EVA.doc | A Cena Final de The End of Evangelion

A cena final de End of Evangelion é fonte de algumas das discussões mais frutíferas entre os fãs ao longo dos anos, com base em análises aprofundadas, entrevistas com os Seiyūs (vozes originais), teorias baseadas em filosofia e muito mais. Este artigo tem como objetivo avaliar alguns dos principais pontos de vista que surgiram ao longo dos anos, construindo uma narrativa sólida sobre o que podemos extrair da cena e seus significados dentro do espetáculo.

Esse é um texto traduzido do Wiki.EvaGeeks. Originalmente escrito por Igor Rizzi.

É importante ter em mente que as informações aqui descritas são provenientes de informações de diferentes materiais canônicos e traduções parciais. Assim, pode haver análises e pontos de vista conflitantes, porém, isso não invalida essas fontes como um todo, pois elas têm a finalidade de auxiliar na elucidação de pontos da trama. Cabe ao leitor, no entanto, ter em mente que esse tipo de informação é suscetível à falsificabilidade e pode ser modificada posteriormente.


ONE MORE FINAL: I need you.

Asuka e Shinji deitados na praia.

Após a vinheta, somos apresentados à figura morta de Lilith, com metade de seu rosto desaparecido e em uma expressão enigmática e estóica. À sua frente, podemos ver estacas erguidas no chão, com uma delas quebrada. A cena foca em outra, mostrando a cruz que Misato deu a Shinji, enferrujada.

A cena de um Eva petrificado em estado deteriorado é mostrada, e em seguida é apresentado um cenário de praia, com um mar vermelho, resultado do LCL que foi diluído durante o Terceiro Impacto. A Lua é mostrada com uma mancha de sangue como resultado da morte de Lilith. Esta cena ainda será enfatizada algumas vezes durante a sequência.

Somos então mostrados aos dois protagonistas sobreviventes: Shinji e Asuka. Eles estão deitados lado a lado com os olhos abertos. Suas mãos são mostradas lado a lado. Asuka tem seu braço enfaixado, é o mesmo braço que foi gravemente ferido durante a batalha com os EVAs de Produção em Massa.1 (Esta é de fato Asuka sozinha e não um ser híbrido)

Shinji então olha para a esquerda com uma expressão de confusão. Do seu ponto de vista nos é mostrada a Rei Quantum, aparentemente a flutuar no meio do mar de LCL, que agora podemos ver claramente que está acima dos edifícios da cidade. O olhar de Shinji muda de confusão para um tom estóico quando a misteriosa figura de Rei desaparece. Shinji se levanta da mesma forma e então segue para Asuka. Somos apresentados a mais cenas exteriores: a cidade destruída e submersa, a visão enigmática da Lua e a mancha de sangue no céu, que basicamente forma um arco-íris vermelho.

A próxima cena inicia uma das sequências mais discutidas da franquia: Shinji sobe em Asuka e começa a estrangulá-la, aumentando a pressão dos dedos em seu pescoço. Asuka sofre visivelmente, mas sua reação é acariciar o rosto dele, devagar e com calma. Imediatamente, Shinji a libera e suas lágrimas caem no rosto de Asuka. Ele está soluçando, finalmente esboçando uma reação mais forte nesta sequência, ela é mostrada com um rosto, mais uma vez, enigmático e estóico. Com a cena voltando para mostrar os dois separados, Asuka pronuncia a última frase do filme: kimochi warui, que pode ser traduzido como “Eu me sinto doente” ou “Que nojo”. O filme termina.

Passagem do Tempo

Parece provável que Shinji tenha passado algum tempo sozinho na praia antes de Asuka aparecer, como alguns elementos da cena indicam:

Shinji ressurgindo no Mar de LCL. Observe que ele parece muito mais solene.
Shinji quando ele tem um vislumbre de Rei, e percebe Asuka ao seu lado. Ele está claramente surpreso e perturbado.
  • Existem vários pedaços de madeira em pé que, segundo o roteiro 2 De acordo com as traduções do roteiro original de Reichu e Bochan_Bird, o trecho é 墓標らしきもののが並んでいる (一本だけケリ倒されたもの有) “O que parecem ser lápides ficam em fila. (Apenas um está derrubado)”., se destinam a assemelhar-se a lápides, uma das quais foi quebrada ao meio. Isso poderia ser interpretado como Shinji estabelecendo lápides para todos aqueles que ele conhecia. Aquele com a cruz de Misato representaria, portanto, seu túmulo. Também é possível ver uma lata de Yebisu perto de seu “túmulo”, em certo estado de deterioração.
Pedaços de madeira “misteriosos”, com um deles quebrado ao meio
  • A cruz de Misato está enferrujada, ou mais especificamente, o prego que a segura. Foi sugerido que isso poderia ser apenas sangue lavado na cruz, já que é dito que LCL se assemelha a sangue várias vezes. No entanto, o fato de que a ferrugem está caindo especificamente do prego é revelador, porque significa que houve tempo suficiente para um prego enferrujar, ou, alternativamente, se Shinji encontrou o prego já enferrujado, a água ou a umidade podem ter feito a ferrugem derramar na cruz. Independentemente disso, deve haver pelo menos tempo suficiente para que a ferrugem escorra em primeiro lugar.
Ferrugem na cruz de Misato. Também parece haver uma lata de cerveja Yebisu no canto superior direito.
  • Os ciclos da lua mudam entre a primeira cena pós-Impacto quando Lilith está morrendo até a cena final. Assumindo que a lua não foi afetada pelos eventos do Terceiro Impacto, eles parecem indicar que pelo menos duas semanas se passaram entre essas cenas.3 Uma visão alternativa (e não contraditória) pode ser vista aqui (em inglês). Os leitores devem ter em mente que o argumento do autor parte do ponto de total precisão científica e ignora qualquer licença artística. A conclusão geral do autor é consistente com a ideia de que se passaram pelo menos duas semanas entre o retorno dos personagens. No entanto, assumindo que as posições da lua e da Via Láctea devem ser totalmente precisas para a vida real, seriam pelo menos sete meses com a data mais próxima possível de 19 de julho de 2016. Veja aqui (em inglês) para entender por que é considerado que o esta parte do filme é definido como 1º de janeiro.
Ciclos da Lua

Um tempo muito maior do que isso se tornaria cada vez mais difícil de sustentar, já que Shinji fisicamente não parece tão diferente de seu estado natural, com suas roupas em um estado decente, exceto por seus sapatos sujos. Ele também não parece ter envelhecido significativamente.

O que podemos especular é que esta é a primeira vez que Shinji conheceu outra pessoa após o fim do Terceiro Impacto, independentemente de quanto tempo tenha passado. Por que ele estava deitado do lado de Asuka pode ser discutido mais tarde com outras evidências. Como tal, esta cena provavelmente ocorre logo após Asuka retornar ao seu estado físico, com o corpo curado, mas envolto em bandagens. Se ela se moveu para perto de Shinji por sua própria decisão ou se ele a encontrou é desconhecido.

A passagem do tempo ligada ao estado mental de Shinji Ikari também é fruto de muito debate, considerando que ele deixa a instrumentalidade em um estado de espírito relativamente positivo, disposto a viver no mundo real, mas tem ações erráticas e bizarras ao se deparar com outro ser humano, indicando um suposto estado de sofrimento mental. Sua capacidade de discernir entre o mundo real e a instrumentalidade pode ser severamente afetada, levando Shinji a um estado de descrença. A curta aparição de Rei Quantum aumenta sua dúvida, dada a irrealidade da cena. A agressão, nesse caso, seria uma forma de confirmar que era o mundo real, já que a verdadeira Asuka lutaria por sua vida ou reagiria para evitar sua aproximação.

Fatores como sobrevivência, nutrição e o estado geral do mundo são deixados para a interpretação do público. Na verdade, não é possível sugerir que Shinji e Asuka são os únicos humanos que voltaram à vida naquele ponto4 “Yui: Não se preocupe. Todas as coisas vivas têm a capacidade de retornar à sua forma original… e o coração para continuar vivendo. Qualquer lugar pode ser o paraíso desde que você tenha vontade de viver.”, mas sim que é a primeira vez que eles se encontram. Esses pontos também ajudam a elucidar o aspecto simbólico e metalinguístico dessa sequência, expressando o restabelecimento do contato da humanidade com o outro, em nível individual.


Simbolismo de Mãos e Estrangulamento

Shinji, novamente surpreso quando Asuka o acaricia, como se o aceitasse. Isso parece acordá-lo de seu estupor.

Ao longo do anime, cenas envolvendo mãos e, mais especificamente, estrangulamentos, podem ser descritas como proeminentes. Metaforicamente falando, as mãos são uma forma de conexão entre uma pessoa e outra, por meio do contato, e também um indicador de autorreflexão, principalmente no caso de Shinji. End of Evangelion é muito consistente em estabelecer esse padrão, pois as mãos são o resultado de diferentes tipos de contato com outras pessoas: tanto para violência quanto para contato pacífico. Shinji faz esse tipo de contato com Asuka e Rei em diferentes partes do filme, e outros personagens fazem o mesmo ao longo da série, como Gendo (no caso de Rei 3) e Naoko Akagi (no caso de Rei 1).

De uma forma intrapessoal, Shinji é frequentemente visto olhando para suas mãos durante o show. Seja para tomar decisões (episódio 1), refletir sobre suas habilidades como piloto de Eva (episódio 16), ou se condenar após se masturbar com Asuka (EoE/25′). Esse ato em si denota como o personagem tem descrença em suas próprias atitudes e não sabe muito bem como abordar os outros. Em todas essas cenas, Shinji demonstra principalmente insegurança, um importante marcador de sua personalidade. Uma atitude mais enfática com as mãos precisa de maior força mental para que Shinji seja capaz de atuar. Interessantemente, é também através de suas mãos que ele controla seu Eva, refletindo o peso que há nelas, mesmo não tendo certeza sobre suas atitudes e seu significado. Com isso dito, quando Shinji usa livremente as mãos para machucar, talvez o peso que ele sente seja menor, pois ele está abdicando de sua relação com o outro, rejeitando-o.

A carícia anterior de Yui
Asuka olhando para Shinji enquanto ela o acaricia

Falando especificamente das cenas de estrangulamento, que também marcaram o espetáculo, e usando a metáfora da conexão com os outros, esse tipo de agressão pode ser descrito como uma negação do outro. Essa negação pode significar rejeição, distanciamento ou, mais diretamente, morte. Da mesma forma que Naoko estrangula Rei 1 negando-a como ser humano, e rejeitando-a como uma imagem de Yui Ikari, Shinji estrangula Asuka negando-a como outra (assim como ele fez com ela anteriormente, na cena da cozinha). No entanto, Asuka usa sua mão de maneira oposta: a de aceitação, disposta a aceitar a condição de Shinji como outro, e esse ato em si choca profundamente Shinji. Desta maneira, consegue aceitar a realidade que testemunha e deixa de negá-la ao outro. A expressão do afeto é símbolo das novas possibilidades da humanidade, livre da Instrumentalidade.


Evidências no Roteiro e Entrevistas

Esses detalhes do roteiro são materiais canônicos de nível 1, pois vêm da produção do programa e podem ser considerados suplementos altamente confiáveis ​​​​ao material já visto no próprio End of Evangelion, desde que não contradigam explicitamente nada que seja visto na tela. Eles também fornecem dicas gerais das ideias que cercam a concepção da cena.

O roteiro de End of Evangelion apresenta alguns detalhes que ajudam a montar o quebra-cabeça existente na cena. O material a seguir foi discussão de fãs ao longo dos anos, mas tem sido consistente com evidências que surgiram mais tarde, como lançamentos de material extra em blu-ray. Assim, esta seção é dedicada a explorar a história por trás da criação da sequência final, utilizando esses recursos para entender as ideias que permearam sua criação, as opiniões dos autores e dubladores, e seu impacto geral no resultado final.

Para começar, podemos falar sobre as diferenças entre o roteiro fornecido e o próprio filme. Alguns detalhes são modificados, indicando simplificações e mudanças de direção. Exemplos incluem a sequência de abertura, do hospital, que aconteceria no quarto de Shinji, com alguns elementos surreais permeando a tela; cenas de despedida incluindo os colegas de classe de Shinji, Asuka dizendo mais cedo “Kimochi warui” ao acordar dentro do Eva-02 etc.5 Isso foi mencionado pela primeira vez por Olivier Hague aqui (em inglês). Olivier foi famoso leaker de fóruns de anime do começo dos anos 2000. Ele afirmava coisas que tinha lido em entrevistas e outros materiais promocionais mas não citava a fonte. Anos mais tarde, as coisas que ele foi afirmando foram se provando verdadeiras à medida que o resto dos fãs foi tendo acesso a produtos japoneses da época.

O que nos interessa diretamente nessa cena são as mudanças ao longo da sequência final do filme. A vinheta apareceria muito antes e iniciaria uma longa sequência em Live-Action, diferente da vista no filme.6 Confira aqui um post do EVABR sobre e a sequência completa. Então, após essa sequência, veríamos a Unidade-01 ejetando Shinji, ao invés de ele se materializar no mar de LCL. Isso levaria a um dos dois finais (protótipo) e uma música de créditos, não especificado no script, que provavelmente poderia ser Everything You’ve Ever Dreamed.

Destacado em amarelo, o que deveria ter sido a frase final.
  • Finais descartados

Os dois finais descartados são chamados de “Last A” e “Last B”7 Descrição original (em inglês). O primeiro é o mais parecido com o final que vemos na tela, enquanto o segundo é mais derivativo e mais escuro. Dada essa proximidade do Last A com o final do filme, as informações nele contidas são geralmente levadas em consideração para a interpretação da cena e seus significados.

  • Last A

O Last A começa exatamente como o conhecemos. A diferença está quando as lápides são vistas.8 Olivier Hague diz que eles são descritos como semelhantes a lápides tanto nos storyboards quanto no roteiro pós-gravação.9 De acordo com Olivier, Anno afirma que foi Shinji quem levantou essas lápides. Os nomes dos personagens principais podem ser lidos escritos neles, exceto Rei Ayanami. Quando a câmera foca na lápide de Asuka, nós a vemos sendo derrubada por ela mesma. As cenas a seguir também são semelhantes às que conhecemos, exceto pela frase final: em vez de “Kimochi warui”, Asuka diz algo como: “Idiota. De jeito nenhum eu vou deixar você me matar”, com o “Idiota” sendo suprimido. Os créditos finais rolam em uma rolagem horizontal, assim como GunBuster. Durante a sequência de créditos, vimos o Eva-01 deitado na Lua, e o cabelo da mulher aparecendo de sua máscara quebrada, com seu rosto permanecendo invisível. Atrás da Unidade 01, você podia ver a Terra, inteiramente vermelha, e a Lua Negra, destruída. A câmera vai para o sol, depois para as estrelas. Fim.

  • Last B

O Last B começaria exatamente como A, mas não teríamos a aparição de Asuka ou as marcas do túmulo. Shinji estaria na praia segurando outra mão. Ele então diria:
“Eu nunca vou vê-los novamente.”
“É melhor pensar assim.”
“Ainda estou vivo, então continuarei vivendo.”

Shinji pressionava a mão com mais força, e então Rei Quantum aparecia, exatamente como visto no filme. A câmera então revelaria que a mão que Shinji estava segurando pertencia a um braço desencarnado. A lua é mostrada e os créditos horizontais rolam.

  • Implicações de Last A e da Last B

As enormes semelhanças entre o final do filme e a alternativa Last A levam-nos a acreditar que este foi seguido. Na verdade, até a última linha foi preservada, mas depois foi alterada em uma troca entre Anno e Yuko Miyamura (atriz de voz de Asuka), e por sugestão dela, já que Anno ainda estava insatisfeito com esta fala. 10A gravação original de Miyamura desta fala está disponível na coleção em Blu-ray de Evangelion como parte do material bônus. 11  Entrevista com Yuko Miyamura (BS AnimeYAWA) “Eu estava pensando que os diretores deveriam transmitir seu ideal de como o show deveria ser para nós. Mas Anno nos lança perguntas como “O que você pensa se as coisas fossem de tal e tal maneira se fosse com você?” Depois de gravar todas as falas do filme, fui chamada ao estúdio porque a fala final precisava ser revisada. Ogata foi lá também, pois era a cena de Asuka e Shinji. A linha final de Asuka foi “Anta nankani korosareru nowa mappira yo!” no cenário do filme. Anno não gostava com minha linha, não importa quantas vezes eu tentasse. Ogata e eu estávamos sem saber como deveríamos dizer o que Anno queria expressar; ela até tentou montar em mim e me estrangular para atender a sua demanda. Ele deve ter perseguido a realidade. Quanto à linha final que adotamos, não tenho certeza se devo falar sobre ela de fato. Finalmente Anno me perguntou “Miyamura, imagine que você está dormindo em sua cama e um estranho entra sorrateiramente em seu quarto. Ele pode estuprá-lo a qualquer momento enquanto você está dormindo, mas ele não o faz. Em vez disso, ele se masturba olhando para você, quando você acorda e sabe o que ele fez com você. O que você acha que diria?” Eu estava pensando que ele era um homem estranho, mas naquele momento senti nojento. Então eu disse a ele que eu pensava “nojento”. E então ele suspirou e disse “…pensei tanto.” Ele disse. “Foi bem o que pensei.”

Várias implicações podem ser tiradas de Last A. Primeiro, o fato de que Asuka destrói sua lápide é uma indicação de que ela está recuperada de seus ferimentos pré-Instrumentalidade, e também está puramente ciente do que está acontecendo e rejeita a ideia de estar morta. Provavelmente, dessa forma, toda a cena não aconteceria logo após seu retorno, mas um tempo depois. A mudança em sua linha final é talvez o fator mais intrigante. A frase original seria rude, mais próxima de como Asuka costuma agir. O que genuinamente contrasta com sua atitude empática ao mesmo tempo. Isso poderia implicar que Asuka, apesar de estar determinada a recomeçar, não deixaria sua personalidade de lado apenas para agradar Shinji ou ficar de bom humor com ele. O fato de Anno não estar feliz com a fala demonstra a complexidade de sentimentos envolvidos ali, que provavelmente não poderiam ser resolvidos por um retorno ao status quo, como a cena implicaria.

Como enfatiza Miyamura, a cena mudou de um tom mais natural da parte de Asuka para sua tensão. Seus sentimentos são descritos pela dubladora como de nojo, pela presença do homem que está ali. 12Eu estava pensando que ele era um homem estranho, mas naquele momento me senti nojenta. Então eu disse a ele que eu pensava “nojento””. As palavras de Anno deixam explícito que Asuka está ciente das atitudes de Shinji quando ela estava inconsciente (algo que também é reforçado na instrumentalidade). Mesmo que Asuka possa simpatizar com Shinji, ela não pode negar o sentimento de desgosto que carrega com ele, o que justifica a sentença.

Com tudo isso em mente, há muito debate sobre a canonicidade de alguns detalhes existentes em Last A, mas ausentes no final tradicional, embora com evidências remanescentes. Por exemplo, uma das lápides está quebrada, que pode ser considerado o que Asuka quebrou em seu retorno em Last A, o que também implica que ela está relativamente saudável, apesar das bandagens. Além disso, a existência de nomes nas estacas também serve para reforçar que os túmulos foram levantados por Shinji para seus amigos. Ou porque ele não acredita que eles voltariam, ou esperando seu retorno.

O Last B, por outro lado, tem implicações muito mais diretas e negativas. Shinji diz diretamente que ninguém vai voltar e que ele aceita. Suas palavras e o fato de estar segurando um braço desencarnado denotam uma atitude niilista. Ele apenas aceita o desastre e abraça a dor. Sua percepção de que ele continuará vivendo de qualquer maneira é a conclusão trágica que ele tira de sua jornada. Nesta versão, Shinji simplesmente continuaria vivendo, pois não haveria mais nada no mundo, pois ninguém retornaria. Isso abre espaço para a possibilidade de que, de fato, ninguém mais volte. Algo que, embora soe contraditório com as palavras de Yui, é possível, dado o medo que a humanidade enfrenta, principalmente após os desastres do Segundo Impacto em diante. O retorno da humanidade depende da vontade de cada um dos seres, e é perfeitamente possível que eles optem por não voltar. A ausência de Asuka nesta versão também implica isso. Enquanto em Last A seu retorno representa esperança, em Last B sua ausência denota sofrimento e também a descrença de Shinji.

  • Declarações da equipe

Ao longo dos anos, alguns membros da equipe foram questionados em entrevistas sobre seus pensamentos e ideias sobre o final do filme ou, mais especificamente, sobre cenas específicas. Esta sessão procura resumir estes fragmentos de entrevistas de forma a tornar clara a intenção dos autores.

Nota: Algumas das traduções destas entrevistas são feitas por fãs, e podem estar sujeitas a revisões.

O diretor Kazuya Tsurumaki descreve o final como uma ampliação do gênero, apresentando um final feio e infeliz, além de uma resolução positiva mais convencional. Isso tem muito a ver com o perfil dos profissionais da Gainax na época, formado principalmente por otakus com perfil mais inseguro, o que os aproximava do público. Algo que também contribui para uma mensagem mais relacionável ao público e menos um final ilusório, utópico.13 “Divertindo-se até a morte: Kazuya Tsurumaki fala sobre a lógica e a falta de lógica que levaram à criação do FLCL” entrevista em inglês.

Uma situação conhecida é que Megumi Ogata (dubladora de Shinji) estrangulou Yuko Miyamura (dubladora de Asuka) durante as gravações de End of Evangelion. Esta ocorrência é confirmada e descrita por ambas. Ogata descreve que eles não foram capazes de agir de forma convincente durante a cena (final) e, agitada, ela estrangulou Miyamura. O ato deixou Miyamura com dificuldades de fala, o que prejudicou sua dicção nas últimas linhas. Ogata se desculpou por sua atitude.14“(…) Houve uma hora em que eu realmente empurrei Yuko Miyamura para o chão para estrangulá-la durante a última cena do filme “Evangelion” em que Shinji estrangula Asuka. Eu não consegui atuar muito bem nessa cena. Eu estava tão agitado que a estrangulei com muita força, impossibilitando-a de dizer suas falas por um tempo. Pedi desculpas a ela por ter feito isso. Eu quase a matei.” Fonte aqui. Miyamura confirma contando sua versão, sobre as dificuldades com a última linha em sua versão original (como visto em Last A) e a mudança que veio na troca entre ela e Anno.

Finalmente, em entrevista para a revista Evangelion Forever, Ogata descreveu o que poderia ser uma inspiração para a cena. Segundo ela, tudo foi tirado de uma situação que uma conhecida de Anno passou com o namorado, onde ele começou a estrangulá-la, e ela, sem saber o que fazer, acariciou seu rosto, o que o fez “voltar à realidade”15 “Parece ser modelado após uma situação que realmente aconteceu com uma mulher que Anno conhecia. Ela estava sendo estrangulada, e no momento ela pensou que poderia ser morta, por precaução, ela quis acariciá-lo, e foi aí que ele voltou à realidade…” Fonte: aqui. Na mesma entrevista, Ogata diz que Anno a aconselhou a agir como ele, não Shinji, para esta cena. 16 “O diretor Anno queria criar uma cena que pudesse ser interpretada de qualquer maneira. Naquela época, a direção da cena disse apenas “Desculpe, por favor, sincronize comigo, não Shinji”.


Especulação baseada em material cânon de terceiro nível

Material Canon de Terceiro Nível inclui informações de materiais licenciados envolvendo a equipe da Gainax. Eles geralmente são baseados em informações extraídas internamente ou entrevistas com eles, se não com o próprio Hideaki Anno.

  • Carddass Card Game

O jogo de cartas da franquia tem alguns comentários impressos entre suas cartas. A Gainax licenciou e apoiou sua produção. Seu nível de canonicidade, no entanto, é discutível.

A página final de End of Evangelion Psalms compara a cena de asfixia de Asuka e Shinji com a cena de beijo do episódio 15, justapondo-a com o diálogo.

Curiosamente, as cartas relacionadas a EoE dão algumas dicas para algumas cenas e suas interpretações. O cartão D-88, “Kimochi warui”, por exemplo, tem a seguinte descrição:

Shinji renunciou ao mundo onde todos os corações se fundiram em um, que aceitaram uns aos outros incondicionalmente. Seu desejo… de viver com ‘outros’ – outros corações que às vezes o rejeitam, até o negam. É por isso que a primeira coisa que ele fez depois de cair em si foi colocar as mãos no pescoço de Asuka.Para sentir a existência de um ‘outro’. Para confirmar (certificar-se de) rejeição e negação.”.


De acordo com esta descrição, Shinji estava tentando determinar se Asuka era real ou se ele ainda estava na Instrumentalidade, confirmando se neste mundo ele poderia ser rejeitado. O cartão H-11 vai ainda mais longe:

“No mar de LCL, Shinji desejou um mundo com outras pessoas. Ele desejava encontrá-los novamente, mesmo que isso significasse que ele seria ferido e traído. E assim como ele esperava/queria, Asuka estava presente no novo mundo. Apenas Asuka estava lá ao lado dele. A garota que ele havia machucado, e por quem ele havia sido machucado. Mas mesmo assim, ela era a que ele esperava/desejava…”


Isso implica que Shinji tinha um desejo especial, depois da instrumentalidade, de encontrar Asuka, em muito por causa das lesões recentes que ocorreram entre eles, inclusive dentro da instrumentalidade. As cartas continuam:

“Nem Yui, nem Rei, nem Misato poderiam ser uma mulher para Shinji. Asuka sozinha era a única garota em pé de igualdade com ele. Então, Shinji desejava/procurava por Asuka. “Eu tenho medo de Misato e Ayanami.” No entanto, o afeto bruto de Shinji só a machucou. No final, ele a usou como objeto de luxúria/desejo para se acalmar/consolar…”17D-88, D-84, P-66, P-68, H-11.

No episódio 22, acima, Shinji está fisicamente distante de Asuka, eles são divididos por um objeto físico, e Shinji está visivelmente tenso, pois não consegue confortar Asuka. O pôster de End of Evangelion é diretamente paralelo a essa cena, exceto que desta vez Asuka e Shinji estão mais próximos um do outro.

É importante dizer que End of Evangelion trata de grandes temas da sexualidade e das relações humanas, de uma forma que é muito comum associar a própria instrumentalidade a um ato sexual. Assim, há a escolha temática do filme para centrar a narrativa nos dois personagens que utilizam esse âmbito sexual: a busca do prazer e do conforto. Shinji usa Asuka dessa maneira durante todo o filme, e Asuka está ciente disso, o que também é confirmado em entrevistas. Essas cartas reforçam a força desses temas e resgatam esse tom sexual para a cena final.

  • Evangelion Chroncile

Evangelion Chronicle é uma enciclopédia-revista dedicada a Neon Genesis Evangelion, e tem o endosso da Gainax/Khara em sua produção. Por ser um material complementar, pode ser considerado uma fonte de informação relevante, ainda que não definitiva.

The Essential Evangelion Chronicle Side B tem um gráfico de personagens que descreve o seguinte:

“Durante a Instrumentalidade, Asuka encontrou Shinji dentro de seu mundo interior e disse a ele que não precisava de nada se não pudesse ter tudo dele. Apesar do significado desta declaração, a resposta de Shinji foi vaga, na melhor das hipóteses, e ele só procurou um lugar ao lado dela porque era um lugar “confortável” para se estar. Ferida pela noção de que ela não era nada mais do que uma fuga para Shinji, Asuka o rejeitou. Como resultado, o Projeto de Instrumentalidade Humana não alcançou o resultado pretendido, e quaisquer mudanças na relação entre Asuka e Shinji não foram claras.”


“Embora Shinji e Asuka sejam pilotos de EVA e vivam sob o mesmo teto, eles são opostos polares. Apesar de suas diferenças, Shinji sentiu uma atração por Asuka em certos momentos ao longo de seu tempo juntos. Quando Shinji expressou seus sentimentos para Asuka e procurou sua ajuda durante sua instrumentalidade, ela o rejeitou completamente. Shinji e Asuka no novo mundo onde o Projeto de Instrumentalidade Humana não foi cumprido Shinji escolheu um mundo onde os outros existiam, e para ele Asuka se tornou o primeiro “Outro”.”


“Asuka Langley Soryu Piloto do EVA-02 foi a maneira de Asuka manter seu respeito próprio, e também serviu para aprofundar seu confuso amor/ódio por Shinji. Seus repetidos fracassos em combate contra os Anjos durante a guerra forçaram Asuka a enfrentar suas próprias fraquezas, e, embora ela tenha feito um retorno durante a invasão forçada da sede da NERV pela SEELE, ela caiu na batalha contra as unidades EVA de produção em massa. Imediatamente após a derrota de Asuka, o Projeto de Instrumentalidade Humana foi ativado, Asuka foi a primeira “outra” a existir no novo mundo que foi criado quando Shinji desejou um mundo onde os outros existissem, e ela foi encontrada deitada ao lado de Shinji.”18 The Essential Evangelion Chronicle Side B


Essas três declarações diferentes vão para um ponto comum: Asuka rejeita Shinji, com base em suas próprias fraquezas. Mais tarde, no entanto, ela decide retornar ao mundo onde a Instrumentalidade foi rejeitada e se torna a “primeira outra” de Shinji.

“O primeiro outro” é um termo comum à psicanálise para descrever a relação entre mãe e bebê, onde o bebê descobre o “outro” na mãe. O outro é a fonte de prazer e satisfação. Asuka, no entanto, não desempenha um papel maternal para Shinji, como Misato e Rei fazem. Seu papel, portanto, é redescobrir como podem atuar no novo mundo.

Evangelion Chronicle Volume 22 reforça essa interpretação:

“No mundo onde Shinji queria ter outros, Asuka se tornou o primeiro estranho, e Shinji chega a ela [pelo pescoço]. É difícil entender as emoções de Shinji enquanto ele se pergunta se Asuka é quem vai machucá-lo ou o alguém que irá complementá-lo.
Shinji e Asuka ficam sozinhos em um espaço onde ninguém mais está por perto. Em seu mundo mental, Shinji foi rejeitado enquanto expressava seus sentimentos para Asuka e pedia a ela por sua salvação, mas a relação entre os dois pode/vai mudar no novo mundo.”19 Evangelion Chronicle Vol. 22 (alternate translation from Japanese) – Asuka pages


Ambos os trechos reforçam a ideia de rejeição por parte de ambos, mas também de um novo começo no mundo pós-Instrumentalidade. Uma mensagem positiva que combina com os temas do show. Shinji e Asuka terão a oportunidade de lidar com seus próprios sentimentos de forma diferente e aprender a lidar com os outros sem medo de se machucar.


Interpretação Hegeliana

O usuário do fórum Evageeks zlink64 desenvolveu uma teoria usando a base da filosofia hegeliana20Nota: Esta seção é um resumo de uma postagem de um usuário no fórum Evageeks. Para uma compreensão completa dos argumentos do autor original, consulte o tópico: Cena final da EoE explicada e conectada à EoTV G.W.F Hegel (em inglês) para explicar a cena final. G.W.F. Hegel foi um filósofo alemão e uma influência colossal na filosofia ocidental. Seu ensaio sobre a dialética mestre-escravo é provavelmente a ideia mais influente em sua filosofia.

zlink64 também se baseia nas descrições dos jogos de cartas para extrair as ideias que permeiam a atitude de Shinji em relação a Asuka e, ao fazê-lo, traça os paralelos presentes no texto de Hegel.

De acordo com Hegel, uma consciência não está ciente de seu estado até certo ponto. Quando se torna consciente e encontra outra consciência, os dois devem lutar até a morte para que possam provar sua existência. Essa existência é comprovada pela negação da consciência do outro. No entanto, o vencedor deve parar antes de matar o oponente, caso contrário, perderá sua prova. A “prova” seria o reconhecimento do outro, conquistado quase matando-o.

Shinji está cumprindo sua validação como consciência quase matando Asuka, mas parando no ato. Desta forma, ele tem a prova de que precisava de sua própria consciência. É por isso que se descreve que eles “precisam um do outro”. Só é autoconsciência quando você se baseia na existência do outro, assim como um bebê se baseia em seu primeiro “outro”, a mãe.

Assim, o Mestre (aquele que vence a luta) permite que o Escravo (aquele que perde) viva. Curiosamente, para Hegel, o escravo é quem mais ganha com essa situação, pois sua existência é plenamente validada, enquanto o senhor não a completa. Hegel nunca explica no ensaio como o mestre pode se tornar totalmente autoconsciente.

zlink64 também argumenta que, embora Shinji seja o estrangulador, ele não é o único mestre da situação, com ele e Asuka trocando de lugar em um determinado momento. Assim que Asuka o acaricia e depois rejeita Shinji (dizendo que está enojada), ela se torna a Mestre e fornece validação a Shinji. Esta seria uma forma de superar o paradigma da relação entre o senhor e o escravo como proposto por Hegel: a reciprocidade entre os dois seres, igualmente. Se ambos se submetem ao mesmo, mudando o papel um do outro, ambos adquirem sua plena consciência.


Conclusão

Asuka e Shinji em uma arte Die Sterne. O final deixa abertas possibilidades esperançosas.

End of Evangelion certamente tem um final enigmático e paradoxal, especialmente quando comparado ao seu homólogo de anime. É carregado de simbolismos e elementos soltos, que juntos formam uma narrativa a ser criada. De qualquer forma, sua mensagem ainda pode ser decifrada, embora deixe implicações para os espectadores interpretarem livremente. O que acontecerá com Shinji e Asuka após a cena final? Somos livres para pensar o que quisermos. Das visões mais positivas às mais catastróficas. E isso faz parte da beleza do filme.

O que as cenas implicam é que o novo nascimento da humanidade tem seus custos, assim como suas redescobertas. Os personagens têm uma nova oportunidade de se descobrir e aprender a lidar com os outros daqui para frente, mas também terão que lidar com um mundo de incertezas, enfrentando a ruína da civilização como a conheciam e o retorno (ou não) das pessoas. Todos esses elementos são deixados à nossa imaginação. Mas considerando que as palavras de Yui são esperançosas e que a civilização prevaleceu mesmo após o desastre do Segundo Impacto, as possibilidades existem.

A coisa mais importante a dizer é que Shinji e Asuka estão agora no mesmo nível. Ambos, dentro de suas feridas, reconhecem suas consciências. Asuka acaricia Shinji e mostra compaixão por ele, algo sem precedentes. Shinji, que a ataca, tem um choque de realidade e percebe a condição em que estão. Mesmo que a rejeição ainda seja uma realidade, eles agora têm novos recursos para lidar com isso. E assim podem redescobrir seus lugares no mundo. A passagem do tempo dá evidências de uma mudança no humor de Shinji, mas essa interação com Asuka pode ter curado claramente seu espírito quando ele percebe que não está mais sozinho. Então ele estaria de volta à realidade e ciente de sua condição.

A linha final de Asuka, “kimochi warui”, como já foi dito, pode ser traduzida como “Repugnante/Que Nojo”. É uma expressão usada muitas vezes antes para expressar choque, desconforto ou desaprovação – por exemplo, quando Shinji é imerso em LCL pela primeira vez no episódio 1 e de certa forma abraçado por Yui, e quando Asuka reclama sobre compartilhar uma banheira, e uma casa com Misato e Shinji no episódio 22, pois ela não está disposta a pertencer. Por causa de seu significado pouco claro, é difícil dizer se ela está se referindo a Shinji, a si mesma ou a outra coisa. Pode ser interpretado como o quão estranho é para ela finalmente aceitar outra pessoa, por exemplo.21 Tenha em mente que ela também está totalmente ciente de sua masturbação no hospital mais cedo, na verdade, ela não apenas diz a ele para fazê-lo novamente para ela assistir, ela até sugere que sabe que é um hábito. Ou seja, esta não foi a primeira vez que Shinji se satisfez com sua imagem (presumivelmente imaginária), mesmo quando ele não estava em momentos de desespero. Na verdade, em um dos primeiros rascunhos de EoE, Shinji apenas ia para casa depois de ver seus seios expostos e depois se masturbava em seu quarto, pensando nela. Quando a hostilidade teria sido uma escolha muito mais fácil, ela escolheu compreensão e compaixão, ela assumiu um risco, assim como Shinji fez ao optar por retornar à realidade. Assim, ambos estão cientes dos riscos que assumiram e sabem que terão que lidar com isso de novas maneiras. Algo que vai junto com o final original da série, também. Shinji entende todas as suas falhas, mas se ele é capaz de amar a si mesmo, ele pode seguir em frente, o mesmo para Asuka e para qualquer outra pessoa que retorne.

A ambivalência nesta cena representa o fato de que eles ainda não mudaram completamente, mas estão começando a se abrir para isso. O filme deixa em aberto para onde eles irão a partir daí, se eles podem crescer e aprender a amar a si mesmos ou não, mas mesmo depois de toda a dolorosa morte e destruição ao longo do filme, e mesmo que eles ainda estejam apenas começando a crescer, ainda lhes dá essa esperança, desde que a persigam.

É impossível saber com certeza sobre o estado físico do mundo e sua fauna e flora, disponibilidade de alimentos e água potável, preservação de edifícios e infraestrutura, etc. Também é incerto onde eles estão – possivelmente nos arredores das ruínas de Tokyo-3, que foi inundada depois que Rei destruiu seu Eva e mais tarde quando a Lua Negra surgiu e criou uma cratera. O dano físico pode ser limitado à vizinhança de Tokyo-3, ou além, da mesma forma que o Segundo Impacto parece ter danos físicos limitados e LCL na água da Antártida. 22 O Segundo Impacto foi um Impacto de natureza muito diferente, com uma verdadeira explosão física causada pelo despertar parcial de Adão. Os 3 bilhões de mortos incluem desastres naturais subsequentes, como tsunamis (provocados pela própria explosão e possivelmente pela mudança do eixo da Terra), terremoto e aumento do nível do mar e conflitos, incluindo uma troca nuclear entre a Índia e o Paquistão. O show sugere que o mundo pós-2I é politicamente instável, mas perfeitamente habitável. Essa falta de certeza também se aplica ao mundo pós-3I.

Todas as possibilidades estão abertas: como Shinji e Asuka podem aprender, mesmo que a realidade seja dura e incômoda, se não tentarem romper o ciclo de miséria, desespero e escapismo que os envolveu, só terão a certeza de mais fracasso e mais sofrimento. No entanto, se decidirem enfrentar a realidade e enfrentar o risco de rejeição e fracasso, mesmo que eles não tenham a certeza do sucesso e de alcançar a felicidade, essa ainda é a única maneira de eles serem felizes em primeiro lugar. 23“Ainda não sei onde encontrar a felicidade… mas estou aqui e continuarei me perguntando por que nasci.” Isso, por si só, sintetiza a mensagem que o programa quer nos dar. Enigmático, impreciso, mas aberto ao melhor, se a humanidade assim o desejar.

***

Esse é um texto traduzido do Wiki.EvaGeeks. Originalmente escrito por Igor Rizzi.

Notas e Referências
  • 1
    (Esta é de fato Asuka sozinha e não um ser híbrido)
  • 2
    De acordo com as traduções do roteiro original de Reichu e Bochan_Bird, o trecho é 墓標らしきもののが並んでいる (一本だけケリ倒されたもの有) “O que parecem ser lápides ficam em fila. (Apenas um está derrubado)”.
  • 3
    Uma visão alternativa (e não contraditória) pode ser vista aqui (em inglês). Os leitores devem ter em mente que o argumento do autor parte do ponto de total precisão científica e ignora qualquer licença artística. A conclusão geral do autor é consistente com a ideia de que se passaram pelo menos duas semanas entre o retorno dos personagens. No entanto, assumindo que as posições da lua e da Via Láctea devem ser totalmente precisas para a vida real, seriam pelo menos sete meses com a data mais próxima possível de 19 de julho de 2016. Veja aqui (em inglês) para entender por que é considerado que o esta parte do filme é definido como 1º de janeiro.
  • 4
    “Yui: Não se preocupe. Todas as coisas vivas têm a capacidade de retornar à sua forma original… e o coração para continuar vivendo. Qualquer lugar pode ser o paraíso desde que você tenha vontade de viver.”
  • 5
    Isso foi mencionado pela primeira vez por Olivier Hague aqui (em inglês). Olivier foi famoso leaker de fóruns de anime do começo dos anos 2000. Ele afirmava coisas que tinha lido em entrevistas e outros materiais promocionais mas não citava a fonte. Anos mais tarde, as coisas que ele foi afirmando foram se provando verdadeiras à medida que o resto dos fãs foi tendo acesso a produtos japoneses da época.
  • 6
    Confira aqui um post do EVABR sobre e a sequência completa.
  • 7
    Descrição original (em inglês)
  • 8
    Olivier Hague diz que eles são descritos como semelhantes a lápides tanto nos storyboards quanto no roteiro pós-gravação.
  • 9
    De acordo com Olivier, Anno afirma que foi Shinji quem levantou essas lápides.
  • 10
    A gravação original de Miyamura desta fala está disponível na coleção em Blu-ray de Evangelion como parte do material bônus.
  • 11
     Entrevista com Yuko Miyamura (BS AnimeYAWA) “Eu estava pensando que os diretores deveriam transmitir seu ideal de como o show deveria ser para nós. Mas Anno nos lança perguntas como “O que você pensa se as coisas fossem de tal e tal maneira se fosse com você?” Depois de gravar todas as falas do filme, fui chamada ao estúdio porque a fala final precisava ser revisada. Ogata foi lá também, pois era a cena de Asuka e Shinji. A linha final de Asuka foi “Anta nankani korosareru nowa mappira yo!” no cenário do filme. Anno não gostava com minha linha, não importa quantas vezes eu tentasse. Ogata e eu estávamos sem saber como deveríamos dizer o que Anno queria expressar; ela até tentou montar em mim e me estrangular para atender a sua demanda. Ele deve ter perseguido a realidade. Quanto à linha final que adotamos, não tenho certeza se devo falar sobre ela de fato. Finalmente Anno me perguntou “Miyamura, imagine que você está dormindo em sua cama e um estranho entra sorrateiramente em seu quarto. Ele pode estuprá-lo a qualquer momento enquanto você está dormindo, mas ele não o faz. Em vez disso, ele se masturba olhando para você, quando você acorda e sabe o que ele fez com você. O que você acha que diria?” Eu estava pensando que ele era um homem estranho, mas naquele momento senti nojento. Então eu disse a ele que eu pensava “nojento”. E então ele suspirou e disse “…pensei tanto.” Ele disse. “Foi bem o que pensei.”
  • 12
    Eu estava pensando que ele era um homem estranho, mas naquele momento me senti nojenta. Então eu disse a ele que eu pensava “nojento””.
  • 13
    “Divertindo-se até a morte: Kazuya Tsurumaki fala sobre a lógica e a falta de lógica que levaram à criação do FLCL” entrevista em inglês.
  • 14
    “(…) Houve uma hora em que eu realmente empurrei Yuko Miyamura para o chão para estrangulá-la durante a última cena do filme “Evangelion” em que Shinji estrangula Asuka. Eu não consegui atuar muito bem nessa cena. Eu estava tão agitado que a estrangulei com muita força, impossibilitando-a de dizer suas falas por um tempo. Pedi desculpas a ela por ter feito isso. Eu quase a matei.” Fonte aqui.
  • 15
    “Parece ser modelado após uma situação que realmente aconteceu com uma mulher que Anno conhecia. Ela estava sendo estrangulada, e no momento ela pensou que poderia ser morta, por precaução, ela quis acariciá-lo, e foi aí que ele voltou à realidade…” Fonte: aqui
  • 16
    “O diretor Anno queria criar uma cena que pudesse ser interpretada de qualquer maneira. Naquela época, a direção da cena disse apenas “Desculpe, por favor, sincronize comigo, não Shinji”.
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
    Nota: Esta seção é um resumo de uma postagem de um usuário no fórum Evageeks. Para uma compreensão completa dos argumentos do autor original, consulte o tópico: Cena final da EoE explicada e conectada à EoTV G.W.F Hegel (em inglês)
  • 21
    Tenha em mente que ela também está totalmente ciente de sua masturbação no hospital mais cedo, na verdade, ela não apenas diz a ele para fazê-lo novamente para ela assistir, ela até sugere que sabe que é um hábito. Ou seja, esta não foi a primeira vez que Shinji se satisfez com sua imagem (presumivelmente imaginária), mesmo quando ele não estava em momentos de desespero. Na verdade, em um dos primeiros rascunhos de EoE, Shinji apenas ia para casa depois de ver seus seios expostos e depois se masturbava em seu quarto, pensando nela.
  • 22
    O Segundo Impacto foi um Impacto de natureza muito diferente, com uma verdadeira explosão física causada pelo despertar parcial de Adão. Os 3 bilhões de mortos incluem desastres naturais subsequentes, como tsunamis (provocados pela própria explosão e possivelmente pela mudança do eixo da Terra), terremoto e aumento do nível do mar e conflitos, incluindo uma troca nuclear entre a Índia e o Paquistão. O show sugere que o mundo pós-2I é politicamente instável, mas perfeitamente habitável. Essa falta de certeza também se aplica ao mundo pós-3I.
  • 23
    “Ainda não sei onde encontrar a felicidade… mas estou aqui e continuarei me perguntando por que nasci.”