A História do Estúdio Gainax: Parte 4

Bem-vindo à Parte IV da nossa história do Estúdio Gainax ! Se você perdeu as primeiras três partes, você pode encontrar a Parte Um aqui, a Parte Dois aqui e a Parte Três aqui.

O ex-presidente da GAINAX, Takeshi Sawamura, foi preso por ocultar 1,5 bilhão de ienes (aproximadamente 13,5 milhões de dólares) em lucros, exagerando os custos de produção de Neon Genesis Evangelion. Ao desvalorizar seus lucros, a GAINAX conseguiu evitar o pagamento de 560 milhões de ienes (aproximadamente 5 milhões de dólares) em impostos corporativos. O esquema fiscal durou dois anos, mas mesmo depois que o estúdio foi pego, eles ainda estavam em ascensão.

Texto original, em inglês, escrito por Callum May
e postado no Anime News Network


1998 – Uma Gainax Pós-Evangelion

Apesar de um de seus presidente estar preso agora, o Estúdio GAINAX finalmente se tornou uma empresa que conseguiu produzir consistentemente novos animes. O intervalo de quatro anos entre Nadia – The Secret of Blue Water e Neon Genesis Evangelion nunca mais aconteceu. Em vez de se concentrar em apenas uma série, GAINAX foi repentinamente capaz de lançar várias séries, esperar que uma ou duas fossem aceitas, apenas para seus patrocinadores e investidores aprovarem todas elas. Uma GAINAX pós- Evangelion foi um movimento sem precedentes.

Hideaki Anno foi creditado como diretor dos primeiros 16 episódios de His and Her Circumstances (1998).

Em 1998, foi oferecida a Hideaki Anno a chance de dirigir a adaptação do mangá His and Her Circumstances. Anno estava tão acostumado a criar seus próprios projetos originais e ser capaz de expandir suas próprias interpretações e ideias que o autor original acreditava que ele tinha ido longe demais e tinha a ênfase errada do material.

Durante os primeiros anos da GAINAX, Kazuya Tsurumaki era considerado o protegido ou substituto de Hideaki Anno. Tendo trabalhado originalmente como animador em vários episódios de Nadia – The Secret of Blue Water, ele passou a dirigir vários episódios de Neon Genesis Evangelion, incluindo os dois últimos. No entanto, apesar de ter sido co-diretor da primeira metade do filme alternativo, The End of Evangelion, ele afirmou que o final da TV original era bom e que o filme era desnecessário.

FLCL (2000)

Foi em 2000 que Tsurumaki finalmente faria sua estreia na direção solo com a série OVA de seis partes, FLCL (Fooly Cooly). Mesmo com as questões em torno de His and Her Circumstances, o amigo de Anno na King Records estava ansioso para aceitar novos lançamentos do estúdio. Depois de terminar o trabalho em Evangelion, foi Anno que pediu a Tsurumaki que criasse uma nova ideia para uma série de anime que eles pudessem lançar. Isso se tornou uma grande pressão para um novo diretor e levou um ano até que ele finalmente decidisse um conceito. O conselho de Anno era não se preocupar se todos gostariam ou não e focar apenas em fazer algo que ele queria criar.

O resultado foi uma série de alto ritmo que funcionou como uma carta de amor para muitas subculturas diferentes de otaku. Foi uma série que até o próprio Tsurumaki defendia assistir várias vezes e reconhece que não era fácil de entender. Como muitas outras produções GAINAX, foi uma que rompeu com a tradição e foi mais tarde reconhecida como uma das séries malucas que teve apenas sinal verde por causa de ser da Gainax pós-Evangelion.

2004 – GAINAX mira o topo! … novamente
Em 1999, o presidente do estúdio Hiroyuki Yamaga afirmou estar escrevendo uma novelização de Uru in Blue que seria transformada em um anime que seria lançado em 2003. A novel seria em sete partes e a oitava parte seria adaptada em um filme. No entanto, ele ficou muito ocupado em terminar depois de escrever apenas três dos contos. Durante 2002, ele foi responsável por escrever os dois shows da GAINAX, o Mahoromatic e o Magical Shopping Arcade Abenobashi, depois de apresentá-los a investidores entusiastas animados em trabalhar com o estúdio por trás de Evangelion.

Gunbuster 2: Diebuster (2004)

A Bandai Visual havia abordado a GAINAX sobre uma continuação de uma de suas séries clássicas para o aniversário de 20 anos do estúdio, mas não era o Uru in Blue da Yamaga. Em vez disso, eles estavam pensando em produzir Gunbuster 2: Diebuster, uma continuação de Gunbuster OAV de Hideaki Anno de 1988. O problema era que não havia ninguém no estúdio que pudesse dirigi-lo depois de ter lançado tantas novas séries. O próprio Anno estava ocupado dirigindo um filme live action de Cutie Honey na época, então coube ao substituto de Anno, Kazuya Tsurumaki, dirigir ainda outra série OVA original de ação. Houve discussões sobre como transformá-lo em uma série de TV, mas eles decidiram produzir seis episódios de OVA como o Gunbuster original.

Ao transformá-lo em uma série de OVAs ao invés de uma série de TV a ideia era ser feito em uma espécie de evento de dois anos com episódios sendo lançados periodicamente. Isso também significava que Hideaki Anno poderia participar mais tarde, quando tivesse tempo livre. Para concluir a série em 2006, Gainax produziu uma versão teatral de ambos, Gunbuster e Diebuster, condensando cada um dos OVAs. Enquanto isso, enquanto os fãs clamavam pelo cinema, Hideaki Anno e Kazuya Tsurumaki estavam olhando para o próximo desafio.

2006 – Adeus, Studio Khara. Olá Gurren Lagann.
No início, foi teorizado que o Studio Khara foi criado como um sub-estúdio para o Studio GAINAX, onde eles criariam uma sequência ou um final alternativo para Neon Genesis Evangelion. Não surpreendeu ninguém saber que Hideaki Anno estava trabalhando em Evangelion novamente desde que a série se tornou uma parte tão importante de sua imagem como diretor, mas o verdadeiro choque veio quando se percebeu que Anno estava deixando o GAINAX para fazê-lo. Acreditava que, para produzir uma nova visão de Evangelion, era importante que ele se mudasse para uma nova empresa. A GAINAX ainda cooperaria nos filmes, mas Khara lideraria a produção.

Evangelion 1.0: You Are (Not) Alone (2007)

Na Gainax, isso se tornaria um ciclo. A velha guarda cria algo popular, sai e dá à nova geração a chance de criar suas próprias produções. O problema é que com criadores vem o financiamento. A conexão da King Records que Gainax usou para fazer o Greenlight, Neon Genesis Evangelion e FLCL era uma conexão com a Hideaki Anno especificamente e não com a GAINAX. O estúdio teria lutado para encontrar patrocinadores para novos projetos se suas tentativas de elevar a próxima geração não fossem bem-sucedidas.

Quando o produtor da Aniplex , Yosuke Toba, entrou na indústria de anime, ele tinha três objetivos que ele queria realizar. Queria trabalhar com Hayao Miyazaki , Jun Maeda e com a GAINAX. Neste ponto, ele já havia trabalhado como assistente de direção no Moving Castle de Howl ‘s, de Miyazaki, e seu próximo passo foi trabalhar com a GAINAX. Assim como a equipe mais jovem do estúdio se juntou porque eles se inspiraram nas produções GAINAX quando estavam crescendo, agora tornou-se o caso onde até mesmo os patrocinadores tinham reverência pelo estúdio. Então, quando Aniplex recebeu uma proposta do diretor de Dead Leaves para um anime mecha GAINAX intitulado Tengen Toppa Gurren Lagann, ele se juntou para ajudar.

Gurren Lagann The Movie: Childhood’s End (2008)

Hiroyuki Imaishi adotou uma abordagem similar a Kazuya Tsurumaki em que ele imediatamente começou a criar algo de ação e não convencional. Imaishi trabalhava na GAINAX há mais de dez anos e havia inspirações ao longo do caminho. É claro que grande parte do restante da equipe principal também foi da GAINAX, que passou anos aprendendo com  Evangelion e FLCL. O que resultou foi um fenômeno cultural que até hoje é considerado como uma das maiores propriedades da Aniplex e é uma série que Imaishi passou anos tentando recriar o apelo.

2011 – Adeus, Studio Trigger. Olá… tem alguém aí?
Em 2011, uma grande parte da equipe da GAINAX que trabalhou em Tengen Toppa Gurren Lagann saiu com Hiroyuki Imaishi e o produtor Masahiko Otsuka para criar o Studio Trigger. O estúdio seria apoiado por uma parceria com os estúdios Sanzigen, LIDEN FILMS e Ordet, Yosuke Toba disse a eles antecipadamente que Aniplex apoiaria as produções do Studio Trigger. Enquanto isso, foi oferecido ao design de personagens Atsushi Nishigori a chance de trabalhar na A-1 Pictures em uma adaptação do The Idolmaster, levando consigo uma equipe diferente de talentosos animadores da GAINAX.

The Mystic Archives of Dantalian (2011)

O ciclo continuou e o primeiro diretor que eles escolheram para representar a próxima geração da GAINAX foi Yutaka Uemura, uma artista de CG e diretora de episódios do estúdio. Seu projeto foi a série de 2011, The Mystic Archives of Dantalian, uma adaptação de uma novel de fantasia produzida pela Kadokawa. Sem o apoio da Aniplex ou da King Records para criar séries originais, eles não podiam mais apresentar ideias malucas como costumavam fazer e tê-las todas sinais verde. Tendo feito sua estreia como diretor, Yutaka Uemura deixou a GAINAX depois de concluir o trabalho em Dantalian. Mais tarde, dirigiu  Punch Line com o MAPPA e o criador do Zero Escape, Kōtarō Uchikoshi.

Com a partida da Khara, Trigger e talentosos criadores individuais, a GAINAX não tinha mais o tipo de equipe criativa que poderia ter um show iluminado apenas pelo nome. Em 2012, o estúdio produziu Medaka Box com o animador veterano, Saeki Shouji. Ao contrário de diretores anteriores, Shouji não tem uma reputação de romper limites, é muito mais convencional em comparação com seus antecessores. Ele foi recentemente contratado para dirigir sua colaboração em 2015 com a empresa de automóveis Subaru, Wish Upon the Pleiades.

Wish Upon the Pleiades (2015)

Em resposta à falta de financiamento e apoio, a produção da GAINAX diminuiu drasticamente para uma série por ano, muitas das quais sendo adaptações. Com muito mais tempo em suas mãos, Yamaga começou a planejar Uru in Blue novamente. Nos anos 90, seria dirigido por Hideaki Anno, mas depois que Anno deixou claro que não estava mais interessado, o filme agora seria dirigido pelo próprio Hiroyuki Yamaga. Em 2014, ele anunciou que o filme seria lançado em 2018 com um curta de seis minutos sendo lançado no ano seguinte em 2015 intitulado Uru in Blue: Overture (isso não aconteceu). Em 2017, Hiroyuki Yamaga tinha acabado de começar o roteiro.

2017 – Khara dá uma de NERV
Não era incomum que a GAINAX não pudesse pagar outras companhias de anime. A GAINAX não pagou os co-produtores do Grupo TAC por Nadia – The Secret of Blue Water até que eles receberam os enormes lucros de Evangelion anos depois. Da mesma forma, eles estavam atrasados ​​em pagar o vice-presidente da General Products USA, Lea Hernandez, em 1989. Além disso, o presidente do estúdio disse a toda sua equipe em 1992 que eles não poderiam mais pagá-los, forçando a grande maioria a parar. Portanto, era provavelmente muito claro para Hideaki Anno que a GAINAX não tinha intenções de pagar um empréstimo do Studio Khara tão cedo.

Khara comemora seu décimo ano fiscal

Quando Hideaki Anno saiu da GAINAX, ele o fez com o acordo de que seu Studio Khara receberia royalties sobre as vendas de quaisquer projetos GAINAX em que a Anno estivesse envolvido. Khara também emprestou ao estúdio cerca de 100.000 milhões de ienes (aproximadamente 1,1 milhão de dólares) em 2014.  Desde então, a GAINAX atrasou com os pagamentos, incorrendo em um processo. Este é o segundo processo público da GAINAX, sendo o primeiro relacionado aos direitos em torno de um filme live action de Evangelion. Foi confirmado em 2017 que a GAINAX havia perdido o processo e foi condenada a pagar ao Studio Khara o valor total.

2018 – Estamos em baixa, mas não estamos fora
Hoje, o Studio GAINAX é uma empresa fragmentada. Em 2014, Takami Akai deixou Tóquio para criar um novo estúdio em Yonago, agora conhecido como Yonago Gainax. Em 2016, Yasuhiro Takeda saiu para montar a GAINAX West em Kobe. Essa empresa agora está planejada para fechar e incorporar um novo estúdio em Kyoto conhecido como GAINAX Kyoto. Além disso, há outro time em Fukushima conhecido como Fukushima Gainax. Em 2016, Fukushima Gainax anunciou o projeto de anime “Flying Babies” para direcionar o turismo para a área. Atualmente, o estúdio GAINAX principal está trabalhando em Gunbuster 3, Uru in Blue e uma trilogia de filmes baseados nas histórias de Leiji Matsumoto conhecida como The Zero Century Trilogy.

Trilogia de Zero Century anunciada na Japan Expo em Paris

O Estúdio GAINAX é uma entidade diferente para muitas pessoas diferentes. Para alguns, eles são os  que continuam prometendo fazer um filme sobre pilotos de caça que também são cavaleiros. Para outros, eles são os terríveis empresários que fizeram de suas vidas um inferno. E para muitos, eles são os criadores lendários que moldaram o anime moderno.

Yamaga se referiu ao estúdio como uma escola onde as pessoas vêm e vão. Eles aprendem enquanto trabalham no estúdio e saem quando podem ficar de pé. É dessa forma que, mesmo que a GAINAX como negócio fosse acabar, as ideias e o entusiasmo de um grupo de universitários que amavam a ficção científica em 1981 sempre farão parte do mundo do anime.

***

Fonte(Text in english): Anime News Network