A História do Estúdio Gainax: Parte 3

Bem-vindo à Parte III da nossa história contínua do Estúdio Gainax! Se você perdeu as duas primeiras partes, você pode encontrar a Parte Um aqui e a Parte Dois aqui.

Seria uma mentira dizer que os problemas que a equipe da GAINAX teve com o Toshio Okada eram puramente comerciais. A equipe estava ficando cada vez mais frustrada com sua personalidade e falta de ação. Ele falava sobre grandes planos para o estúdio que nunca seguiu e provocava a equipe dizendo que deixaria o estúdio, apenas para voltar atrás em sua palavra. O gerente geral Yasuhiro Takeda mais tarde se referiu a ele como um “obstáculo” para suas novas produções de anime. Mas remover Okada não era uma solução simples para todos os problemas da GAINAX e o que se seguiu foi o pior ano da história do estúdio, salvo por um programa notável.

Texto original, em inglês, escrito por Callum May
e postado no Anime News Network

1992 – O pior ano da General Products

É difícil determinar se Toshio Okada era um bom presidente de estúdio ou não, mas a história nos diz que, no mínimo, ele era uma figura importante no estúdio e uma das principais forças por trás da imagem otaku do estúdio. Substituí-lo, portanto, não era uma tarefa simples e resultou em uma estranha dinâmica em que duas pessoas poderiam afirmar que, na verdade, eram o presidente do Studio GAINAX. Para os fãs, foi o diretor creditado, Hiroyuki Yamaga, que liderou o estúdio. Mas para os investidores, foi Takeshi Sawamura quem foi o presidente, um trabalho que ele já vinha apoiando Okada nos últimos dois anos.

Hiroyuki Yamaga reflete sobre o passado da GAINAX em uma entrevista para AniGamers .

Este foi o primeiro passo para transformar a GAINAX no que Okada mais tarde considerou uma “empresa comum”. De certa forma, responsabilidade financeira, horas de trabalho razoáveis ​​e horários organizados são antagônicos ao núcleo do Studio GAINAX como um estúdio. Mas, refletindo, o estúdio não teria sobrevivido nos anos seguintes com a estratégia do caos de Okada. Eles acabaram de terminar o trabalho em um de seus projetos mais difíceis, Nadia – The Secret of Blue Water, apenas para enfrentar o pior ano da vida do estúdio.

Até agora, a General Products poderia ser considerada uma empresa conjunta com a GAINAX. Embora eles fossem apoiados financeiramente pela GAINAX e tivessem o mesmo gerenciamento, a General Products tinha uma reputação, imagem e objetivos totalmente separados. Uma de suas maiores realizações foi o estabelecimento da convenção de mercadorias e figures, o Tokyo Wonder Festival em 1985, após um evento bem-sucedido de menor porte no ano anterior na loja General Products. O evento aconteceu inicialmente no terceiro andar do Centro de Comércio Industrial Metropolitano de Tóquio e, com o passar dos anos, cresceu até que o local fosse o próprio prédio inteiro.

No entanto, enquanto a General Products ficou impressionada com a participação, não foi como imaginaram a empresa. Embora o WonFes (Wonder Festival) fosse popular, as vendas de Garage Kits da General Products estavam baixos. O evento foi amado por fãs de estatuetas, garage kits e outras mercadorias, mas não estava promovendo os produtos da General Products com eficácia. Isto informou sua decisão de sair do WonFes e entregá-lo ao concorrente, Kaiyodo, em 1992. Vinte e cinco anos depois, em 2017, o WonFes da Kaiyodo teve uma participação de de mais de 50.000 pessoas.

Wonder Festival em 2017 no Makuhari Messe. ( Crédito da foto: Tokyo Otaku Mode)

Esta não foi a única tentativa fracassada da General Products de promover seus próprios produtos. Em 1989, eles montaram a agora famosa General Products USA com Lea Hernandez e Toren Smith. Os planos originais eram levar a General Products e os produtos de anime em geral para os EUA, onde os fãs de anime ainda consideravam encontrar itens de anime como uma caça ao tesouro. Hernandez recorda mais tarde que os funcionários da GAINAX / General Products estavam trabalhando duro, mas eram péssimos empresários. Parte de sua estratégia de negócios seria comprar produtos da Animate e marcá-los para vender nos EUA, uma estratégia que os colocou na lista negra da Animate antes mesmo de começarem.

Com uma comunicação terrível entre os lados dos EUA e do Japão, muita pouca mercadoria sendo realmente enviada e funcionários dos EUA não sendo pagos, a General Products USA foi um dos projetos mais mal administrados da GAINAX. No entanto, suas tentativas de capturar o mercado americano resultaram na criação do AnimeCon ’91, a primeira convenção americana a ser patrocinada por uma empresa do setor de anime japonês. A  AnimeCon só durou um ano, foi posteriormente transformado em Anime Expo em 1992, a maior convenção de anime nos EUA hoje.

 

(O AnimeCon ’91 é aberto com um AMV de onze minutos)
Com os fracassos subsequentes de vender produtos apesar dos planos ambiciosos tanto no Japão quanto no exterior, a General Products foi fechada e incorporada novamente a GAINAX em 1992, após 10 anos de atividade. Até agora, a General Products era usada como uma forma de financiar produções de anime GAINAX, mas graças à atitude do estúdio de tentar expandir o máximo possível, a General Products continuou a se estender para territórios desconhecidos que acabaram derrotando a empresa.

1992 – Pior Ano do Estúdio GAINAX

1992 foi um longo ano para a GAINAX. Além do final da General Products, o estúdio se esforçou para lançar um novo projeto de TV ou filme. Eles ainda estavam sendo mantidos à tona pelos jogos de sucesso de Takami Akai, particularmente no que diz respeito ao lançamento do que se tornaria uma série de títulos de Princess Maker, mas este foi um estúdio construído sobre a criação de anime.

Uru in Blue, ilustração de Yoshiyuki Sadamoto (1992)

Na época, o novo presidente Hiroyuki Yamaga estava determinado a produzir uma continuação da Royal Space Force, chamada Uru in Blue. Yamaga tentou apresentar o projeto antes como o primeiro filme dirigido por Hideaki Anno, mas Toshio Okada rejeitou a ideia várias vezes, afirmando que a ideia não era interessante o suficiente. Okada foi tão longe a ponto de prometer nunca deixá-lo fazer Uru in Blue, alegando que era apenas uma cópia do filme de 1984 de Walter Hill, Streets of Fire.

Agora que Okada estava fora do caminho, Yamaga tomou a iniciativa de reiniciar o projeto Uru in Blue em 1992. Apesar das dúvidas de Yasuhiro Takeda sobre o financiamento, a equipe do GAINAX se lançou de cabeça no projeto, desenhando personagens e escrevendo roteiros. Eles não tiveram um acordo lucrativo da Bandai Visual desta vez e então continuaram trabalhando no projeto com a confiança de que teriam o orçamento resolvido em algum momento. Isso significava que a GAINAX estava pagando dinheiro para sua equipe para produzir um filme que eles não estavam confiantes em terminar.

Com o fechamento da General Products, veio a súbita percepção de que eles próprios não poderiam financiar Uru in Blue. O estúdio confiava na General Products para financiar suas novas idéias desde DAICON IV, mas sem o apoio, eles não tinham outra opção senão parar a produção de Uru in Blue por completo. Okada acreditava que eles se tornaram uma empresa comum depois que ele saiu, mas a realidade é que o fechamento da General Products foi o prego no caixão de uma GAINAX desenvolvido em ideias malucas.

Uru in Blue fighter jet designs (1992)

Ninguém na GAINAX tomou conta da produção de Uru in Blue também. Mesmo antes de o projeto ter sido interrompido, houve muito pouco progresso e muito pouca confiança de que ele acabaria chegando aos cinemas. 1992 foi um ano em que a GAINAX não conseguiu produzir seu próprio anime. Muitos membros da equipe saíram e um grupo passou a formar o Studio Gonzo diretamente como uma resposta à falta de produção de anime do GAINAX.

Quando eles finalmente perceberam que Uru in Blue não poderia ser produzido, o Presidente Sawamura se aproximou de toda a equipe, disse-lhes que Uru in Blue não poderia ser feito e disse que eles não tinham confiança em poder pagar salários a partir de então. Essa era a maneira de Sawamura reduzir a empresa sem ter que demitir ninguém. A partir daí, uma grande parte da empresa acabou saindo. Todos que permaneceram ou enfrentaram um baixo pagamento ou simplesmente não receberam pagamento algum.

Estava muito perto de ser o fim do Estúdio GAINAX , mas Sawamura insistiu que ele tinha um plano para trazer tudo de volta.

1995 – Neon Genesis Evangelion e O Pior Plano

Enquanto a equipe de Uru in Blue estava em uma recessão após o cancelamento da produção, seu diretor havia iniciado um novo projeto apoiado pela King Records. Quando Hideaki Anno entrou na GAINAX revelando que um amigo da King Records havia pedido a ele para trabalhar em um anime junto com sua empresa, a equipe imediatamente começou a trabalhar em seu primeiro anime de TV em 4 anos.

Neon Genesis Evangelion (1995)

A produção do próprio Neon Genesis Evangelion foi repleta de drama. Embora essa tenha sido a ideia da GAINAX, a verdade é que havia apenas três funcionários na GAINAX trabalhando continuamente no programa, com a maior parte da produção ocorrendo na muito maior Tatsunoko Production. De acordo com Toshio Okada, Anno disse a ele que a Tatsunoko Production foi a culpada pela perda de animação antes de ser filmada, o que significa que o tempo foi perdido em ter que refazer cenas. Sendo a Tatsunoko o principal estúdio de produção, eles eram responsáveis ​​por programar as correções que ocorreram no meio da produção.

Da mesma forma, Hideaki Anno continuou seu hábito típico de trabalhar em cada episódio de cada vez, em vez de pensar em um final que traria tudo junto. Okada descreve seu estilo como o de um autor de mangá, onde eles se concentram apenas em obter cada capítulo, ao invés de planejar um caminho específico para um final. Obviamente, isso funciona no mangá, onde é um trabalho de um ou dois homens, mas isso significava que os roteiros e o storyboard chegariam tarde demais para os animadores. Em entrevistas posteriores, Anno criou o hábito de culpar o cronograma ou o orçamento por problemas com o final de Neon Genesis Evangelion, mas Okada insiste que ele simplesmente odeia ser questionado sobre os dois últimos episódios.

Apesar disso, a série foi um sucesso sem precedentes. Tão sem precedentes que eles não se incomodaram em ter Asuka falando um bom alemão porque nunca pensaram que alguém da Alemanha iria assistir ao show. A série liderou as vendas de DVDs e se tornou um fenômeno cultural. GAINAX tinha se resignado a pensar que anime era apenas algo que eles queriam criar e eram seus outros empreendimentos que estavam lá para ganhar dinheiro. Akai deixou a companhia em 1994 e levou a série Princess Maker com ele. Evangelion precisava ser um sucesso e a ideia de criar um anime que realmente gerasse dinheiro parecia um milagre para eles.


(Pen Pen de Neon Genesis Evangelion é vencedor da melhor apresentação do Anime Expo 1999)

Não só Evangelion estava vendendo bem, mas mais pessoas se tornaram atraídas pelos jogos da GAINAX à venda graças à série. Nos anos seguintes, eles começaram a produzir  jogos de Evangelion, como Neon Genesis Evangelion: Girlfriend of Steel, em 1997, e no mesmo ano, produziram um final alternativo para a série de TV em filme, The End of Evangelion.

Foi um milagre para a GAINAX como estúdio e especialmente para o Presidente Sawamura pessoalmente. Para ele, Evangelion era a grande chance do estúdio de colocar tudo de volta nos trilhos. Eles chegaram tão perto de fechar após o fracasso de Uru In Blue e com o fim da General Products que tiveram que recorrer a medidas desesperadas para manter o estúdio vivo, chegando mesmo a cometer fraudes.

Alguns teorizam que essa foi a tentativa de Sawamura de arrumar algum dinheiro para que o estúdio não precisasse enfrentar outra falência. Outros acreditam que ele simplesmente não estava acostumado a lidar com tanto dinheiro e cometeu um erro. Independentemente disso, em 1998, o presidente do Studio GAINAX, Takeshi Sawamura, foi preso por fraude fiscal após oito anos na empresa.

Fique atento para a parte final, onde falamos sobre os efeitos que Neon Genesis Evangelion teve sobre a empresa, as muitas partidas e como o GAINAX está hoje.

***

Fonte/Source(text in english): Anime News Network