calcinha aparecer para Shinji e provoca Asuka. Mas o que vemos aqui é uma Rei muito diferente – diferente da Rei do Rebuild, e até mesmo da Rei II da série. E não me diga: “Bem, são iguais”, porque elas não são.

Vamos em frente, porque não ainda acabou. Se fôssemos considerar estas Reis como a  “Rei quantum”, você tem que admitir que são atípicas. Em primeiro lugar se vestem diferente e têm diferentes idades. Tomando como base as sombras formadas na outra cena do preview, em que se tem Kaworu, como “quatro Reis de 6 a 8 anos”, os olhos das 3 pequenas Reis, apesar das expressões (mesmo os corpos vazios de Rei tinham expressões) parecem de um ser não “vivo” e também não possuem uma sombra. É incerto dizer se a sombra é ou não da  Rei “adulta”, uma vez que a sombra na parede pode ser dela ou de Mari.

Em vez disso, o que faz você pensar na Rei quantum, ou algo ainda mais importante, é a legenda. Como dito, a cena sugere que Mari e Rei estão conversando. Depois de Mari tirar os óculos (provavelmente para substituí-los, como no 2.0  estava quebrado e em 3.0 tem um novo) aparece brevemente este texto:

[Preview em 2.0] "Conferência privada entre Mari Makinami Illustrious e" ...

[Preview em 2.0] “Conferência privada entre Mari Makinami Illustrious e” …

“Conferência privada entre Mari Makinami Illustrious & — —”. Jogo da forca, vai. Aquela com o qual fala com Mari é Rei, não? “Rei Ayanami” lá está, e se eles quisessem colocar apenas “Rei” não poderiam ter escrito o nome inteiro de Mari. É preciso um nome mais curto, embora não muito. Ou você pode estar pensando em um ser que começa com L e termina com TH.

Rei diante da Ayanami Type


Chegamos finalmente a 3.0 , que inspirou este artigo. Todos se lembram de uma cena em que enigmática Ayanami Type, que esta embebida em seu “tubo de ensaio”, recebe o fugaz visita de um “como ela.”

q-rei_Q

[3.33] Ayanami Type encontra Rei Ayanami. Ou Lilith?

Muitos têm se perguntado o que isso significava, alguns optaram por uma interpretação simbólica, argumentando que a Ayanami Type está tendo uma reminiscência da outra de 2.22, que tem curiosidade crescente. Não é uma idéia estúpida, ainda mais se considerarmos que Ayanami Type tem a parte da alma “em outro lugar”, como Kaworu, e que ainda consegue desenvolver lentamente a consciência no decorrer do filme, para se ejetar do Mark.9 e coletar (talvez) o S-DAT de Shinji. Mas aqui voltamos a velha questão das almas em Eva , muitas vezes banalizadas pelo fandom a um conceito físico, como se a alma pudesse ser removida, pesada, picada, preservada e por que não, mesmo congelados para que não morra. Se, ao contrário, queremos dar à alma um conceito espiritual,  percebemos que um ser humano não é só feito de carne, água, sangue e ossos, e são, portanto, essas questões são irrelevantes como o “crescimento da alma? “como se fosse um pé de feijão. Para Ayanami Type  “a alma não cresce”, mas sua interação com outras pessoas forma nela um desejo, e o desejo humano de compreender o que é. A mesma coisa aconteceu com a Rei da série, no final, ao contrario da Rei de 2.0 que era a mais humana, a “série Rei” foi elaborada em conjunto e com medo. Nisto a Ayanami Type é diferente de ambas, porque nelas, sem dúvida, a confusão e medo são suas emoções dominantes, especialmente no final do filme.

Vamos voltar ao ponto, que é a visão. Se a Rei que aparece fosse uma reminiscência da Rei 2.0,  Ayanami Type iria vê-la de forma diferente, teria uma expressão mais quente, talvez ainda mais doce, e teria representado com manchas na mão, ou com o S-DAT.

No entanto, acredito que esta é uma Rei quantum.

Em primeiro lugar porque a idéia estava lá, o velho preview está aí para prová-lo, mesmo com suas limitações e diferenças. Então porque é representado da mesma forma, ou seja, com uniforme escolar, sem uma expressão particular, com os braços ao lado do corpo. Veja a primeira foto, é quase idêntica a da Rei que Shinji vê no início da série e no final do The End of Eva.

Se assim for, o que isso significa? Como já dito Rei/Lilith é uma divindade, ela pode fazer o que quiser. Isso faz sentido sentido, tanto em Rebuild como na série, trazendo a boa e velha teoria do loop .

De qualquer forma, ao que parece a Rei quantum vai continuar a nos atormentar com suas aparições.

Fonte: Dummy System