Os Anjos – Parte 4: Ciência Esquisita

No post anterior falamos sobre os Anjos mais poderosos em termos de força física, verdadeiras máquinas de guerra ambulantes que chamamos de guerreiros – ou “tipo de rejeição“, como Fuyutsuki define o 10º (Zeruel) em Rebuild. Agora, passamos para algo completamente diferente, nos dedicamos aos mais bizarros e “alienígenas” de todos, aqueles cuja natureza escapa às classificações mais comuns e limita a ficção científica pura e incondicional: o incompreensível, o esquivo, o que faz você pensar: que merda é essa que estou assistindo. Desprovidos de características vagamente humanoides, são os anjos que mais se desviam dos cânones de kaiju ou monstro espacial.

Parte 1: Visão Geral
Parte 2: Os Desiludidos
Parte 3: Os Guerreiros

São poucos, mas bons, e são sem dúvida os mais interessantes, aqueles sobre os quais é mais divertido confabular. Aliás, eles também são os que forçam aqueles que os enfrentam a se dedicar, a pensar fora da caixa.

Texto traduzido e adaptado dos
amigos do Dummy System

Iroul

Décimo primeiro anjo. Aparece em: episódio 13; levado à autodestruição através de uma operação hacker por Ritusko Akagi; estratégia de Ritsuko Akagi.

O maior anjo da série, Sahaquiel, é seguido pelo menor. O 11º anjo se manifesta como uma colônia de micro-organismos inicialmente semelhantes as bactérias. É o que se aproxima mais do que qualquer outro, com a única exceção de Kaworu, da realização de seu objetivo. Se, de fato, as pessoas tendem a notar um bípede gigante de oitenta metros de altura (ou um octaedro azul flutuante) avançando em direção à cidade, é muito mais provável que um “mofo” penetre silenciosamente no Geofront.

Geralmente lembrado como “o Anjo Vírus” (uma definição correta, se considerarmos sua forma final), a verdadeira natureza do 11º Anjo diz respeito à evolução: o que caracteriza é a capacidade de adaptar-se continuamente de acordo com o ambiente que o rodeia, transformando-se em um ritmo e velocidade inigualáveis ​​na natureza, a fim de encontrar a maneira mais eficaz de garantir a sobrevivência sempre.

Descoberto ao desenvolver o Campo AT dentro da Pribnow Box, uma área da sede usada para testes, parece um tipo de molde ou corrosão que se expande como uma mancha de óleo nas paredes da base para infectar a unidade de simulação de 00. Atacados com lasers através do sistema de defesa automatizado se protege com uma infinidade de campos AT microscópicos com uma forma curiosamente hexagonal (todos os outros campos AT vistos na série são octogonais) e procedem à colonização do ambiente circundante.

Observando que a infecção tende a evitar as áreas da base em que a concentração de oxigênio é mais alta, a Nerv tenta outra ofensiva, desta vez atacando-a com aportes de ozônio, mas depois de ter acusado os efeitos a princípio, o Anjo “aprende” a absorvê-lo e continua a se expandir: em suma, ele se adaptou a um ambiente hostil enquanto a Nerv ainda está tentando entender o que está acontecendo, ele evolui ainda mais, assumindo as características de uma colônia de nanomáquinas (a cor da infecção muda de vermelho para laranja, enquanto a infecção assume uma forma vagamente geométrica, remanescente dos circuitos eletrônicos).

Tornando-se uma espécie de computador vivo, o décimo primeiro Anjo continua sua invasão por meio do que pode ser comparado a um ataque de hackers no sistema Magi: primeiro ele viola os protocolos de segurança, após o qual toma posse um por um dos três supercomputadores para ativar a auto-destruição da NERV (os Magis podem aprovar uma decisão semelhante apenas por unanimidade).
É apenas nesse ponto que a Nerv consegue tirar o melhor do anjo: tendo entendido que sua evolução é imparável, decide-se favorecê-lo e empurrá-lo para seu objetivo final, a auto-extinção, a morte celular programada. Abaixando as defesas dos Reis Magos, Ritsuko lança um ataque de hacker reverso, uma espécie de duelo em que quem primeiro consegue convencer o outro a se autodestruir vence. Como estamos apenas no episódio 13, você sabe como termina, mas isso não torna a luta menos emocionante, nem deve diminuir o poder do décimo primeiro anjo, nem a extensão do que aconteceu.

Para confirmar isso, a existência de Iroul é negada na frente da comissão e seu ataque abafado. Oficialmente, no que diz respeito ao Comandante Ikari, o 11º Anjo nunca apareceu: admitir que um anjo entrou na sede sob o nariz de todos, alcançando a ponte e penetrando no sistema de defesa de TI dos Magis constitui por si só uma derrota da qual a Nerv absolutamente não quer que a Seele saiba – e não apenas por uma questão de orgulho ou equilíbrio de poder, mas, como veremos muito bem no episódio 25′ Air, não dá à Seele novas idéias sobre como invadir a fortaleza de Neo Tokyo-3.

Do ponto de vista do modus operandi, o décimo primeiro Anjo tem muito em comum com o 13º – Bardiel: ambos são parasitas e, a princípio, permanecem inertes em vez de avançar ativamente, e se manifestam quando chegam ao seu destino (o 13º Anjo infecta a unidade 03 durante a viagem dos Estados Unidos, para assumir o controle apenas quando está no Japão) e depois contaminando o ambiente circundante em busca de um organismo para entrar em simbiose mais adequada para a consecução de seu objetivo: Assim como o 11º contamina o braço da unidade de simulação 00, o 13º Anjo já controlando a Unidade 03 tenta infectar a Unidade 00 curiosamente pelo braço.
A esse respeito, Iroul é o único anjo que é derrotado sem o uso de um Eva (adoro imaginar Ritsuko zoando Misato se gabando de ter matado mais anjos que ela), que, no momento do ataque, são levados para o mais longe possível para evitar uma contaminação.

Não aparece em Rebuild

Uma observação sobre o nome: durante a série, com a única exceção de Adão e Lilith, os Anjos são indicados apenas por números; apenas em duas ocasiões se referem aos nomes “bíblicos”: nos episódios 14 e 23. Em ambos os casos apenas por meio de legendas. Também por esse motivo, no décimo primeiro anjo, há um pouco de confusão, pois até materiais oficiais como folhetos, enciclopédias, cards colecionáveis, etc. às vezes chamam de Iruel, às vezes Ireul e outras variações, mas a transliteração mais correta do o nome dele, イ ロ ウ ル , que aparece escrito em katakana e apenas no episódio 23, deve ser I-RO-U-RU, Iroul. Não sendo apaixonados pela angeologia ou pelo folclore cristão, não é que nos importemos muito com isso, mas entre cartões de coleção e as informações da série preferimos manter a fé com o que foi dito na série, tendo em mente que, afinal, chamar os Anjos pelo nome é uma convenção de fãs, porque é mais conveniente se lembrar dos números. Em resumo: Iroul, Ireul, Ireuel, ou mesmo “Anjo Vírus” é o mesmo Anjo.

Leliel

Décimo segundo anjo. Aparece em: Episódio 16; destruído pela unidade 01 em berserk.

Em 1930, o físico britânico Paul Dirac, já autor da equação de onda homônima que descreve o movimento dos férmions, formula um modelo teórico para descrever o vácuo, imaginando-o como um mar infinito de partículas de energia negativa.
Em 2015, uma bola zebrada aparece no céu do Neo Tokyo 3.
Por alguma razão, essas duas coisas estão conectadas.

O 12º, Leliel, não chega “de fora” (o mar, as montanhas, o espaço ou um horizonte genérico) como a maioria de seus companheiros, mas se materializa do nada, no espaço aéreo de Neo Tokyo 3. Sua aparência é a de uma esfera branca e preta com cem metros de diâmetro que avança lentamente, flutuando e, embora seja absolutamente claro que não é um pássaro nem um balão, os Magis não o reconhecem como um anjo: seu diagrama de ondas é laranja.

O ataque precipitado de Shinji é fundamental para pôr em movimento a situação: atravessada pelas balas disparadas pelo 01, quase como se não tivesse consistência, a esfera desaparece enquanto aos pés da Eva expande uma gigantesca sombra negra que começa a engolir a Unidade. Nesse ponto, a esfera reaparece, maior e mais ameaçadora, exatamente acima do Eva e só então os Magis detectam um diagrama de ondas azuis e confirmam a presença de um anjo.

À medida que a sombra se expande por mais de meio quilômetro, engolindo, além do Eva-01 e seu piloto, um bloco inteiro de carros, estradas e prédios, fica claro qual é a verdadeira natureza do décimo segundo anjo: seu verdadeiro corpo é a sombra, que atinge um diâmetro máximo de 680 metros e uma espessura de apenas 3 nanômetros, mas por dentro ela estende um espaço alienígena, uma espécie de dimensão paralela potencialmente infinita que Ritsuko identifica como “um espaço imaginário numérico” ou, precisamente, o mar de Dirac. O anjo, em resumo, pertence ou é o ponto de encontro, o portal, entre a nossa e a quarta dimensão. A esfera é, em certo sentido, sua sombra, a projeção de um ser quadridimensional em nosso mundo tridimensional que desaparece quando os circuitos numéricos do imaginário do corpo verdadeiro são interrompidos, isto é, quando seu verdadeiro corpo desaparece momentaneamente do nosso mundo.

Outro fato interessante, sua capacidade de absorver objetos e ambiente circundantes, além de manter uma espessura infinitesimalmente pequena, deriva da ação de um Campo AT invertido que, em vez de se separar, atua como uma barreira, como costuma acontecer com Anjos, realizam a ação oposta, assimilam.

O que acontece com Shinji quando ele está no mar de Dirac ainda é um mistério a parte.

No episódio seguinte, quando questionado sobre o incidente, Misato nega perante o comitê que pode ter havido uma tentativa de entrar em contato por parte do anjo, mas é difícil dizer se isso é verdade ou se é uma mentira projetada para proteger Shinji da atenção da Seele e dela (também existe a possibilidade de Misato responder sinceramente porque não está ciente do que realmente aconteceu). O que é certo é que algo acontece: Shinji experimenta uma série de experiências alucinatórias nas quais, em uma espécie de dimensão ornítica (um vagão ferroviário inundado pela luz do pôr do sol que foi batizado de “trem do inferno” e muitas vezes retorna em episódios e filmes subsequentes), ele fala com uma criança que reprova seus medos, erros e deficiências em sua maneira de viver e se relacionar com os outros. Se é um pesadelo, um delírio devido à extrema situação de estresse em que Shinji se encontra, de um contato real por parte do anjo, ou mesmo por parte do Eva, permanece intencionalmente ambíguo. Sabemos pelas entrevistas com Kazuya Tsurumaki, diretor do episódio e assistente de Anno durante toda a série, que a intenção de fazer Shinji “falar” com o anjo era uma ideia logo no inicio, semelhante ao que teria acontecido entre Asuka e o décimo quinto Anjo (episódio 22) e entre Rei e o décimo sexto (episódio 23), no entanto, uma vez que que não foi capaz de decidir como isso seria feito o episódio inicialmente foi concebido como um “preenchedor” (aqueles como 10, 11 e 12, nos quais o Anjo ataca e é derrotado por crianças sem muitos pensamentos ou complicações). Foi finalmente decidido optar por uma solução estilisticamente semelhante à que veremos nos episódios 20, 25 e 26, mas que permanece aberta a diferentes interpretações: se de um lado está “A criança Shinji” que veste uma camisa listrada em preto e branco que lembra claramente a aparência do Anjo. Por outro lado, ele cita fatos e experiências relacionados à vida de Shinji, não como se ele estivesse os investigando, mas como se ele já os conhecesse: a morte de Yui, o abandono de Gendo, até o fato de Shinji não saber nadar!).

Finalmente, o que se manifesta diante de Shinji quando tudo parece perdido e salva a situação é uma figura feminina que só pode ser identificada como Yui, a essência de Eva-01.

Da mesma forma, a maneira como o anjo é derrotado é obscura. Diante de sua complexidade (e da meia-culpa de Misato, que deixou Shinji cair nela), Ritsuko assume o controle da operação e estabelece que a única maneira de eliminá-la é criar em uma fração de segundo um Campo AT ondulado, fazendo com que ele ressoe com o das unidades 00 e 02 e, naquele exato momento, baixando 900 bombas de N² dentro – mesmo que isso quase certamente cause a morte do piloto e sérios danos à unidade 01. No entanto, um momento antes do plano entrar em ação, a superfície do anjo começa a se quebrar como se um terremoto estivesse ocorrendo dentro dele; ao mesmo tempo, a esfera no céu fica completamente negra, começa a sangrar e 01 emerge rosnando, abrindo o seu caminho com as mãos, fazendo-a em pedaços por dentro.

A explicação mais provável é que, pelo mesmo princípio com o qual Ritsuko esperava criar interferência no campo AT do anjo usando os do 00 e 02, 01 o destruiu diretamente (não seria a primeira vez) interrompendo o circuito que ligava a dimensão do anjo ao nosso mundo. 01 está de volta em um espaço tridimensional, materializando-se então dentro da esfera, enquanto a quarta dimensão, e com eles o décimo segundo anjo, desabando sobre si mesmo.

Não aparece em Rebuild

O DÉCIMO SEGUNDO ANJO (ROE)

Nome desconhecido. Aparece em: 3.0 You Can (not) Redo; devorado pela unidade 13 no modo “despertar”.

Aparece apenas em Q, é o terceiro (e por enquanto o último) dos Anjos inventado especificamente para os filmes de Rebuild of Evangelion e, como os dois que o precederam, é estranho em tudo, não sabe de nada, não tem nome e você não entende nada.

Cúmplice do lendário intervalo de 14 anos com o qual o terceiro filme se abre, tudo sobre o décimo segundo anjo é um dado adquirido e, portanto, não é explicado: o que sabemos ou podemos imaginar a partir das dicas vagas que são feitas durante o filme é que em um determinado momento, no período que separa 2,0 de Q, o décimo segundo e último Anjo se manifestou, ele entrou na sede da NERV e desceu ao Terminal Dogma, onde talvez tenha entrado em contato com Lilith causando um novo Terceiro impacto. O certo é que ele foi abordado por Mark.06, que o selaria por dentro para detê-lo e depois perfuraria a lança de Longinus e se tornar um com Lilith (novamente, todos em coro: «EHHHH? ! “).

Quando em Q Shinji e Kaworu descem ao Dogma a bordo da Unidade 13, o Mark.06 está lá esperando por eles, como se estivesse petrificado, agora branco e maior que um Evangelion normal, fundido com Lilith e perfurado por um das duas Lanças de Longinus que atravessa o corpo de ambos. No momento em que Shinji, contra o pedido de todo o universo, extrai as Lanças, o cadáver de Lilith explode enquanto o Mark.06 retorna à sua aparência original (a vista em 2.0), embora os instrumentos de todos os Evas detectem ele com o diagrama de ondas azuis e reconhece o décimo segundo anjo dentro dele.

O Anjo não estava eliminado, como Asuka e Mari acreditavam, mas simplesmente hibernado pela Lança de Longinus . Ele (agora visível como uma série de pontos vermelhos que brilham por trás da visão do Eva) tenta sair e consegue graças à ajuda do Mark.09 que decapita prontamente o Eva. Do pescoço e cabeça decepados do mark.06 então saem dois grupos de “feixes” (o décimo segundo anjo: o anjo espaguete!) que se movem em uníssono, formando uma espécie de cobra de duas cabeças que lembra, para variar, a dupla hélice do DNA.

Assim que fica livre, a cobra se joga na unidade 13, como se fosse atraída por ela ou soubesse exatamente o que deveria fazer e a envolve, primeiro se transformando em uma espécie de bola gigante e depois assumindo a aparência, textura e cor de uma enorme núcleo.

As tentativas do Eva-02 de atacar o anjo de fora são inúteis, os projéteis batem no Anjo como se fossem amendoins e, enquanto isso, continua a mudar de aparência, primeiro assumindo a forma de um rosto humano semelhante ao de Rei (talvez por estar a muito tempo em contato com Lilith) e depois a de um feto (que até chora!).

Dentro, enquanto isso, a unidade 13, agora segurando as duas Lanças de Longinus em suas mãos, está quase despertando: é possível que o Anjo o tenha envolvido para evitar, pensando em aprisioná-lo ou, pelo contrário, para facilitar, protegendo-o do caos do lado de fora como um casulo. Seja qual for o caso, uma vez totalmente despertada, a unidade 13 (agora completamente independente, não está mais sob o controle de Kaworu ou Shinji) se liberta e comprime o Anjo até assumir as dimensões de um núcleo normal , após o que ele o devora de uma só vez, destruindo-o de uma vez por todas.

A natureza do décimo segundo anjo é um mistério absoluto e indecifrável. A única coisa certa é que todos estavam convencidos, até o momento em que Kaworu descobre que ele foi “rebaixado” para décimo terceiro, que esse era o último anjo e que era o que mais se aproximava, no universo de Rebuild, de conseguir acionar o Terceiro Impacto (talvez até com êxito). Não está claro quais técnicas usa para atacar, mas seu modus operandi parece mais do que tudo de avançar não importe o quê, pois é capaz de assumir qualquer forma e tamanho e que nada parece danificá-lo.

Do ponto de vista do design, é um dos mais estranhos vistos até agora, mas mostra vários recursos que são claramente um empréstimo e uma homenagem aos Anjos da série original que não foram incorporados aos filmes:

  • na primeira forma, a do espaguete hexagonal, ela se assemelha ao décimo primeiro anjo, Iroul, tanto pela forma singular do campo AT quanto pelo fato de não aparecer como um único ser, mas como uma colônia de pequenos organismos que atuam em coordenação;
  • a forma do serprentone de duas cabeças lembra vagamente o décimo sexto anjo, Armisael, o feixe de luz sensível também organizado como uma dupla hélice;
  • na forma “núcleo gigante” é impossível não ver o décimo segundo anjo, Leliel, considerando também que ambos incorporam um Eva;
  • finalmente, o feto, embora com muito mais características humanoides, é uma referência clara ao oitavo anjo, Sandalphon, quando ele aparece em estado embrionário.

Posts Relacionados