[EvAnalysis] O Shogi em Rebuild of Evangelion – Parte 1

Todo mundo sabe que no Sistema Magi (o original) a personalidade de Naoko Akagi é transcrita como cientista, como mãe e como mulher. A formidável tríade gere bem diante de ninharias como a administração de Nerv e da cidade de Neo Tokyo-3, mas para investigar o universo de Evangelion, apenas três personalidades não são suficientes. Dependendo da eventualidade, nós, pobres seres mortais, temos que improvisar pequenos químicos, astrônomos, teólogos, filósofos… ou, como neste caso, (não) especialistas de Shogi, o jogo de xadrez japonês que é o passatempo favorito de Soun Tendo e Genma Saotome Gendo e Fuyutsuki.

Levante a mão quem, diante da cena do jogo entre Shinji e Fuyutsuki em You Can (not) Redo, não se perguntou pelo menos uma vez “Ei, me pergunto se seus movimentos escondem algum significado obscuro!” Bom, eu tenho boas e más noticias. A boa é que sim, eles escondem tudo muito bem. O ruim é que não estamos simplesmente falando de “algum” significado obscuro. A Caixa de Pandora foi descoberta aqui. E está cheia até a borda com grandes mindfuckers assim.

Primeiro de tudo, vamos dar crédito a quem é devido, como tem que ser na etiqueta: não sou a primeira pessoa maluca a me envolver nesse negócio. A inspiração para este artigo veio a mim quando me deparei com este documento, que resume uma troca muito interessante que ocorreu há alguns meses em um determinado quadro de mensagens que não deve ser nomeado. Meus agradecimentos vão, portanto, a esses corajosos anônimos, por terem se certificado de que investiram algum tempo da minha vida na visão de um bom tutorial em vídeo de shogi e procurar pistas e correspondências entre Evangelion e este jogo fascinante.

Texto original (em italiano) publicado pelos
amigos italianos do Dummy System.

Um pouco do básico

Antes de nos lançarmos na análise, rapidamente revisamos as características essenciais do jogo. Por enquanto, reduzi a informação ao básico já que voltarei a muitos pontos aqui depois. De qualquer forma, para informações mais completas, encaminho-os muito trivialmente ao Wikipedia.

O tabuleiro e a disposição inicial das peças

O Shogi é um jogo de tabuleiro de estratégia típico da tradição japonesa, em muitos aspectos semelhante ao nosso xadrez. É jogado em um tabuleiro de xadrez retangular composto de nove linhas e nove colunas. O jogo é jogado entre duas pessoas, chamados Gote (Branco) e Sente (Preto), em que cada um tem um “exército” composto por vinte peças:

  • 1 rei
  • 2 generais de ouro
  • 2 generais de prata
  • 2 cavalos
  • 2 lanceiros
  • 1 bispo
  • 1 torre
  • 9 peões

O objetivo do jogo, como no xadrez, é capturar o rei do oponente. O jogo termina quando se é dado xeque-mate ao rei ou quando um dos dois jogadores, encontrando-se em uma desvantagem irrecuperável, admite sua derrota.

No Japão, o jogo é tão popular que todos os anos o Dia do Shogi é celebrado. A data? Bem, nós Evafags sabemos muito bem: o fatídico 17 de novembro, data de lançamento de Evangelion 3.0 You Can (not) Redo. Apenas uma coincidência?

Quem é quem? As peças de Shogi em Rebuild

Shinji Ikari, o Cavaleiro Servente

Em Rebuild, o shogi faz sua primeira aparição brevemente, em uma cena de You Are (not) Alone.

Shinji escapa da casa de Misato, depois de uma noite passando perambulando melodramaticamente pelas ruas de Neo Tokyo-3 e dormindo em uma caixa como um pobre cachorro perdido, o garoto renuncia ao seu destino como piloto de Evangelion e retorna ao serviço de segurança da Nerv. Enquanto isso, na sede, Gendo e Fuyutsuki se dedicavam ao seu hobby favorito: se posicionarem como os espertos que previam tudo. Enquanto isso, apenas para manter suas mãos ocupadas, também estão se deliciando com um jogo de shogi.

Fuyutsuki (que também está lendo nesse meio tempo!) Comenta placidamente que, no final, Shinji se comportou “como esperado”, e assim dizendo, move uma peça, o Cavalo. Ou, de acordo com a tradução anglo-saxônica, o Cavaleiro.

Para evitar dúvidas, a peça é muito bem enquadrada, a cena mostra ela muito de perto. É impossível entender mal: o Cavaleiro representa Shinji.


[1.0] Fuyutsuki move o cavalo, peça associada a Shinji.

Sem dúvida, neste ponto da história (mas também continuando, não é que a situação evolua tanto), o inocente Shinji é pouco mais do que um peão indefeso nas mãos da Nerv e da Seele, mas o mesmo pode ser dito da quase totalidade dos personagens, manobrados sem o seu conhecimento para que o Projeto para a perfeição do homem chegue à conclusão. Por que, entre muitas peças, Shinji estava associado a isso? Para entendê-lo, basta observar o comportamento do Cavaleiro no tabuleiro de xadrez.


O Cavaleiro tem apenas dois movimentos disponíveis. A peça se move no formato de L (duas casas pra frente e uma para o lado), para a direita ou para a esquerda; portanto, é constantemente confrontado com uma encruzilhada, com uma escolha entre duas possibilidades.

Esta é a mesma lógica que subjaz aos títulos dos vários capítulos de Rebuild, que se referem precisamente às ações de Shinji ao longo da história: You Are (not) Alone, You Can (not) Advance, You Can (not) Redo.

Ao longo de seu caminho, nosso protagonista é continuamente confrontado com uma série de escolhas, e em Q, onde Shinji desperta no meio de uma colisão frontal entre duas facções opostas, este mecanismo é levado a extrema exasperação: não fazer nada ou pilotar o Eva? Acreditar em Misato ou confiar em Rei? Ficar com Wille ou voltar para a Nerv? Ouvir as recomendações de Sakura ou obedecer Gendo?

O cavaleiro só pode avançar. Em nenhum caso ele pode voltar. Assim como os rastros de seu fiel SDAT, que a partir de 2.22 começa a avançar progressivamente, Shinji não pode fazer nada além de seguir adiante, ele não tem permissão para rebobinar a fita.

Isto é confirmado pelo mesmo manifesto escrito por Anno: Eva é uma história de repetição. É a história de um protagonista que, apesar da repetição das mesmas experiências, se levanta constantemente. É a história de uma tentativa, de avançar, de prosseguir apenas um passo.

E, de fato, depois de You Are (not) Alone vem a vez de You Can (not) Advance, e parece que Shinji, para melhor ou para pior, deu um pequeno passo adiante (… para o fim do mundo, mas tudo bem, você não pode ter tudo). Que não é permitido retroceder para Shinji é uma lição que aprendemos da maneira mais violenta e traumática possível: vimos como isso acabou em You Can (not) Redo, quando ele tentou “voltar” usando a Lança da Esperança, diga-se de Cassius, certo? verdade.

O Cavaleiro tem algo que o torna único. Assim como Shinji – o único garoto capaz de desencadear dois apocalipses seguidos despertar a unidade 01 – o Cavaleiro tem uma capacidade que é só sua e que, portanto, lhe dá um grande valor: Ele se move pulando uma fileira de casas, é a única peça que pode sobrepor as peças opostas que estão paradas na sua frente. Entenda, portanto, que um rei tem muitas razões para desejar um cavaleiro em seu exército…

Um cavaleiro para uma princesa. Qual é a tarefa de todo cavaleiro (ou príncipe) que se preze, se não para salvar princesas em perigo? Foi Mari quem deu o apelido para Asuka de O-Hime, e é ela que recomenda Shinji “salvar a princesa”. Descobrimos que Mari, por algum motivo obscuro, que morremos de desejo de descobrir, parece conhecê-lo por muito tempo. Em sua cabecinha diabólica, nossa gata cantora já deve ter feito uma ideia de como as coisas vão acontecer e, evidentemente, prevê que a princesa logo precisará dos serviços de um cavaleiro. Só esperamos que ele tenha recebido a mensagem.

O Rei dos Lilins

Bem, isso é realmente fácil: Gendo é certamente o rei. Caso haja alguma dúvida, Kaworu irá eliminar qualquer questionamento, referindo-se a ele como o “Rei dos Lilin”. Quanto a Shinji com o Cavaleiro, até mesmo Gendo e seu colega de xadrez se parecem, e não apenas pelo papel de autoridade que desempenham.

Em shogi, o rei é uma parte fundamental: dar xeque-mate ao rei equivale a ganhar o jogo. Precisamente por esse motivo ele não é uma peça de ação. São as outras peças que se lançam no ataque,  são elas que estão alinhadas em sua defesa e que estão ocupando espaços ao seu redor na tentativa de protegê-lo.

O trabalho sujo, em suma, o rei prefere deixar que seja feito pelos outros. Com todo o respeito a Misato, mas Gendo Ikari é, sem dúvida, o verdadeiro e grande estrategista de Evangelion, e ele é também o Rei de todas as lutas, em qualquer nível: ele é o chefe da organização que lidera a humanidade na luta contra os Anjos. aquele contra quem Wille luta e é o homem que, no final, com um golpe de Estado, se livra da Seele para levar adiante seus planos, sejam eles quais forem.

Uma particularidade desta peça é que, enquanto todas as outras peças duplas são perfeitamente idênticas e intercambiáveis, há uma diferença pequena, mas substancial, nos ideogramas entre os dois reis. É uma linha minúscula, mas muda tudo e determina a atribuição dos reis entre os oponentes. Apenas o jogador mais experiente pode usar a peça que literalmente diz “General King “; o desafiante deve contentar-se com o rei “tarocco”, a peça que leva a inscrição “General Jewelled“. Basicamente, poderíamos dizer que estamos lidando com um rei real, que adquiriu o título por direito de nascimento, e com um general que está determinado a fazer-se passar por rei em virtude de sua própria riqueza.

Vamos comparar esta bela imagem mental com aquelas que, pelo menos aparentemente, diríamos às duas facções opostas em Q, a Nerv e a Wille. Quem é o falso rei, entre Gendo e Misato? Na primeira parte do filme, um esforço óbvio é feito para abordar os dois personagens, especialmente aos olhos de Shinji: Misato, escondida atrás de óculos escuros e suas poses estóicas, parece mais hostil e impenetrável do que nunca. A cena em que, do alto de sua posição, ela ordena que Shinji não faça nada, é então claramente refletido no primeiro encontro entre Gendo e Shinji no começo da série. Não há dúvida de que, entre os dois, o papel do falso rei cabe a Misato, mas temos a certeza de que a partida decisiva é disputada entre a Wille e a Nerv? A julgar pelo diálogo final entre Gendo e Fuyutsuki, parece que, para variar, o comandante está secretamente lidando com Misato para poder usá-la, a Wunder e especialmente o Eva-01 no devido tempo.

Quatro lanças

Cada jogador tem duas Lanças (lanceiros) disponíveis, um total de quatro. Elas são colocadas nos quatro cantos extremos do tabuleiro e, junto com a Torre e o Bispo, fazem parte das chamadas peças “corredores”, ou seja, podem mover o número desejado de casas, cobrindo mais de uma por vez.
Neste caso também a conexão é praticamente explícita, já que Rebuild sofre de uma evidente superabundância de lanças. Durante o flashback que nos mostra o segundo impacto são mostrados apenas quatro.


[2.0] Quatro lanças para quatro Adões

Duas delas são certamente Lanças de Longinus, enquanto as outras duas são mostradas apenas a empunhadura, em uma tentativa muito bem sucedida do Studio Khara de nos confundir e os levarem juntos por que eles mesmo não sabem o que vai acontecer. E depois há a Lança De Cassius, cuja ausência no Dogma Central também é a causa da queda de Kaworu. O rei de Lilin, graças a suas duas lanças, garante a vitória.

É interessante notar como a Lança de Longinus, também conhecido como o “freio de mão dos Deuses”, é quase sempre usada com uma função de bloqueio, quase como um peão que está enfrentando outro e para em frente: em 1.0 e 2.0 a Lança mantém Lilith sob controle, enquanto em 3.0 as “peças” bloqueadas são três: Lilith, o Mark.06 e o ​​décimo segundo Anjo selado por dentro. É preciso a intervenção de Shinji para extrair as lanças e, finalmente, desbloquear o jogo, que se instalou em um impasse. O cavaleiro reconfirma ser uma peça fundamental para a progressão do jogo.

Nove peões iguais, nove peões inúteis

Chegamos agora aos trabalhadores baixos: peões. Estas peças são as mais numerosas, mas também as mais fracas, e têm um único movimento à sua disposição, o de avançar um quadrado. Mas o verdadeiro ponto de interesse dessas peças, do nosso ponto de vista, é outro: os peões são nove para cada jogador e todos são perfeitamente iguais.

O nove, depois de quatro, é um dos números mais freqüentes em Evangelion e Rebuild: nove são os pontos que compõem a Árvore da Vida (em cujo projeto é baseado, em Rebuild, na planta do aquário que lida com a restauração da cor azul dos oceanos), nove são a Série Eva em The End of Evangelion, e sempre nove são os sarcófagos de pedra perfeitamente alinhados na superfície lunar, dos quais, do quinto, sai Kaworu. Nós não sabemos o que saiu e o que está contido nos outros (por exemplo, de acordo com a gente seria legal se fossem os Kaworu pertencentes a outros loops), mas podemos arriscar uma primeira interpretação, que Kaworu desempenhe o papel do simples peão. Sabemos que ele age em nome da Seele, pelo menos inicialmente (mas também em Q, Gendo e Fuyutsuki se referem a ele como o “menino da Seele”), e, apesar de sua entrada no estágio triunfal, em Q Kaworu acaba sendo manobrado e emoldurado pelo rei Lilin, que o usa para atrair Shinji a bordo do Eva-13. No final, apesar das altas expectativas que todos tivemos com ele, Kaworu acabou sendo eliminado do jogo como a mais dispensável das peças.

Outro possível candidato para o papel do peão – e não é de modo algum dito que os dois são mutuamente exclusivos – é definitivamente Rei , ou melhor, a Série Ayanami.

Se a coleção de cabeças que decoram o Geofront não for suficiente, Asuka pensa em confirmar que agora a Seele se especializou na produção em série de garotas de olhos vermelhos: depois de uma inspeção rápida, nos informa que a Rei de Q é uma “Ayanami” aparentemente uma dos “primeiros lotes”. Se a Rei é feita mesmo em lotes, é bem provável que o objetivo da Nerv seja usá-la como mão-de-obra barata (talvez para dirigir determinado Evangelion produzido em série), assim como simples soldados a pé. O fato de que as séries de Ayanami são basicamente simulacros sem derramamento de sangue, então, reduz ainda mais o valor do ponto de vista humano, tornando-as praticamente … como eu posso colocá-lo suavemente … bem, carne para abater.

Promoções, capturas, paraquedas, repetições

Tudo promovido!

Se a peça conseguir avançar além da área neutra do tabuleiro (as três fileiras de quadrados centrais), alcançando assim as três fileiras de quadrados que compõem a área inimiga, uma peça pode ser promovida. A promoção é feita girando o contador no lado oposto, que tem um ideograma diferente e envolve um poder maior. Por exemplo, a peça que vai encontrar uma promoção mais substancial é, sem dúvida, o peão que, como simples soldado, adquire os mesmos movimentos do braço direito do rei, o General de Ouro. O rei e o General de Ouro são as únicas peças que, por outro lado, não podem ser promovidas.

Há um detalhe muito interessante que distingue os personagens de Rebuild (e que, apenas para mudar, ele imediatamente nos faz gritar para a teoria do loop): muitos deles, em comparação com a série, estão com grau avançado.
Misato , que começou como capitão na série e se tornou major, em Rebuild já é coronel, Kaji foi promovido a inspetor chefe dos serviços secretos da Nerv e Asuka, como uma simples piloto, até foi nomeada capitão da Força Aérea – e também mudou o nome. Em Q, então, Misato e Ritsuko enfrentaram uma nova promoção, embora não oficial e provavelmente auto-concedido, tornando-se respectivamente comandante e vice-representante da Wunder.

Capturas

Quando uma peça é colocada em xeque, o jogador adversário pode capturá-la e usá-la para fortalecer seu “exército”, adquirindo sua propriedade. Em Rebuild, algo muito semelhante acontece entre a Seele e os Anjos.

You Can (not) Advance abre com a batalha entre Mari, a bordo do Eva-05, e um anjo bastante espancado. Este é o terceiro anjo, lavado e preso na base de Betânia, mesmo antes do ataque de Sachiel. O motivo é dito brevemente: além de analisá-lo para roubar o máximo de informações possível sobre sua espécie, a Seele até tentou forçar uma entrada no corpo do pobre verme, na esperança de torná-lo manobrável. Em outras palavras, a intenção da Seele era ter o Anjo como um de seus peões.

Sabemos como, graças à intervenção de Kaji, a questão foi resolvida, mas a Seele não desiste de tentar dominar os Anjos, então ela pega um e coloca dentro de um Eva, a unidade 03, só para ver o que aconteceria. Na verdade, já existia uma cobaia para testar os resultados de uma contaminação entre anjos e seres humanos.

Avanço rápido até 3.0. Quatorze anos se passaram e parece que a pesquisa incessante da Seele tem dado frutos: o mundo é patrulhado pela série Nemesis, dispositivos artificiais que possuem todas as características dos Anjos, da onda azul ao hábito de morrer com explosões pirotécnicas de sangue, cruzes e arco-íris. Os verdadeiros Anjos também teriam sido quase completamente derrotados, mas na prática é como se a Seele os tivessem capturado e depois voltado a jogar na forma da Série Nemesis. Só agora eles se mudaram para o lado oposto e obedecem à vontade dos seres humanos.

Paraquedas

Quando uma peça capturada é colocada de volta no tabuleiro, no jargão é dito que ela foi “de paraquedas”. Neste caso, uma imagem vale mais que mil palavras:


[2.0] Mari entra em cena caindo sobre o protagonista.

Mas Mari não é o única personagem que faz sua entrada triunfal caindo de cima.

Durante o confronto entre Shinji e Gendo, este último repreende seu filho dizendo que “a felicidade não cai do céu”. Bem, depois de escrever este artigo eu não acho que vou ver essa cena novamente sem sorrir, porque eu percebi que, em 2.0, não há nenhuma coisa que não caia do céu. Na tradução em inglês, para se referir ao paraquedismo das peças, um termo com um significado muito mais amplo é usado: drop, que podemos traduzir aproximadamente com “cair de cima”.

Mesmo antes de Mari, Asuka chega do ar a bordo de seu Eva-02, transportado para Neo Tokyo-3 em vôo, e se apresenta em uma luta que acontece inteiramente no ar. Também o Eva-03 é entregue a Nerv japonesa pelo ar e, mais tarde, Kaworu aparece a partir da lua, não antes de deixar a Lança de Cassius cair no chão.

O fato de todos esses personagens serem “descartados” de cima terá um significado especial? O paraquedismo de uma peça implica que ela é passada de um jogador para outro, mudando assim a facção. Isto dá para pensar especialmente sobre a grande desconhecida de Rebuild, Mari, mas sem conhecer seu passado e seus verdadeiros objetivos, infelizmente, é difícil arriscar hipóteses nesse sentido.

You Can (not) repeat

Um jogo de shogi termina quando um dos Reis é capturado ou no caso de um jogador se declarar derrotado, mas há também a possibilidade de que ninguém vença e que o jogo termine empatado. É o que ocorre, por exemplo, em um caso particular chamado sennichite ou repetição de draw.

Se a mesma posição de jogo- tanto as peças que estão em jogo quanto as capturadas – ficarem na mesma configuração por mais de quatro vezes durante o jogo, será declarado encerrado e não haverá vencedor. No caso de, em vez disso, um jogador realizar o Xeque Perpétuo, que é forçar um empate por uma série interminável de Xeques  por quatro vezes consecutivas, isso faz com que ele perca automaticamente o jogo.

Mais uma vez, o número quatro, o verdadeiro tormento de Rebuild, é recorrente, e mais uma vez fala-se de repetições, da reiteração dos mesmos eventos. Teoria do loop a parte (embora, vamos encarar, seria reconfortante saber que há um número limitado de vezes em que o loop pode ser reiniciado), há um evento que se arrisca a se repetir pela quarta vez. O impacto profetizado pelo trailer de Evangelion: Final, se ocorrer, seria o quarto causado pela intervenção humana. Olha, chama-se Impacto Final: final do jogo.

Bem, nós aprendemos os fundamentos do jogo e estabelecemos alguns paralelos, agora só temos que analisar o jogo entre Shinji e Fuyutsuki. Mas isso faremos na próxima parte. Enquanto isso, os Magos fazem questão de salientar que nunca viram um xadrez de shogi nem de longe, e convidam você a compartilhar quaisquer outros pensamentos que possam ter passado pela sua cabeça lendo este artigo. Quem sabe a solução para todos os mistérios de Evangelion não está escondida precisamente no shogi… (haha, como não).


Fonte/Source: Dummy System

Anúncios