EVA.doc | Lista de equívocos mais comuns

É de se concordar que um dos grandes diferenciais de Neon Genesis Evangelion são as inúmeras referências e informações que os autores colocaram no anime, muitas delas com pontas soltas o que fazem muitos fãs buscarem explicações para os acontecimentos na história.

Buscando explicações, muitos fãs chegam a conclusões equivocadas, então a comunidade de Eva (tanto na Evageeks quanto no Fandom.com) fizeram uma tentativa de listar as conclusões equivocadas mais comuns em Evangelion.

Esse post é uma republicação de um de Janeiro de 2015 com enormes atualizações.
As lista foram traduzida e compilada do Wiki.Evageeks e do Fandom.com



NGE é uma propaganda religiosa


O simbolismo religioso em NGE, na verdade, não é usado de uma forma religiosamente significativa. De acordo com o diretor assistente de Evangelion Kazuya Tsurumaki:

“Há um monte de animes de robôs gigantes no Japão e nós queríamos que nossa história tivesse um tema religioso para ajudar a distinguir-nos. Por o cristianismo ser uma religião incomum no Japão pensávamos que seria misterioso. Nenhum dos funcionários que trabalhou em Eva é cristãos. Não há nenhum significado real cristão para a exibição, Pensamos que os símbolos visuais do cristianismo pareciam legais. Se soubéssemos que o anime iria ser distribuído para os EUA e Europa podíamos ter repensado essa escolha”


Aqui há um exemplo, em 2001, de alguém que entendeu errado: “No entanto, é revelado no final da série que os anjos são na verdade tentativas de criação (ou seja, a criação bíblica) que precedeu a humanidade”. As primeiras traduções imprecisas do anime podem ter contribuído para essa confusão.


Não se sabe o que significa a sigla “LCL”, mas nós sabemos o que ela não quer dizer. De acordo com o Death and Rebirth Theatrical Program (Special Edition):

“Aliás, a ideia amplamente divulgada que L.C.L é a abreviação de “Link Connect Liquid” é incorreta.”


Não diz o que significa. A revista Evangelion Chronicle sugere que um do Ls refere-se a “Lilith”.

No mangá, LCL é dito referir-se á “Link Connect Liquid”. Está escrito no “Dossier” antes do início do capítulo.

LCL
Mangá dizendo LCL significa Link Connect Liquid

Gainax ficou sem dinheiro e/ou foi censurada

Facilmente o mito mais duradouro em torno da produção de Evangelion é a noção de que o final da série surgiu como resultado da falta de dinheiro e/ou censura da rede. Na realidade, a produção problemática de Evangelion foi principalmente resultado de um planejamento ruim, mudanças de decisões e falta de tempo.

As restrições estabelecidas pelos produtores e pela rede foram mínimas, o único caso significativo foi a morte de Toji sendo transformado em ele perdendo seus membros para evitar retrocessos da TV Tokyo. Por uma razão semelhante, a rede exigiu ver os episódios 25 e 26 antes de ir ao ar, após a controvérsia do episódio 24 – os executivos da rede acharam a morte de Kaworu muito horrível. Há também outros fatores que influenciaram a produção, como os ataques de Aum Shinrikyo em 1995. Essa também é uma das razões pelas quais a série não foi lançada antes ou junto com o mangá promocional como planejado inicialmente.


A letra de A Cruel Angel’s Thesis tem mensagens sobre o enredo

Uma suposição bastante natural afirma que a música tema de Evangelion, A Cruel Angel’s Thesis, tem um significado oculto para o show e ajuda a iluminar os pontos da trama. Na verdade, essa música foi escrita com muito pouco envolvimento dos criadores do programa, pois os produtores não permitiram que a equipe do anime conhecesse a equipe musical. O compositor, Neko Oikawa não tinha conhecimento prévio do programa, e simplesmente folheou uma proposta do programa (possivelmente Neon Genesis Evangelion Proposal) e assistiu a dois episódios inacabados em fast-forward, servindo apenas para “encaixar” amplamente ao anime após o fato. A cantora Yoko Takahashi não tinha conhecimento da série. Anno originalmente queria usar um trecho de Borodin’s Polovtsian Dances na abertura, mas os produtores não aprovaram isso e decidiram usar uma música J-Pop, que acabou resultando na criação dessa música. A sequência de abertura ainda não estava finalizada durante a produção do episódio 01.

Vale a pena notar que Komm, süsser Tod e Everything You’ve Ever Dreamed foram escritos por Anno (embora posteriormente adaptados para o inglês) e podem ser consideradas mais coerentes que A Cruel Angel’s Thesis.


Evangelion é uma franquia pequena

Essa é um pouco curiosa, e visto principalmente no fandom de língua inglesa, em virtude da história problemática e confusa1 O caminho para Evangelion na Netflix é pavimentado com bootlegs estranhos (artigo em inglês):https://www.polygon.com/2019/6/20/18684026/neon-genesis-evangelion-bootleg-dvds-gainax-adv-netflix da disponibilização de Evangelion nos mercados de língua inglesa leva muitos a supor que Evangelion, como uma franquia, é um pequeno clássico cult underground. Esta alegação, no entanto, desconsidera, ou simplesmente não está ciente da influência absolutamente gigantesca que Eva teve na cultura e mídia japonesas, muitas vezes sendo citada como um trabalho redefinidor para toda a indústria de anime e além, personificada pela gigantesca popularidade de Rei, a “Garota Premium”, desfrutada por anos, como bem como as centenas de personagens inspirados por ela. Evangelion é, na verdade, um fenômeno da cultura pop no Japão e até alcançou status relativamente mainstream em boa parte do Ocidente. Outro efeito desse equívoco é a surpresa com a variedade dos produtos de Evangelion hoje em dia, quando na verdade já existiam em grandes quantidades antes mesmo de a série terminar de ser exibida. E-Mono2 E-Mono é um catálogo de mercadorias de 143 páginas lançado pela Kadokawa Shoten em 25 de dezembro de 1997. Ele lista uma infinidade de mercadorias licenciadas relacionadas a Evangelion que foram lançadas desde o lançamento do livro. é um exemplo, um catálogo de mercadorias de 143 páginas de 1997. Um exemplo muito simples pode ser visto na receita da franquia Evangelion, que a partir de 2019 (assim não contabilizando o recorde de Evangelion: 3.0 + 1.0 Thrice Upon a Time e a maioria dos outros dados também estão desatualizados) supera franquias como Final Fantasy e Superman.

Parte disso é atribuível às declarações anteriores e conduta geral da ADV Films, o primeiro localizador de Evangelion na década de 1990, já que em um momento sua equipe teve grande influência 3 Recursos Especiais da Versão Platinum – Com o lançamento doméstico da série de TV remasterizada pela ADV, eles tentaram superar os esforços anteriores com seus próprios recursos de “bônus” abaixo do padrão. Isso incluiu, é claro, comentários sobre episódios selecionados com Matt Greenfield (chefe da ADV) e os vários atores de dublagem que trabalharam no NGE. Os comentários iniciais foram em sua maioria inúteis – com foco em localização, dublagem e fandom ocidental – embora isso possa ser considerado uma bênção disfarçada, já que, ao não tocar na carne da NGE, eles não conseguiram provar o quão pouco eles realmente sabiam sobre o espetáculo. Pena que não durou. Logo, Greenfield desenterrou um fã da NGE que ele sentiu que adicionaria algumas informações reais sobre o programa aos recursos especiais. E, assim, o nome de Sean McCoy começou sua descida à infâmia. Ninguém tinha ouvido falar do cara. Parece que ele costumava rondar a Usenet no final dos anos 90, espalhando algumas teorias bastante… interessantes, notavelmente aquela sobre como Shinji e Asuka fizeram sexo em EoE, e as palavras finais de Asuka (“Kimochi warui”) foram em referência direta ao enjoo matinal. O que acabou nos DVDs não foi melhor. As faixas de comentários com ele são ruins o suficiente, mas o verdadeiro ofensor é o recurso especial de duas partes intitulado The Mythology of Eva, em que Greenfield e McCoy unem forças para evocar equívocos muito mais potentes do que qualquer um poderia alcançar sozinho. no fandom inglês, e mais tarde outras empresas de anime americanas como Funimation e Crunchyroll, e até cobertura da mídia na Anglosfera. Estes muitas vezes mantêm um forte componente “fanboy” até hoje, levando a níveis inconsistentes de qualidade e profissionalismo4 Evangelion na Netflix é um desserviço para os fãs de anime, diz presidente da Funimation (Artigo em inglês:https://www.polygon.com/2018/12/11/18135919/neon-genesis-evangelion-netflix-funimation-interview) , então eles geralmente tratam propriedades como Eva como algo muito mais de nicho e subterrâneo do que realmente é, refletindo suas próprias experiências. Os fandoms de língua espanhola, portuguesa, italiana e francesa são um bom contra-exemplo, pois em todos esses países o anime já havia alcançado o apelo mainstream anos antes de Evangelion ser exibido pela primeira vez, mesmo durante a década de 1980, e Evangelion foi exibido na televisão pública na década de 1990. Isso significa que Evangelion foi, em muitos aspectos, simplesmente um dos muitos desenhos animados – embora, é claro, tenha conquistado notoriedade própria. Isso também significa que eles têm mais acesso a spin-offs e materiais complementares em seus mercados, totalmente traduzidos, geralmente com padrões mais altos do que os disponíveis para fãs de língua inglesa, onde o anime permaneceria um interesse relativamente de nicho e subcultura até a década de 2010. Esses spin-offs e o mangá Evangelion também desfrutam de popularidade significativa nesses países por conta própria, particularmente Angelic Days (Iron Maiden 2nd) e Shinji Ikari Raising Project. Enquanto isso, o mercado de língua inglesa sofreu com a disponibilidade limitada dos primeiros lançamentos em VHS da ADV e dependia principalmente de bootlegs e fansubs. É por isso que até hoje vários sites de streaming ilegais ainda utilizam fansubs que muitos acreditam ser traduções oficiais. ADV viria a lançar duas coleções de DVD em 2001 e 2003, Perfect Collection e Platinum Collection. Cada um tem diferenças significativas em relação aos outros. Embora o lançamento da Platinum Collection seja geralmente bom, ainda tem alguns problemas – a dublagem é a mesma, e viria anos depois e ainda tem disponibilidade limitada, como sua produção bastante limitada foi interrompida pela extinta ADV em 2009. Isso também leva os fãs a terem várias localizações oficiais (e feitas por fãs) para se basear – embora isso tenha se tornado menos comum após o lançamento da Netflix em 2019.

A Austrália é realmente uma exceção, tendo conseguido uma exibição na TV pública de Eva muitos anos antes da exibição inicial de Evangelion, limitada (embora um mercado muito pequeno para causar impacto em relação aos EUA, Reino Unido e Canadá) e altamente editada pela Toonami nos EUA em 2003. Uma exibição posterior, não editada foi ao ar no Adult Swim em 2005 trouxe uma nova onda de fãs de língua inglesa, particularmente americanos.


O Mangá é a versão original ou primeira versão da história, ou linha do tempo

Embora este seja frequentemente o caso de muitos mangás posteriormente adaptados como anime, Evangelion foi de fato originalmente criado como uma série de anime por Hideaki Anno, e o mangá foi criado como um suplemento projetado para promover a série de TV pelo designer de personagens Yoshiyuki Sadamoto.

A série, no entanto, teve uma primeira exibição atrasada, mas a popularidade de NGE levou à continuação do mangá. Apesar de cortar a maior parte do enredo da série, o mangá foi concluído em 2013, graças a um cronograma muito inconsistente e hiatos de vários anos. Sadamoto, o autor do mangá e o designer de personagens da série (sem envolvimento como escritor) afirmou repetidamente que o mangá é seu projeto separado. Sadamoto também afirmou que fez o mangá inteiramente por conta própria, sem consultar ninguém, em contraste com a produção mais colaborativa do anime, e que todas as diferenças foram decididas por ele.

Ele se referiu ao mangá Evagelion como “uma reformulação de um trabalho pré-existente”. e também pede aos fãs que não o usem para se informar sobre o anime ou os filmes Rebuild. Em particular, ele até diz que o capítulo bônus de Mari no final do mangá foi apenas fanservice.


Mari ou Kaworu são Viajantes do Tempo

Mencionado acima, bem como em outros itens: Sadamoto explica que ele adicionou Mari no Mangá e Anno não teve nenhum envolvimento ou aprovou nada e ele acabou de adicionar Mari ao capítulo bônus como fanservice. Isso é mencionado em outros casos também.

Conforme mencionado em outras seções, isso também não se aplica devido aos spin-offs não são canônicos de acordo com seus próprios criadores, bem como o mito do mangá ser a história “original” – veja acima. No caso de Kaworu, existem apenas dois spin-offs em toda a franquia que brincam com a ideia de linhas do tempo ou universos múltiplos, Campus Apocalypse e Angelic Days. Usá-los como argumento também omite a importância e presença relativamente baixa de Kaworu nesses spin-offs: o primeiro é uma história “paranormal” centrada em Rei/Shinji usando apenas um “Yggdrasil” como um ponto de referência vago da trama nórdica de segurar o “tecido” da realidade” que, no entanto, é completamente estranho ao resto de toda a franquia Evangelion, e o último é uma comédia romântica que se concentra em Asuka/Shinji. Kaworu ainda oferece a Shinji para ficar em uma espécie de dimensão com ele quando crianças para sempre, e Shinji se recusa. Kaworu até desaparece da realidade após essa instância, e no capítulo seguinte é mostrado ajudando Gendo e Yui a ficarem juntos no passado, bem como brevemente desejando bem para o relacionamento de Shinji e Asuka no futuro. Este é o único spin-off que já teve algum personagem viajando no tempo. Em Shinji Ikari Raising Project, Kaworu também está presente apenas por um período muito curto como um “espião” para a Seele e é usado como alívio cômico nesta história de comédia ecchi, apenas para desaparecer completamente da história pelos mais de 10 anos restantes de publicação. Mana Kirishima, um personagem extracanônico do videogame Girlfriend of Steel, tem exatamente o mesmo tratamento, mas uma presença mais longa. No geral, Kaworu nem está presente na maioria dos spin-offs e jogos, e quando ele está, geralmente é apenas para brigarem com ele. Como mencionado em outro lugar, a natureza desses spin-offs é puramente comercial e eles são polvilhados com provocações e fanservice para fãs de todos os personagens e casais, e Asuka e Rei são de fato a regra, não a exceção.

Observe que isso não se aplica em Evangelion 3.0+1.0 Thrice Upon a Time, devendo Rebuild ser considerado uma obra a parte, com sua própria história e regras. Kaworu naquele contexto é um viajante do tempo na própria linha do tempo de Rebuild.


O mangá, spin-offs e/ou videogames são canônicos ou complementares à série

Veja também: O que é cânone em EVA? Os Níveis de Canonicidade

Veja acima. Em The Notenki Memoirs5 Livro de memórias de 2002 do produtor de anime Yasuhiro Takeda, discutindo convenções e fandom de ficção científica japonesa, formação e história da Gainax e suas produções até 2002, incluindo as origens de Evangelion e o ataque fiscal. Em inglês: https://www.gwern.net/docs/anime/eva/2002-takeda-notenkimemoirs, é até comentado o quão indiferente Anno era ao material derivado. No documentário da NHK de 2021, Megumi Ogata também afirma que Evangelion não escrito por Anno não é “Evangelion”. Isso, claro, também se aplica ao merchandising. Tudo isso é feito puramente para fins comerciais, em grande parte por terceiros.
Hayashibara também os trata simplesmente como fanservice e não como “Eva”:

“Tem sido assim há algum tempo, mas para melhor ou pior, houve vários “Evas” entre os filmes, e quanto a Rei, sua voz de carne e osso não foi interrompida nos últimos oito anos. várias colaborações como pachinko e videogames, mas são apenas recriações de falas famosas do passado, ou a incorporação de falas do passado em jogos atuais para que as pessoas que gostam dos jogos possam se lembrar do passado. Apenas “Eva”, a nova criação de Anno, é, em última análise, o presente, o futuro e o novo trabalho. Quando toco, tem uma suculência e frescura como uma fruta recém-descascada, o que me deixa nervosa, mas também feliz. Em primeiro lugar, eu não esperava que outra Rei [Ayanami Rei (nome provisório)] fosse tão falante. Eu já disse isso muitas vezes antes, mas quando Ayanami Rei se explodiu na série de anime da TV, ela acabou para mim. Eu senti como se tivesse me despedido dela, mas então a Rei apareceu novamente na forma de “talvez a terceira”, e depois disso, toda vez que ela aparecia em um dos muitos Raising Projects ou jogos, eu pensava que este era a quinta, sexta, sétima ou oitava Rei, e eu tentava entendê-la para fazer meu trabalho com ela, dando sentido a ela para tornar mais fácil para mim fazer meu trabalho.” 6Entrevista com Megumi Hayashibara sobre Evangelion 3.0+1.0: https://evangelionbr.com/2021/12/14/megumi-hayashibara-sobre-evangelion-3-01-0/


Como exemplos, aqui está o cenário de Neon Genesis Evangelion 2 em que Maya e Aoba formam um relacionamento
Arte oficial com Rei e Kaworu, do artbook Die Sterne
e um spin-off oficial com Kaworu namorando uma personagem feminina original.

É prática padrão na indústria de anime lucrar com material destinado a setores e nichos específicos de fanbases licenciando propriedade intelectual para uma infinidade de empresas terceirizadas, e Eva é um dos exemplos mais significativos disso na história do anime. Praticamente todos os personagens têm material que implica envolvimento romântico e sexual com Shinji e muitos outros. Como tal, material derivado como este nunca deve ser considerado canônico, pois é feito para fins puramente comerciais por empresas terceirizadas, normalmente sem envolvimento dos criadores do programa, e apoiam praticamente todos os relacionamentos concebíveis na franquia Evangelion, ou até mesmo criam novos completamente ausentes do cânone ou contrariados por ele.

Os videogames criaram nada menos que cinco personagens originais como possíveis interesses românticos para Shinji: Mayumi em 2nd Impression, Mana em Girlfriend of Steel 1 e Satsuki, Aoi e Kaede em Shinji Ikari Raising Project. Com exceção de Mayumi, todas elas também são apresentados na adaptação do mangá do Shinji Ikari Raising Project. As três últimas também são adultas. Isso não deve ser surpreendente, considerando que as vendas de merchandising e outros materiais licenciados na verdade representam a maior parte dos lucros da indústria de anime, não levando em conta a publicidade ou mídia doméstica. Como mencionado anteriormente, Evangelion não é um clássico cult de nicho no Japão, mas é de fato uma das franquias de mídia de maior bilheteria de todos os tempos, e as vendas de pachinko e mercadorias representam mais de dois terços de sua receita. É, de fato, mais difícil encontrar um casal que não tenha sido apresentado em material oficialmente licenciado (veja a imagem). Até o próprio Anno é citado dizendo:

ANNO: Quanto a todo o merchandising, é apenas uma questão de economia. É estranho que Evangelion tenha sido um sucesso. Todos estão doentes!” 7 Mesa Redonda de Discussão com Hideaki Anno (em inglês): https://evangelion.fandom.com/wiki/Statements_by_Evangelion_Staff#Hideaki_Anno’s_Roundtable_Discussion


Isso também está ligado às percepções comuns no fandom de língua inglesa de que Anno tinha intenções comerciais limitadas para a franquia. Na realidade, em Schizo & Parano8 Hideaki Anno Schizo Evangelion e Hideaki Anno Parano Evangelion (ou seja, esquizofrenia paranóica) são dois livros de 1997 com entrevistas coletadas, incluindo algumas de Anno e outros funcionários da Gainax, bem como vários ensaios e editados por Kentaro Takekuma e Mitsunari Oizumi. Ele também inclui vários ensaios de terceiros e no 1.0 CRC, Anno detalha seus planos para expandir a franquia para novos criadores de uma maneira como Gundam desde o início – embora nenhum deles seja integrado ao cânone. Os filmes Rebuild pretendem servir de “base” para isso.


O Primeiro Impacto matou os dinossauros

07_C080_textbook-overlay

Primeiro impacto nunca foi retratado ou diretamente referido na tela. Isso levou vários fãs após primeira vista supor incorretamente que, sendo o “segundo impacto”, supostamente, uma colisão de meteorito, o “primeiro impacto” foi o impacto do asteróide mais conhecido que causou a extinção em massa dos dinossauros no final do período Cretáceo, há 65 milhões de anos.

No entanto, o primeiro impacto (conhecido como “impacto gigante”) foi na verdade a colisão de um objeto esférico gigante, chamado de “Lua negra”, na Terra, cerca de 4 bilhões anos atrás. Como resultado do impacto, enormes quantidades de detritos, incluindo o exterior rochoso da Lua Negra, foram lançados em órbita, eventualmente se unindo ao satélite da Terra, a Lua. Isso ficou claro nas Informações Confidenciais. A teoria do “meteorito” na página do livro didático acima é uma reportagem de capa, e é parte do esforço para também culpar do Segundo Impacto em um meteoro.


“Barons Of Hell” (Barões do Inferno)

Desde o início do fandom de Eva, houve um boato na internet que os Evangelions são baseadas em entidades bíblicas chamadas “Os barões do inferno”. Há dois problemas com esta teoria:

Uma é que não há nenhuma coisa como um “Barão do inferno” mencionado na Bíblia ou em qualquer outra fonte judaico-cristã; extensas pesquisas para o termo apareceram somente referências a Eva e ao jogo Doom. Algumas fontes afirmam que os barões são a mesma coisa que os “quatro cavaleiros do Apocalipse”, mas as descrições dadas para os barões não batem com os cavaleiros.

O outro problema é que nós sabemos exatamente no que os Evangelions se baseiam. Evas foram fundamentalmente baseadas em Oni (comumente traduzido como “demônio” ou “ogro”, mas na verdade é um tipo específico de monstro japonês). Diz o próprio Anno (em uma entrevista publicada na Aerial Magazine):

“Há um monstro no Japão chamado a Oni; tem dois chifres saindo de sua cabeça e a imagem global da Eva é baseada nele. Eu também queria dar a impressão de que, sob essa imagem de ‘monstro robo’, não é tanto um robô, mas um ser humano gigante.


Um esboço inicial que Anno fez de um Eva claramente traz suas raízes Oni. Trabalhando a partir dessa premissa básica e correspondendo com Anno ao longo do caminho, Ikuto Yamashita desenvolveu os Evas como nós os conhecemos (com exceção das “harpias” do EoE).


Crianças nascidas após o Segundo Impacto não possuem almas

Uma ideia ridícula usada para explicar a queda na taxa de natalidade após o segundo impacto, e que devido a isso apenas crianças nascidas após o segundo impacto podem sincronizar com os Evangelions. Esta teoria não tem nenhuma base evidencial de qualquer tipo. Ritsuko afirma explicitamente no episódio 20 que Shinji, nascido após o segundo impacto, tem uma alma.


Somente Crianças nascidas Pós-Segundo Impacto podem pilotar Evas

Uma ideia que por algum motivo ainda está presente mesmo em sinopses e guias de Evangelion em vários sites, a ideia aqui é que Shinji, Asuka, Rei e Toji sejam pilotos designados porque especificamente nasceram após o Segundo Impacto. Embora isso não seja estritamente incorreto, isso leva o leitor a supor que o mundo pós-Segundo Impacto tem algum tipo de efeito nas crianças nascidas após esse evento, mas não há evidência ou mesmo qualquer alusão presente no anime, já que a verdadeira razão pela qual eles são selecionados como pilotos é pelo vínculo que compartilham com as almas de suas mães embutido nos Evas. Está implícito que Hikari, Toji e Kensuke também perderam suas mães, e isso presumivelmente se estende a toda a Classe 2A – alguns especulam que a Nerv tem algum tipo de “banco de almas” com a alma da mãe de cada candidato a piloto.

Naturalmente, Rei e Kaworu são uma exceção, pois possuem uma ligação direta, possuindo parte das almas de Lilith e Adão respectivamente. Vale a pena mencionar que suas datas de nascimento também não são importantes ou mesmo mencionadas no programa real e são apenas uma das instâncias de serem impressas retroativamente usando as datas de nascimento de seus dubladores, como é prática comum na indústria de anime.


Lança de Longinus é uma relíquia sagrada real (que de alguma forma ficou grande)

Este é resultado de se colocar muitas referências religiosas em NGE. A lança na verdade foi escavada na Antártida junto com Adão, que foi encontrado pendurado em cima dela. De acordo com as Informações Confidenciais, cada fonte de vida é acompanhada por uma lança que tem uma vontade própria e pode imobilizar uma semente por ir contra sua missão. Assim, a lança de Longinus tem bilhões de anos e não foi feitos por um ferreiro Romano.


“Campo AT” é um termo genuíno da psicologia

Desde as primeiras análises de Evangelion, houve um boato de que o “Campo A.T.” é um termo psicológico genuíno que descreve  a barreira que separa pacientes com autismo do mundo ao seu redor. No entanto, a extensa pesquisa de artigos de Psicologia e fóruns online não conseguiu encontrar qualquer uso do termo que não seja em referência a NGE. Mais pesquisas provaram que “Terror Absoluto” ou terminologia semelhante simplesmente não é reconhecida no meio acadêmico. Portanto, este rumor é falso e tem sido provado conclusivamente assim.

Exemplo de péssimas páginas feitas por fãs que propagam esse rumor: 1, 2


Rei e/ou Kaworu são uma representação do inconsciente de Shinji

Um exemplo comumente citado ao discutir a conceituação de Eva, decorrente de um erro de tradução ou relato incorreto de uma entrevista do Anno. Esta entrevista foi publicada na edição de novembro de 1996 da Newtype Magazine. Anno diz que se identifica com Shinji de maneira consciente e inconsciente (também mencionado aqui), e ele, Asuka e Misato estão perto de si mesmo, enquanto Rei é a “parte mais profunda” de Anno e Kaworu sua sombra junguiana, não a de Shinji. Naturalmente, o fato de Shinji ser mencionado como um dos itens torna essa afirmação ainda mais insegura. Esta é uma entrevista bastante longa contendo vários trechos famosos, mas não foi totalmente traduzida, embora vários outros trechos estejam disponíveis na antologia de fontes de gwern, e a seção relevante tenha sido resumida nos fóruns.

Referindo-se à sua intenção original, Anno observa também:

“O plano era que o ‘Shinji-kun inconsciente’ seria Ayanami Rei, o Shinji-kun que aparece na superfície seria Ikari Shinji, e o ‘Shinji-kun ideal’ seria Nagisa Kaworu-kun. [Kaworu] deveria ser um homem ideal, mas quando tentei colocá-lo junto, ele era apenas um sujeito estranho (risos). Isso foi uma espécie de falta de capacidade da minha parte.”9 Entrevista ‘com um membro da Universidade Waseda para fins de ‘estudo de caráter’.’ (em inglês).
“Anno: [Ele é um Shinji ideal] Porque ele é um personagem que foi limpo de todos os complexos de Shinji. Bem, essa parte não aparece claramente devido a falhas na minha representação. – Entrevista de 1 de junho.”


O problema aqui é que Anno nunca deixa claro se ele manteve a ideia de Rei ser um Shinji inconsciente – em outras entrevistas ele ecoa ter tido problemas em caracterizar Rei como parte de seu inconsciente e um pouco difícil de se conectar. É muito mais claro com Kaworu, no entanto.

Anno deliberadamente modelou personagens em certas pessoas

Outra reclamação comum. Embora as atrizes como Yuko Miyamura e Yuriko Yamaguchi (Ritsuko) tenham influenciado a caracterização em vários graus, Anno é bastante inflexível sobre os personagens serem, antes de tudo, baseados nele. Algumas das reivindicações comuns incluem:

  • Diz-se que Misato é baseado em Noriko Hidaka, dubladora de Jean do trabalho anterior de Anno, Nadia. Esta afirmação vem de um documento calunioso amplamente refutado, o Kaibunsho:

Quando a versão para TV de “Nadia” foi lançada, Anno confessou seus sentimentos a Hidaka Noriko. Esta é uma história famosa na indústria. Aparentemente, Anno disse a ela que ele “a olhava não como um objeto de adoração/desejo, mas como um sério interesse amoroso!” (ROTFL!)” [sic]


  • Kaworu sendo modelado em uma pessoa ou experiência real, mas isso foi negado há muito tempo por Anno e Sadamoto:

“E sobre qualquer pesquisa que você fez?
Anno: Não havia nenhuma.”

[…] “Dizer a alguém ou ouvir de alguém: “Seu coração é como vidro” – algo assim realmente aconteceu com você?
Anno: Não, nada disso.”
10Entrevista de JUNHO
—Quando você desenhou Kaworu, você baseou a aparência dele em alguém?
Huh? Não. Mas, como o último Anjo, se eu fizer do perfil dele uma forma combinada de pessoas com quem os Anjos do passado fizeram contato——que tal algo assim——eu tenho esse conceito. É por isso que algumas partes de Kaworu se parecem com Shinji, algumas se parecem com Rei, outras se parecem com Asuka.
11– entrevista Tudo sobre Kaworu Nagisa

Isso não é nem mencionado nas várias entrevistas de Sadamoto detalhando seu design, ou em fontes como Newtype Film Books ou Evangelion Chronicle.

  • Gendo no próprio pai de Anno parece improvável, considerando que Anno foi bastante aberto sobre ter um bom relacionamento com ele. Em vez disso, Gendo é descrito como representando a “pressão da sociedade”:

“Ikari Gendo não é exatamente popular no Japão. Muitos pensam que ele é muito severo com Shinji e que ele geralmente exala a aura de um pai duro, tradicional e rigoroso. Gendo foi feito para ser um pai forte que deveria ter uma influência positiva sobre Shinji para que ele pudesse crescer para ser mais confiante e adulto. Muitos pais modernos no Japão são “mutilados”, o que foi outra razão para fazer de Ikari Gendo um pai forte.” – Entrevista FUNime com Kazuya Tsurumaki, tradução para o inglês de Kendrix

Na verdade, o pai de Anno parece ter influenciado Toji:

“Meu pai tem apenas uma perna. Enquanto trabalhava em uma serraria ele teve a perna esquerda gravemente ferida com uma serra elétrica. Ele tinha 16 anos na época. Ele usa uma perna artificial abaixo da coxa. Ele tem dificuldade para andar, então ele costumava ficar em casa.
Mas não há dúvida de que fui influenciado pela deficiência física de meu pai. Eu não posso amar nada perfeito.” – Disability Shapes Taste for the Imperfect

Oizumi: Sobre o complexo que você tem por causa do corpo do seu pai… você disse, por exemplo, em uma entrevista ao Animage que mesmo quando desenha um robô você não fica satisfeito até que tenha apagado alguma parte dele.
Anno: Provavelmente eu tenho um apego à deformidade. Eu não posso amar [algo] se não estiver quebrado em algum lugar. Acredito que seja [devido] à influência da condição do meu pai.
Oizumi: Os Evas muitas vezes também se deformavam (risos).
Takekuma: Toji perdeu a perna. Por que ele não morreu lá?
Anno: Eu não poderia matá-lo.
Takekuma: Claro.
Anno: Não, hum, eu fiz uma certa promessa, embora eu ache que agora deveria tê-la quebrado. Logo no início, quando traçamos o plano [para Eva], [encontrei-me] com o produtor, da King Records, que me disse: “Vou aprovar o plano que você apresentar, seja ele qual for, porque tenho fé em você. No entanto, haverá duas condições. A primeira é que você permaneça comigo por cinco anos. Você não pode, por exemplo, fazer uma versão cinematográfica com outro [produtor]. A condição adicional é que você não matar qualquer criança. Os adultos podem morrer, mas não quero que as crianças morram.” Por causa dessa condição eu não poderia matar [Toji].  – Schizo/Parano

  • Rei ser a mãe de Anno também é uma suposição aparentemente natural que Anno negou. Como mencionado em outro lugar, ela é o eu inconsciente mais profundo de Anno:

Oizumi: Exatamente. E, sobre o tema das substituições, podemos pensar em Rei Ayanami como sendo uma pessoa como sua mãe?
Anno: Isso não está certo.
Takekuma: Também não há nada como a imagem de uma garota que você namorou anteriormente [nela], certo?
Anno: Não. Bem, Rei é provavelmente [o personagem] mais próximo da minha psique profunda. Eu realmente não a entendo. … A verdade é que não tenho nenhuma ligação emocional com ela.
Takekuma: Hã? Isso está certo?
Anno: Sim. Não tenho nenhuma ligação emocional com ela. Bem, Nobita-san escreveu [sobre ela] como sendo um símbolo da esquizofrenia. Houve partes em que isso era realmente o que eu queria fazer [com ela].
Takekuma: Mas ela é a personagem mais bem recebida pelos fãs no mundo exterior. Até eu fui atraído pela Rei no começo.
Oizumi: Isso mesmo. A voz de Megumi Hayashibara também foi incrível.
Anno: Mas Rei é [o personagem] que eu menos entendo. Além disso, não estou muito interessado nela. Havia partes em que era isso que eu estava fazendo conscientemente, tentando ativamente deixar de lado minhas pressuposições, tentando trazer à tona as partes mais primitivas, mais centrais, mais puras dentro de mim.
Oizumi: Então Rei talvez seja [algo] embutido em seu inconsciente [que] não pode ser expresso em palavras.
Anno: Mesmo no meio de fazer Eva, de repente percebi que tinha esquecido dela. Sua própria existência. No episódio sete, lembrei e adicionei uma única cena com Rei. Eu não tinha nenhuma ligação emocional com ela. Eu acho que foi bom, porque ela não apareceu no episódio oito, nem mesmo para uma única cena. —Parano

  • Mari ser a esposa de Hideaki Anno, Moyoco Anno: ela comentou sobre a associarem a Mari em seu newsletter de fãs, de 2 de abril de 2021: Não me compare com Mari. É ótimo que as pessoas estejam falando sobre “Shin Evangelion” e seus pensamentos sobre isso, mas… Mas por favor, não me compare com o trabalho mais do que você precisa. Por favor, não me faça sentir desconfortável com isso.

A equipe da Khara e a conta oficial de Evangelion também comentaram sobre o co-fundador da Gainax, Toshio Okada, falando sobre isso em seu canal no Youtube: Outro vídeo nojento veio por aí. Nunca tive nenhum contato com o diretor e nunca conheci Toshio Okada. Acho que é hora de parar de fazer comentários ofensivos com base em suposições malucas. ; “Toshio Okada não conhece Anno há um quarto de século, e ele nunca conheceu Moyoco. E ainda assim, há pessoas que dizem erroneamente que Mari é Moyoco e acreditam nelas. A parte mais equivocada.” ; “Mari só tem a libido de Tsurumaki-san nela. Ela tem óculos, é forte, e poderia estar em FLCL. Ela também é uma personagem com o mesmo diálogo.”

Hideaki Anno comentou sobre Moyoco em seu mangá de 2002 Insufficient Direction: “A imagem pública da minha esposa é a de uma mulher forte, mas na verdade ela é muito sensível, frágil e fraca. Ela constantemente tem que enfrentar seu passado difícil e não conseguiu escapar a realidade de ter que sustentar sua família. É só que ela precisava vestir uma peça de armadura chamada “dureza” sobre seu coração. Eu posso sentir que no fundo ela luta contra a solidão e a alienação e mal está mantendo seu equilíbrio emocional sob controle.” SAKAMOTO: Anno me deu uma pequena “dica” para entender melhor Mari: “Showa no Oyaji” [Pai do Período Showa/ O pai “típico” japonês dos anos 70 e 80]. Depois de perceber o que ele quis dizer, consegui melhorar totalmente meu desempenho. – Entrevistas no livreto teatral de Evangelion 3.0


Alguém que conhecemos matou Kaji

Um dos mais famosos equívocos iniciais. Normalmente, a evidência usada é o corte original presente na versão On-Air do episódio 21. Essa teoria chocou tanto Anno na época que mais tarde a corrigiu na versão do Director’s Cut do episódio 21 alterando a “evidência anterior” disso, uma foto da porta do quarto de Misato com o nome dela, que foi alterada para apenas uma foto de seu complexo de apartamentos. Este é um dos poucos casos de um retcon direto em Evangelion.

Isso foi controverso o suficiente para ser abordado pela Newtype na época: “Enquanto muitos fãs pensam que foi feito por Misato, o diretor Anno levantou a possibilidade de que poderia ter sido feito pelo governo do Japão ou agente da Seele”. O filmBook também afirma que o assassino não foi um personagem principal.

…Quem matou Kaji? Qual é a sua versão disso?
Esta é uma pergunta que muitos fãs japoneses também se perguntam. Kaji queria investigar uma parte mais profunda da NERV (SEELE) e aprender seus segredos. Ele foi enganado por um de seus informantes e depois morto. Não foi Misato ou Ritsuko.
12Tsurumaki, Entrevista FUNime março de 2002


Eva-00 tem a alma de Naoko Akagi

A teoria mais aceita é a alma de Rei I, sendo por sua vez uma porção da própria alma de Lilith. Veja “A Alma do Eva-00” para mais informações.


Rei e Kaworu são albinos reais

Albinos reais não tem cabelo azul claro! Os albinos não podem andar sob o sol, sem proteção, caso contrário iriam sofrer queimaduras graves e a maioria tem visão muito ruim. Pelo contrário, a visão de Kaworu parece ser excepcional. É interessante notar que a pele de Ritsuko é apenas ligeiramente mais escura de que a de Rei, embora ela obviamente não é um albina.


Kaworu não era um clone e tinha uma aparência humana “natural”

Esta teoria postula que a aparência humana de Kaworu estava ocorrendo naturalmente como as dos outros Anjos ou até mesmo escolhida por ele para entrar na Nerv. Na verdade, ele foi criado usando o DNA humano e a alma de um Anjo, sendo a Semente da Vida de Adão, assim como Rei foi criado com o DNA de Yui e a alma de Lilith.

Episódio 21′:
Homem E: “A experiência de contato com o doador está marcada para o dia 13 do próximo mês. Haverá tempo para ajustes.”
(mais tarde) Mulher B: “Os genes que mergulharam em Adão já sofreram fusão física!”


Episódio 24′:
SEELE A (falando com Kaworu): A alma salva de [Adão] existe apenas dentro de você.


Neon Genesis Evangelion 2. Informações Confidenciais: Adão.:
“Na época do Segundo Impacto, o corpo [de Adão] foi dilacerado, e sua alma voou para algum lugar como resultado. A alma de Adão foi mais tarde recuperada pela Seele e encarnada.”,
que eles podem ter recuperado em forma embrionária na Antártida.

O doador de DNA humano de Kaworu, no entanto, é desconhecido. Veja: O Doador de Kaworu.


Toji não perde somente a perna, mas o braço também

Embora a perna esquerda de Toji esteja claramente ausente quando ele está na cama do hospital, não é certo dizer se o braço esquerdo também está. No entanto, ambos os braços de Toji são vistos enquanto ele está sendo puxado para fora do plugue de entrada. Em uma entrevista, Anno é questionado sobre a perda da perna de Toji, mas não corrige o entrevistador sobre seu braço.

Takekuma: Toji perdeu a perna. Por que ele não morreu lá?
Anno: Eu não poderia matá-lo.
Takekuma: Claro.
Anno: Não, hum, eu fiz uma certa promessa, embora eu ache que agora deveria tê-la quebrado. Logo no início, quando traçamos o plano [para Eva], [encontrei-me] com o produtor, da King Records, que me disse: “Vou aprovar o plano que você apresentar, seja ele qual for, porque tenho fé em você. No entanto, haverá duas condições. A primeira é que você permaneça comigo por cinco anos. Você não pode, por exemplo, fazer uma versão cinematográfica com outro [produtor]. A condição adicional é que você não matar qualquer criança. Os adultos podem morrer, mas não quero que as crianças morram.” Por causa dessa condição eu não poderia matar [Toji].  – Schizo/Parano


Os storyboards originais de The End of Evangelion também mostram uma cena de Toji jogando basquete de cadeira de rodas com Kensuke, onde ele claramente tem os dois braços, eliminando a possibilidade de que um dos seus braços foi amputado no hospital.


O cérebro de Naoko Akagi está no Magi

(Ou qualquer outro cérebro). Isto é devido ao objeto semelhante a um cérebro que Ritsuko revela quando corta os Magis no episódio 13. Mas é claramente afirmado que os Magis têm meramente impressa  a personalidade de Naoko Akagi – ela mesma como uma mãe, cientista e mulher. Os computadores também são demasiadamente grandes para ser um cérebro humano real.


A Alma de Naoko está no Magi

Provavelmente originou-se devido ao fato de que os Evas possuem almas. Há também a questão de Gaspar (Caspar) “trair” Ritsuko em The End Evangelion. Mas as máquinas não podem ser implantadas com almas.


Keel é o Judeu Errante (Wandering Jew)

Tank_image_07a_investigate
Um Keel visivelmente mais jovem (óculos escuros) ao fundo com Gendo.

Este é um dos mitos mais bizarros sobre Evangelion. Há uma história antiga e racista que afirma que um observador da crucificação de Cristo cuspiu em cima dele e foi punido recebendo a imortalidade 13 O judeu errante, também chamado Aasvero, Asvero, Ahasverus, Ahsuerus ou Ashver, é um personagem mítico, que faz parte das tradição oral cristã. Diz a lenda que Ahsverus foi contemporâneo de Jesus e trabalhava num curtume ou oficina de sapateiro, em Jerusalém, numa das ruas por onde passavam os condenados à morte por crucificação, carregando suas cruzes. Na Sexta-feira da Paixão, Jesus Cristo, passando por aquele mesmo caminho, carregando sua cruz, teria sido importunado com ironias ou agredido verbal ou fisicamente, pelo coureiro Ahsverus. Jesus, então, o teria amaldiçoado, condenando-o a vagar pelo mundo, sem nunca morrer, até a sua volta, no fim dos tempos. (wikipedia – https://pt.wikipedia.org/wiki/Judeu_errante) . Assim, ele se tornou o ‘judeu errante’, nunca seria capaz de fazer amigos permanentes ou ficar em um lugar para que as pessoas notassem que nunca envelhecia. A teoria é que motivação de Keel em em realizar a instrumentalidade finalmente permitiria que ele morresse.

Há pelo menos dois grandes problemas com essa noção. Uma é que não há absolutamente nada na série para indicar que essa é a motivação dele.

Outra é que quando Keel aparece num flashback no ep. 21, ele é visivelmente mais jovem do que os dias atuais da série, e como tem sido observado, o judeu errante é supostamente eterno. Esta teoria é um exemplo do pior tipo de especulação.


O Dummy Plug Plant é a Câmara de Guf

A câmara de Guf é mencionada por Ritsuko, no episódio 23, quando ela, Misato e Shinji entram no Dummy Plug Plant. Este comentário provavelmente leva as pessoas a acreditar que os dois são sinônimos. Veja aqui uma explicação de Guf em Neon Genesis Evangelion.


Adão foi empalado pela Lança de Longinus de Lilith

A ideia do ‘Duelo das Sementes’ foi composta para explicar por que uma semente seria espetada pela Lança de Longinus e colocado em animação suspensa, enquanto a outra estaria livre para espalhar a vida na Terra. A interação entre o Rei e Kaworu foi interpretada como significando que ambos (como Lilith e Adão respectivamente) tinham interagido anteriormente. Esta ideia foi desmentida quando os arquivos das Informações Confidenciais revelaram que cada semente foi enviada com sua própria lança, e que a Lança de Lilith foi perdida ou destruída durante primeiro impacto. Adão foi colocado em animação suspensa pela sua própria lança, o qual foi utilizado para empalar Lilith mais tarde.


As Cenas do Quarteto de Cordas ocorrem na mesma linha temporal da série

Esta é facilmente refutada. Ambos Asuka e Kaworu aparecem nas sequências do Quarteto de Cordas. Na linha do tempo da série real, Asuka está no hospital sob sedação profunda quando Kaworu chega, e ainda está lá quando ele é esmagado pelo Eva-01/Shinji; eles nunca se encontram.

O motivo do Quarteto de Cordas serve para separar os diferentes focos de morte, bem como o encaixe junto com a trilha sonora que foi usada, Canon de Pachelbel em D maior. (Mais informações sobre esta cena veja aqui: O Quarteto de Cordas em Death&Rebirth).


Ameaças de Morte e “A Vingança de Anno”

Muitos são levados a acreditar, de uma maneira ou outra, que o The End of Evangelion foi uma vingança de Anno contra os fãs que receberam negativamente o final da série TV.

Alguns dizem isso por que Anno brutalmente matou todos os personagens principais; no entanto, isso não é nada de novo no mundo do anime. Mais notavelmente, Space Runaway Ideon de Yoshiyuki Tomino, onde não só todos os personagens principais são mortos, mesmo as crianças são brutalmente massacradas. Mesmo em Ideon sendo uma inspiração para Anno em Evangelion, The End of  Evangelion estava mais perto do final previsto do que a série de TV 14 Aluno: E quanto ao episódio final da série de TV? Você disse que não gosta de moe, mas Asuka não é moe? Anno: Quando fiz a série de TV, ainda não havia moe. Também gosto de Sailor Moon. Para a série de TV, certamente ficamos sem tempo. Não tivemos tempo para o episódio 25, então o refizemos para a edição teatral. O episódio final, episódio 26, seria assim originalmente. Na cena do episódio 16, que mostra uma conversa entre Shinji e o anjo, Tsurumaki-san proibiu [o uso de] japonês pelo anjo. Por isso, o tema passou a ser, a partir de então, conversas consigo mesmo, e terminou com a questão de como você pode chegar a um acordo com outras pessoas. Fizemos [o final] em quatro dias. Fizemos a gravação de voz primeiro e depois desenhamos os storyboards. Entrevista com Hideaki Anno em Outubro de 2013 (em inglês) . Algumas das imagens utilizadas no final da série (cadáveres de Misato e Ritsuko) indicam que, mesmo antes da série de TV terminar, Anno tinha planejado matar esses personagens.

Alguns dizem que é por causa da cena que Shinji visita Asuka sedada em seu quarto de hospital. Embora ligeiramente fora-de-campo da esquerda em comparação com o final da série de TV, esta cena faz servir aos seus propósitos. Mais importante, ele mostra que Shinji chegou no mais baixo de todos os pontos, e em segundo lugar, a cena é usada como uma referência mais tarde no filme, quando Asuka diz “Idiota! Eu sei sobre suas fantasias sexuais comigo. Faça de novo, como de costume… Eu vou ficar aqui mesmo e ver.”

Um argumento subjetivo para a vingança de Anno é o mindfuck cinematográfico e a narrativa que ocupa a maior parte da segunda parte de End of Evangelion. A réplica subjetiva poderia ser: “É o fim da série de TV?”. Os filmes são conhecidos pela utilização de motivos conflitantes, contar histórias não-linearmente e imagens altamente simbólica/obscura, e The End of Evangelion não é a primeira a usar todos os três. Além disso, do ponto de vista interpretativa, a parte do filme faz muito bem em mostrar o caos e o desmembramento da instrumentalidade, especificamente, que Shinji estava passando.

Finalmente, alguns argumentam que a arma principal da vingança do Anno é a seqüência de flashs rápidos (cerca de um por frame) de ameaças de morte / emails de ódio que podem ser visto no final da sequência Live-Action, na segunda metade do filme. No entanto, este rumor foi iniciado, e provavelmente foi propagado pela faixa de comentário da Manga Entertainment lançado junto com The End of Evangelion, onde Amanda Winn Lee dá uma menção de mensagens de ódio durante esta sequência. Quando foram traduzidos para Inglês, a maioria das cartas e e-mails tem um tom de apego pessoal ao anime, de louvor, ou incentivo / antecipação para o filme End of Evangelion. Apenas um dos e-mails podem ser considerados ‘cartas de ódio’, e estava criticando Death and Rebirth (não é o fim da série de TV como um todo), e os únicos dois possíveis casos que poderiam ser consideradas uma ‘ameaça de morte’ foi um grafite na parede do lado de fora do estúdio da Gainax (que foi levantada a hipótese de ser de fanáticos religiosos) e um e-mail que dizia “Anno, eu vou te matar!!!”, essa última era apenas um close-up dessa mensagem em um monitor de computador e faltava claramente um contexto. Isso coloca o argumento da arma principal bem questionável, a sequência claramente não é uma mensagem usada como: “É por isso que eu estou me vingando de vocês” ou qualquer coisa nesse sentido. Além disso, Anno revelou que as cartas mostradas foram realmente escritas por um amigo dele, pois ele não poderia usar as cartas reais por motivos legais.

“Em primeiro lugar, não usamos um final triste para irritar os fãs. Quando eles estão chateados, isso realmente nos incomoda. Pessoalmente, acho que um final feliz é bom, mas não se for alcançado com muita facilidade. Isso não é bom. “Diretor Assistente Kazuya Tsurumaki


A série é o “verdadeiro final”

Graças aos muitos mitos urbanos que cercam a produção de Evangelion, bem como o mito de “vingança” mencionado acima, algumas pessoas assumem que o final da série no episódio 26 é o final real e “original”, com EoE sendo uma resposta. No entanto, material suplementar e entrevistas afirmam claramente que o episódio 26′ em EoE representa os planos originais de Anno. Em vez disso, a EoTV, embora ainda importante e tematicamente relevante, foi feita dessa forma devido à falta de tempo para representar adequadamente as intenções da Gainax. Isso não descarta o EoTV, no entanto, e o EoE é geralmente considerado, tematicamente se não narrativamente, uma complementação da EoTV e não uma substituição completa.

Por exemplo:

“Episódio 25′ “Air” é baseado no roteiro original do episódio 25 que foi concluído durante a produção da série de TV. Devido aos limites de tempo de produção e outros problemas, este roteiro não foi usado e o episódio de TV 25 “Owaru sekai (Ending World)” tornou-se um drama que se desenrolou dentro de um universo interior como o episódio 26. Nesse sentido, episódio 25′ pode ser considerado um retorno ao conteúdo originalmente pretendido. Em contraste, o episódio 26′ adiciona muito mais história e conteúdo dramático ao episódio 26 da TV, aprofundando assim o tema.” – Do Red Cross Book, disponível aqui traduzido em Português pelo EVABR.

“Anno: Quando eu fiz a série de TV, ainda não havia moe. Eu gosto de Sailor Moon também. Para a série de TV, certamente ficamos sem tempo. Não tivemos tempo para o episódio 25, então refizemos para a edição teatral. O episódio final, episódio 26, ia ser assim originalmente. Na cena do episódio 16, que mostra uma conversa entre Shinji e o anjo, Tsurumaki-san proibiu [o uso de] japonês pelo anjo. Então, por isso, o tema passou a ser a partir de então conversas consigo mesmo, e terminou com a questão de como você pode chegar a um acordo com outras pessoas. Fizemos [o final] em quatro dias. Fizemos a gravação de voz primeiro e depois desenhamos os storyboards.” – – Hideaki Anno x Kazuo Koike (October 22 2013)


Com isso dito, no entanto, isso não significa que os episódios 25 e 26 sejam puláveis ​​ou devam ser descartados, pois são parte integrante de Evangelion.


Ambos os finais são simultâneos

Também ligado ao equívoco acima. Um dos tópicos mais debatidos é se End of Evangelion e os episódios finais da série, conhecidos como EoTV, são perspectivas diferentes sobre o mesmo evento. Isso ficou conhecido como a Teoria da Concorrência. No entanto, uma infinidade de fontes oficiais e declarações da equipe, incluindo os próprios Tsurumaki e Anno, deixam claro que EoE é uma alternativa, final de substituição, e não diretamente compatível com EoTV, e são até explicitamente referidos como “remakes”:

Depois que todos os 26 episódios da série de TV foram ao ar, a versão remake do Episódio Vinte e Cinco e o Episódio Final foram lançados como uma peça teatral, na qual vários dos mistérios foram resolvidos. Ou havia pistas apresentadas com as quais pensar sobre os mistérios. – Platinum Booklets – Mysteries Revealed

A conclusão do drama e iluminando os mistérios. Em resposta aos fãs clamando por essas duas coisas, foi decidido que haveria um remake do Episódio Vinte e Cinco e do Episódio Final. O resultado disso é o episódio 25 “Air” e o episódio 26 “A Pure Heart For You”, que foram lançados como o teatral “The End of Evangelion”. Desta forma, a história de Eva se ramificaria em duas histórias com o ponto divergente sendo o final do Episódio Vinte e Quatro “O Mensageiro Final”. As duas histórias se desenrolam de forma diferente e chegam a seus próprios clímax. O Episódio Vinte e Cinco e o Episódio Final contam o tema diretamente. E a outra versão, Episódio 25 e Episódio 26, retratam o mesmo, acompanhando a história. Não é que uma seja a versão completa e a outra incompleta. Assim como os múltiplos finais de um jogo, dois finais diferentes foram preparados para uma história.
– Platinum Booklets – The Two Endings

Ver os remakes, o episódio 25 “Air” e o episódio 26 “A Pure Heart For You”, pode de fato tornar o conteúdo do episódio 25 mais fácil de entender. As representações de Misato e Ritsuko sendo baleadas até a morte, Unidade-02 abraçando seus joelhos no lago, e Asuka também abraçando seus joelhos dentro da Unidade-02, todas correspondem ao Episódio 25. Quando foi ao ar originalmente, muitos expressaram sua opinião de que não conseguiam entender a história no Episódio Vinte e Cinco e no Episódio Final. No entanto, há realmente uma explicação básica da história dentro do programa. Sendo assim… Gendo usa Rei para executar o Projeto de Instrumentalidade Humana e começa a complementação do homem. Gêndo diz, “Todas as almas se tornarão uma e encontrarão a paz eterna”. Seu Projeto de Instrumentalidade deve ter sido para que todas as almas humanas fossem combinadas como uma só e compensassem umas às outras pelo que foram privadas. Na história que segue do episódio 25 “Air” ao episódio 26 “A Pure Heart For You”, ele não conseguiu executar o cenário que havia traçado. Pode ser que foi no episódio vinte e cinco e no episódio vinte e seis que seu desejo realmente se tornou realidade.
– Platinum Episode Commentaries

No momento em que Shinji ganha a convicção de que está tudo bem para ele estar lá, o cenário muda e a Terra azul se espalha sob seus pés. No entanto, não há continentes nesta Terra, e ela é coberta por um gigantesco recife de coral. Parece que esta é a Terra que foi transfigurada pelo Projeto de Instrumentalidade. Este episódio termina com as legendas “Para meu pai, obrigado”. “Para minha mãe, adeus.” “E para todas as crianças.” “Parabéns!” Eva é uma espécie de história complexa de Édipo, onde um menino sente amor e ódio por seu pai e sua mãe, então as duas primeiras legendas podem significar que Shinji chegou a um entendimento com seu pai e cresceu fora de sua dependência de sua mãe. Talvez as duas últimas legendas signifiquem: “Este é um mundo onde todas as crianças nascidas nele merecem viver. ” Cabe ao público decidir se esse final é o melhor final ou o final ruim. – Platinum Episode Commentaries

Por fim, o [Projeto de Instrumentalidade Humana] foi executado. …Que tal a complementação de Shinji? Que tal a complementação do coração de Shinji? Aqui é descrito o caminho da complementação de Shinji. “Em meio às muitas palavras de parabéns, um leve sorriso começa nos cantos da boca de Shinji (e se espalha por seu rosto). Um rosto feliz – essa é a figura do Shinji Complementado. Esta conclusão é também uma forma, uma possibilidade entre muitas.” – Filmbook Vol. 9

Em outras palavras, os episódios 25′ e 26′ são a continuação do episódio de TV 24 “Saigo no Shisha”.
Para a série de TV, os episódios 25 “Owaru sekai (The Ending World)” e 26 “Sekai no chuushin de ai wo sakenda kemono (The Beast who Shouted “I/Love” at the Center of the World)” foram exibidos após o episódio 24 para encerrar a série. Desta forma, a história de Evangelion se divide em duas após a última cena do episódio 24. Há um final como mostrado nos episódios de TV 25 e 26, enquanto os episódios 25 e 26 como mostrado em “THE END OF EVANGELION” são outro final. (Aqui, números simples são usados ​​para indicar os episódios de TV e números com apóstrofos para os episódios de filmes) Assim, tanto em nome quanto em fato, esta é a conclusão completa de Neon Genesis Evangelion.
Como culminação dessa tendência, o episódio final da série de TV, “Sekai no chuushin de ai wo sakenda kemono”, adotou uma abordagem inovadora em que a história progrediu apenas dentro do mundo interior do protagonista Shinji Ikari. Embora isso tenha cumprido os requisitos temáticos básicos, o drama dos personagens de Eva e as explicações de vários cenários ficaram inacabados quando a história terminou.
Isso se tornou um grande problema, pois o episódio final da série de TV pode ser considerado incompleto. A voz dos fãs ficou mais forte à medida que exigiam um final adequado para o drama, explicações dos mistérios, ou mesmo uma nova história. Assim, para atender a essas demandas, optou-se por refazer os episódios 25 e 26. Os episódios refeitos 25′ e 26′ foram originalmente planejados para serem lançados como OVA, mas durante a produção foi decidido que eles seriam lançados nos cinemas.
– End of Evangelion Program Book (Red Cross Book): Commentary

— O que você achou dos desenvolvimentos durante a segunda metade da série de TV?
KT – Eu não me importei. O cronograma foi um desastre total e o número de cels despencou, então houve alguns lugares onde infelizmente a qualidade sofreu. No entanto, a tensão da equipe à medida que todos nos tornamos mais desesperados e frenéticos certamente apareceu no filme.
— Entendo.
KT – Na época em que o sistema de produção estava completamente desmoronando, havia algumas opiniões no sentido de que, “Se não podemos fazer um trabalho satisfatório, então qual é o sentido de continuar?” No entanto, não me senti assim. Minha opinião foi: “Por que não mostramos a eles todo o processo, incluindo nosso detalhamento?” Você sabe – faça um trabalho que mostre tudo, incluindo nossa incapacidade de criar um produto satisfatório. Eu imaginei que, “Em 10 anos ou mais, se olharmos para trás em algo que fizemos enquanto estávamos bêbados em nossas mentes, não nos sentiríamos mal mesmo que a qualidade não fosse tão boa.”
[…]– Essa edição cinematográfica foi feita para combinar com o estado de espírito do diretor Anno?
KT – Acredito que sim. Houve um tempo em que Hideaki Anno claramente queria tentar um desenvolvimento mais catártico. Não acabou assim, mas não acho que mentimos.
— Quando você diz “mentira”, você pretende concluir de repente com algo como “o amor salvou o mundo”?
KT – Exatamente. E não fizemos isso com este filme. Não sinto nenhuma insatisfação com o final. Eu realmente gosto.
– Red Cross Book: A STORY OF COMMUNICATION: The Kazuya Tsurumaki Interview

Hayashibara: Então haverá dois episódios 25.
Anno: Certo, será um final múltiplo.
Hayashibara: Então, um duplo… ah, um final múltiplo. Após o episódio 24, os finais irão divergir.
Anno: Certo.
Hayashibara: Haverá dois deles.
Anno: Haverá dois deles.
Hayashibara: Ah, dois finais.
Anno: Sim.
Hayashibara: Em termos de jogos – é chamado de jogo de simulação? Como você chama isso? O final para esse eu [particular] muda à medida que você avança [no jogo].
Anno: Certo, um [jogo] com vários finais.
Hayashibara: Você pegou esta estrada, então você foi aqui. Você pegou esta estrada, então você foi aqui. O final muda. É assim que é.
Anno: hum. Evangelion é minha performance ao vivo. Como eu o crio com essa sensação de estar ao vivo, o que estou pensando agora, o que estou sentindo agora, meu humor atual, tudo isso é transferido para o filme – esse era o tema inicial, ou o tema que eu tinha na minha mente
– Hayashibara’s Tokyo Boogie Nights, April 14 1996

Ohmori: Então não podemos pensar no final como ele sendo salvo ou feliz.
Anno: Hum, bem, provavelmente há pessoas que veem isso como um final feliz. Para mim, pessoalmente, não foi muito feliz. Em retrospectiva. –   The World of Neon Genesis Evangelion (SF Magazine 08/1996).


Evas de Produção em Massa não possuem alma, ou são pilotados por outras crianças

No episódio 24, Kaworu diz que o Campo A.T. é “A luz da alma’, indicando que é necessário Alma para produzir um Campo AT. Isto é consistente durante toda a série TV, bem como nos filmes, uma vez que Evangelions de Produção em Massa, de fato, produzem Campos AT:

Shigeru: “A série Eva, os campos A.T. estão ressoando!”


Alguns dizem que são os pilotos (Dummy plug de Kaworu) que produzem o Campos AT. No entanto, Ritsuko no Episódio 17 diz:

“Este é um protótipo de Dummy plug (plug falso).
Os dados de Rei foram carregados nele,
mas não é realmente possível digitalizar uma mente e  alma humana.
Em última análise, é uma farsa, uma imitação.
Só uma máquina que simula processo de pensamento de um piloto.”

Indicando que não há alma real nos plugues falsos. Portanto, é impossível para o plugue falso gerar um Campo A.T.

Uma teoria alternativa é que eles são pilotados pelos outros alunos da Classe 2A de Shinji, como Hikari, Kensuke e Toji, o que também significaria que eles seriam incorporados às almas de suas mães. Claro, isso também é refutado pelos plugues falsos de Kaworu sendo inseridos neles.


Indicando que não há alma verdadeira nos Dummys falsos. Portanto, é impossível que um Dummy plug gere um Campo A.T.


Adão e Lilith já foram um único ser / Adão e a humanidade se originam de Lilith

Um equívoco que surgiu de questões de tradução e levou muitos a supor que tanto Adão quanto a humanidade derivam originalmente de Lilith. Esta informação tende a ser derivada do “info-dump” de Misato para Shinji em The End of Evangelion (especificamente Episódio 25′) e uma fala em particular que nunca foi traduzida corretamente na maioria dos lançamentos, inclusive os oficiais. Faz parte do seguinte monólogo:

シンジ君
私たち人間もね
アダムと同じー
リリスと呼ばれる生命体の源から生まれたー
18番の使徒なのよ

Esta frase é formulada de forma bastante desajeitada em japonês, e é fácil errar – esse erro estava presente na dublagem oficial do ADV/Manga e sub da EoE, na maioria dos fansubs (uma exceção notável é o fansub de Sephirothic, parcialmente feito em conjunto com o EvaGeeks). A exceção entre os lançamentos oficiais é a nova dublagem da Netflix, já que as legendas usam uma versão inacabada da tradução, algo notado pelo tradutor da Khara, mas ainda não corrigido pela Netflix.

Nas traduções incorretas que são comumente reproduzidas, Misato está dizendo algo equivalente a “Ouça com atenção, Shinji. Nós humanos também viemos da fonte da forma de vida chamada Lilith, como Adão. Nós somos o 18º Anjo”, o que leva a supor que Adão também se originou de Lilith. Isto é falso, como Adão é outra fonte de vida inteiramente, a segunda frase é traduzida corretamente como algo semelhante a “Nós, humanos, nascemos da forma de vida conhecida como Lilith, que é semelhante a Adão”. Portanto, Misato estava realmente apontando que Lilith e Adão são semelhantes, ambos são Sementes de Vida, não dizendo que Adão também vem de Lilith, assim como a humanidade.


A briga na cozinha aconteceu toda na cabeça de Shinji

Isso faz parte da Instrumentalidade Pré-Terceiro Impacto. Logo antes da luta na cozinha, Shinji e Asuka testemunham uma cena da época da faculdade de Misato, onde ela está fazendo sexo com Kaji. Shinji claramente nunca viu isso e pergunta “Esta é Misato? Ela faz… isso?” e ela responde: “Sim, esta também sou eu… um eu que Shinji não conhece.” Se toda essa sequência estivesse “na cabeça de Shinji”, não teria como ele saber essas coisas. Em vez disso, porque ele já está na Instrumentalidade, ele tem acesso às memórias de Misato. Isso também se aplica à cena anterior do “Trem”.


A Asuka na cena da cozinha não era real

Pelas mesmas razões apresentadas acima, não há razão para pensar que a Asuka que confronta Shinji no episódio 26′ seja uma farsa ou algum tipo de criação da mente de Shinji. Asuka claramente implica que ela sabe sobre a masturbação de Shinji mais cedo no hospital, e até mesmo que é de fato um hábito dele fazer isso.

Embora ela pudesse saber ou suspeitar do último, não há como ela saber sobre o hospital sem ter acesso às memórias de Shinji. Embora Asuka tenha morrido no mundo real, sua alma foi colhida pela Rei Quantum e ela agora está presente na Instrumentalidade, assim como o que aconteceu com a própria Misato.


Asuka não sabia que Shinji se masturbava para ela

Veja acima. No original japonês, Asuka ainda usa a expressão idiomática “Eu sei que você está me usando como acompanhamento”. Em japonês, “usar algo como acompanhamento” é uma expressão para usar algo ou alguém para suas fantasias eróticas, mas com a implicação subjacente de que a pessoa que usa o “acompanhamento” está com muito medo de realmente agir de acordo com seus sentimentos.

Na versão brasileira (dublada e legendada – oficial e por vários fansubs) a expressão é bem mais direta: “Eu sei viu? Eu sei que você se masturba pensando em mim. Vai, faz do jeito que costuma fazer.”


Asuka não morreu

Asuka e o Eva-02 foram mortos pelos Evas de Produção em Massa. O horror de Maya e Shinji e o estado mutilado do Eva-02 tornam isso explícito. Uma vez que Asuka estava sofrendo um dano físico real correspondente ao dano do Eva (o Eva foi impalado por várias lanças), não havia como Asuka ter sobrevivido aos múltiplos impactos da Lança ou à destruição subsequente. Logo depois que ela é perfurada, Maya também grita em desespero que “Asuka está…”, mas não consegue terminar sua frase.

Embora isso seja apenas (fortemente) implícito, combina com sua hesitação durante todo o filme que ela diria “Asuka está morta!”. Além disso, as bandagens de Asuka na cena final correspondem aos ferimentos daquela batalha. Como acima mencionado, sua alma foi simplesmente colhida por Rei/Lilith e mais tarde ela retornou através da Instrumentalidade.


Fusão Asuka-Rei-Misato

Este equívoco muito comum nasceu devido a última cena de The End of Evangelion com Asuka e Shinji sozinhos na praia. O braço de Asuka está enfaixado (como o de Rei no episódio 01) e seus olhos parecem ser marrons (como os de Misato). Isso leva algumas pessoas a especular que Asuka é realmente uma combinação de todas as três garotas, e, portanto, a “garota dos sonhos’ de Shinji. Esta noção ridícula é absolutamente falsa. O braço enfaixado é devido ao seu trauma de batalha no Eva-02 no início de The End of Evangelion (quando uma lança divide o braço direito do Eva-02 completamente). Seus olhos ainda são azuis, mas apenas matizado devido à tonalidade da cena.

Antes da Instrumentalidade ser terminada, Rei diz a Shinji  “Se desejar mais uma vez  a existência dos outros, as barreiras do coração vão separar todos mais uma vez…” e Kaworu diz  “Está tudo bem os Campos AT dos outros machucá-lo mais uma vez?”, indicando que os Campos AT  separaram uns dos outros.


O Cenário Adão e Eva (ou ninguém voltará)

Considerando que o tema de Gênesis aparecer em todo NGE, a cena final de The End of Evangelion leva muitos a supor que Shinji e Asuka são o novo Adão e Eva e são deixados sozinhos para voltar a povoar o mundo. Mas esta teoria é equivocada. Durante a dissolução da Instrumentalidade, Rei diz: “Qualquer um pode retornar à forma humana, desde que se imaginem em seu próprio coração”,  em seguida, Yui diz: “Todos os seres vivos têm a capacidade de retornar à sua forma original… e do coração para continuar a viver.”. Isso significa que outros humanos também podem retornar, caso façam a escolha, mas também é perfeitamente possível que mais ninguém, ou mesmo poucas pessoas, voltem. Independentemente disso, Asuka e Shinji terão que aprender a lidar um com o outro por pelo menos algum tempo.


Asuka está grávida

Este rumor está ligado ao anterior. Normalmente, a ideia é que Asuka tenha engravidado devido à sua breve cena de sexo metafísica com Shinji mostrada durante a Instrumentalidade pré-3º Impacto, ou de alguma forma como um “presente” de Rei/Lilith para dar uma vantagem ao repovoamento da Terra. Também pode ser teorizado como resultado de Shinji “desejando” que ela voltasse, como mencionado abaixo.

Uma grande razão para a popularidade dessa teoria é que ela foi apoiada pelos dubladores ingleses da ADV de Asuka e/ou Rei nos anos 90, juntamente com outras teorias como a “garota combinada”, e uma afirmação igualmente infundada de que “Anno confirmou isso”. A afirmação de que a linha final “kimochi warui” de Asuka pode ser usada para expressar o enjoo matinal por parte de Asuka não é necessariamente errada, mas não há outras evidências para apoiar essa teoria. Porque outras pessoas podem voltar, não é necessário que Asuka esteja grávida para preservar a humanidade. No entanto, assim como o próprio cenário de Adão e Eva, isso não pode ser definitivamente refutado, nem exclui a possibilidade de Asuka engravidar mais tarde.


Asuka foi trazida de volta por Shinji

Primeiramente leia o artigo: A Cena Final de The End of Evangelion.

Supõe-se frequentemente que Asuka foi trazida de volta à vida por Shinji desejando ou Rei/Lilith/Yui de alguma forma decidindo devolvê-la ao mundo real para fornecer companhia a Shinji, como no cenário Adão e Eva. No entanto, há muitas evidências indicando que Asuka, de fato, decidiu retornar da Instrumentalidade por vontade própria: ela vai à praia (em vez de apenas se materializar ao lado dele) e encontra as cruzes que Shinji colocou em memória dela e de outros personagens. Imediatamente ela assume que Shinji pensa que ela está morta, então ela chuta o marcador com seu nome para significar que ela está viva, assim como sua vontade de viver. Ela encontra Shinji dormindo no chão. Em vez de acordá-lo, chutá-lo ou gritar com ele, ela decide sentar e dormir ao seu lado.

Isso também está relacionado com a ideia de que Shinji pode de alguma forma forçar as pessoas a retornar, mas todos os retornados precisam decidir fazê-lo. Shinji não forçou isso a ninguém, ele abriu a escolha para as pessoas. Asuka é simplesmente a primeira pessoa a escolher voltar depois dele.


Asuka não teve forças para resistir a Shinji

Outra interpretação é que Asuka não deu um soco ou reagiu agressivamente a ele sufocando-a novamente foi que ela simplesmente não tinha energia para resistir. Não apenas isso é refutado pelas evidências acima, Megumi Ogata também detalha que isso reflete a experiência de uma conhecida de Anno, e esta é uma escolha deliberada por parte de Asuka. Este é um resumo de sua entrevista de Evangelion Forever:

De acordo com Megumi Ogata, dubladora de Shinji, a cena em si foi modelada em uma experiência de uma amiga de Anno. Essa amiga entrou em uma discussão com o namorado, e em algum momento ele a sufocou de raiva. Em vez de reagir violentamente, esse amigo não sentiu medo, ódio ou mesmo necessidade de sobrevivência, mas sim um desejo de acariciá-lo com ternura. Em resposta, seu namorado perdeu o controle. No entanto, o amigo de Anno ficou frio e murmurou a linha de Asuka do rascunho da EoE quase literalmente. Ogata acredita que essa cena foi como Anno queria “transmitir diferentes maneiras de levar sentimentos de amor a uma conclusão que existem na realidade. Você é você, Eu sou eu.” Naturalmente, isso se reflete nos filmes de individualidade e na dualidade de chegar ao outro presente em Eva.

Anno também orientou Ogata a tratar “One More Final” em parte como uma história separada: “como algo que simplesmente existe. Como se tudo o que aconteceu antes no filme fosse apenas um sonho que nunca aconteceu. É sua própria unidade narrativa, algo que pode fundamentalmente ser retirado de seu contexto no filme e ainda ser interpretado como um todo dramático. É e não é a cena final da EoE.”

Além disso, Ogata pediu a Anno para ajudá-la a entender o que Anno queria transmitir através da cena e como Shinji deveria agir. Ouvindo isso, Anno primeiro fica em silêncio e confuso por um momento. Então ele firmemente envolve seus braços em volta de si e se abraça. Este é o “propósito” do que ele está tentando expressar. Quanto a como Ogata deve interpretar Shinji, Anno pede que ela não interprete Shinji: “Só para esta cena, quero que Ogata assuma e expresse meus sentimentos em vez dos de Shinji”Koji Ide’s Evangelion Forever


Shinji queria matar Asuka

Veja acima. As fontes oficiais deixam claro, mas consulte o artigo A Cena Final de The End of Evangelion para uma explicação completa. Shinji sufocou Asuka para sentir a existência de um Outro.

Shinji e Asuka no novo mundo onde o Projeto de Instrumentalidade Humana não foi cumprido Shinji escolheu um mundo onde os outros existiam, e para ele Asuka se tornou o primeiro “Outro”.
Durante a Instrumentalidade, Asuka encontrou Shinji dentro de seu mundo interior e disse a ele que não precisava de nada se não pudesse ter tudo dele. Apesar do significado desta declaração, a resposta de Shinji foi vaga na melhor das hipóteses e ele só procurou um lugar ao lado dela porque era um lugar “confortável” para se estar. Ferida pela noção de que ela não era nada mais do que uma fuga para Shinji, Asuka o rejeitou. Como resultado, o Projeto de Instrumentalidade Humana não atingiu o resultado pretendido, e quaisquer mudanças no relacionamento entre Asuka e Shinji não foram claras.
– Essential Evangelion Chronicle Side B

“Shinji renunciou ao mundo onde todos os corações se fundiram em um e aceitaram uns aos outros incondicionalmente. Seu desejo… de viver com ‘outros’ – outros corações que às vezes o rejeitam, até o negam. É por isso que a primeira coisa que ele fez depois de cair em si foi colocar as mãos no pescoço de Asuka. Sentir a existência de um ‘outro’. Para confirmar (certificar-se de) rejeição e negação.”
“No mar de LCL, Shinji desejou um mundo com outras pessoas. Ele desejava encontrá-los novamente, mesmo que isso significasse que ele seria ferido e traído. E assim como ele esperava/queria, Asuka estava presente no novo mundo. Apenas Asuka estava lá ao lado dele. A garota que ele havia ferido, e por quem ele havia sido ferido. Mas mesmo assim, ela era a que ele esperava/desejava…”
– Evangelion Carddass Masters;D-88, D-84, P-66, P-68, H-11, todas aqui.


Asuka e/ou Shinji tentaram cometer suicídio

Teorias comuns devido à falta de detalhes claros nas cenas do episódio 24 e do episódio 26′, em que Asuka supostamente cortou os pulsos em uma banheira, e Shinji supostamente tentou se afogar no lago. De fato, em ambos os casos, várias evidências e considerações temáticas invalidam isso. Em ambos os casos, Asuka e Shinji perderam a vontade de viver, mas também não tiveram vontade de se matar. Na verdade, ambas as cenas são paralelas entre si e outras instâncias.

  • Shinji e o Lago
Uma visão expandida da cena comumente usado como evidência (disponível no Collector’s Disc 6). Observe que as roupas de Shinji não estão encharcadas como estariam se ele sequer entrasse no lago em primeiro lugar.

Depois de matar Kaworu no episódio 24, Shinji se sente desanimado e superado pela culpa, pois matou alguém que ele viu como um ser humano e o tratou bem quando Shinji acreditava firmemente que ninguém se importava com ele – uma crença que Shinji reforçou ao acreditar que foi usado por Kaworu. Ele está parado perto do lago criado por Rei destruindo seu Eva no episódio 23, inundando as ruínas de Tokyo-3 com água do Lago Ashinoko nas proximidades. Parece que Shinji é suicida e acaba de emergir de uma tentativa de suicídio fracassada ou abortada. Embora Shinji esteja certamente em um mau estado de espírito, ele não é suicida. Esta tem sido uma teoria popular por algum tempo, mas os storyboards deixam claro que Shinji não tentou se afogar, mas apenas ficou por horas olhando para o lago, e seu cabelo molhado, a principal evidência para essa teoria, é apenas assim porque Shinji estava suando com o calor escaldante de o sol, que também está presente na cena.

Isso pode parecer um ponto de trama menos interessante do que uma tentativa de suicídio, mas, na verdade, combina muito bem com o filme e a série como um todo. Sua própria falta de autoestima indica que ele se sente indigno e talvez esteja buscando alguma punição por mais um fracasso pessoal. Isso o motiva a procurar Asuka e até pedir que ela o insulte, não apenas para confirmar seus sentimentos de inutilidade, mas também porque ele continua desesperado por qualquer tipo de atenção, de qualquer pessoa. Na verdade, esta cena é visualmente paralela com Shinji fugindo no início da série no episódio 4, e paralelamente narrativa e tematicamente com Asuka fugindo nos episódios 23 e 24. Como Asuka, Shinji perdeu a vontade de viver, mas também não tem vontade de se matar, e prefere esperar pela morte, aqui e depois, escondendo-se em um canto escuro, mesmo quando a NERV está sendo invadida, Misato o procura e até a própria Asuka pede ajuda para ele.

  • Asuka e a Banheira

Depois de fugir de casa no episódio 23, Asuka perambula pelas ruas de Tokyo-3 por um tempo, e só é encontrada depois pelo pessoal da Seção Dois em um prédio abandonado e degradado no episódio 24. Ela está faminta, esquelética e nua em uma banheira cheia de um líquido laranja/avermelhado, com suas roupas dobradas em uma cadeira próxima. Isso parece indicar que Asuka pode ter tentado se matar cortando os pulsos, mas outras evidências contradizem isso. Além disso, seu uniforme escolar está dobrado em uma cadeira próxima – um sinal comum de dizer adeus à própria vida em várias culturas. Em The End of Evangelion, Asuka é vista com tubos intravenosos inseridos em seus pulsos na cena do hospital. No entanto, Asuka não tem nenhum tipo de curativo em torno de seus pulsos, pois eles podem ser vistos claramente quando Shinji tenta acordá-la. Como Asuka afirmou, ela perdeu a vontade de viver, mas também não parece que ela tenha vontade de se matar, e optou por apenas esperar pela morte, até o ponto da NERV “resgatá-la”. Mais tarde, ela é colocada em coma induzido por drogas.

Asuka nas versões On Air e Director’s Cut do Episódio 24.

Curiosamente, parece que este é um dos raros casos em que Anno alterou deliberadamente algo presente em um episódio original para tornar sua intenção mais clara – na versão “On Air” do episódio 24 apresenta uma banheira de uma coloração muito diferente, que se assemelha muito mais a sangue do que o lançamento posterior do Director’s Cut (e Netflix), que se parece mais com ferrugem.

Isso é, curiosamente, um paralelo com Shinji fugindo no início do episódio 4 e mais tarde em End of Evangelion. Muito parecido com o caso de Shinji, isso parece não fazer muito sentido, mas na verdade diz muito sobre sua personagem. Asuka projetou tanto de sua auto-estima em pilotar, que quando ela perde isso, também sentindo que ninguém se importa com ela ou a valoriza como pessoa, Asuka sente que ela é totalmente inútil mas sua memória do suicídio de sua mãe também significa que ela não está disposta a se matar, pois ela decidiu afirmar agressivamente sua independência e sua vontade de viver através de suas proezas de pilotagem e, mesmo quando ela é incapaz de pilotar, ela não está disposta para trair essa promessa também. Na verdade, o episódio começa com Asuka lembrando do suicídio de sua mãe, especificamente, que não foi mostrado completamente no episódio 22. Ela também não acredita que seja capaz de fazer tal ato. Como Shinji, ela acha que não é boa o suficiente para nada. 15Embora esta seja realmente uma nota do mangá, Sadamoto descreveu que sua versão de Shinji é exatamente dessa maneira: “Mas também um personagem frio, sem ambição – do tipo que cometeria suicídio, mas não consegue fazê-lo. Era minha intenção criar um personagem melancólico que desistiu da vida.” – My Thoughts at the Moment. Anno faz algumas observações semelhantes, mas menos diretas.


Netflix fez a nova tradução de Evangelion e outros mitos de localização

As falas de Kaworu no episódio 24, a Netflix não teve participação na localização de Evangelion, e na verdade foi feita pelo próprio tradutor interno do Studio Khara, Dan Kanemitsu.16 As Falas de Kaworu no Episódio 24 (em inglês). Esta foi a primeira tradução tratada diretamente pelos criadores do show, algo que não aconteceu com as traduções mais antigas de Evangelion na ADV, que tiveram vários problemas – às vezes até se afirma que o próprio Anno supervisionou ou até fez as traduções antigas e Gainax/Khara não estava envolvido com a nova, quando o oposto é verdadeiro. Alguns mitos também são perpetrados por fãs que assistiram ao programa por meio de legendas de fansubbers antigos, muitas vezes sem o seu conhecimento, como a linha supostamente substituída “digno de amor”, que nunca esteve presente em nenhum lançamento oficial em inglês – anteriormente era “simpatia” e “consideração”.


Khara ordenou que o Eva 3.0 fosse retraduzido (Versão americana) devido às reações dos espectadores

Relacionado ao mito acima. A fonte para esta alegação é um post completamente sem fontes em SomethingAwful, notoriamente conhecido como o precursor do “shitposting” moderno da Internet e conhecido por espalhar desinformação e trollagem. De acordo com essa afirmação, feita nos fóruns um dia após a Netflix lançar Eva em sua plataforma, representantes da Khara estiveram presentes para uma exibição da versão dublada (em inglês) de Evangelion: 3.0 You Can (Not) Redo e ficaram chocados com a reação barulhenta da multidão na dublagem. Isso teria incomodado tanto os representantes da Khara que eles exigiram uma nova dublagem e isso acabou contribuindo para a redublagem da versão Netflix. Não há provas de que tais representantes estiveram presentes ou qualquer motivação para eles se preocuparem com as reações da multidão, nem ao menos dando sua contínua indiferença aos fãs ocidentais. Além das imprecisões, a afirmação do usuário de que ele estava lá para ver é refutada pelos agendamentos. Embora o 3.0 tenha sido exibido na convenção Otakon de 2013 de Baltimore em 9 de agosto daquele ano, era uma versão legendada. Também não foi a primeira exibição como o usuário afirma, pois a essa altura o filme havia sido exibido quatro vezes em 12 de julho. A primeira exibição da dublagem foi feita em 11 de outubro em Nova York, dois meses depois. Ele também está incorreto sobre Otakon ter exibido seis meses antes das primeiras exibições regulares, como aconteceram no início de janeiro. Assim, o usuário estava se lembrando grosseiramente ou falsificando informações. Sua afirmação mais famosa sobre os representantes da Khara e por algum motivo especificamente sobre quinta exibição legendada, mesmo após outras, seguidas novamente por meses de exibições abertas internacionalmente, não levou a esse suposto horror e choque por representantes da Khara. Essas afirmações não tem apoio e não passam de boato.

Conforme detalhado em “As falas de Kaworu no episódio 24”, a redublagem da Netflix da série de anime NGE foi impulsionada principalmente devido à necessidade de corrigir os muitos erros e mudanças arbitrárias unilaterais tomadas pela empresa de dublagem ADV na primeira dublagem em inglês que se afastam muito do texto original. A dublagem de Eva 3.0 da Funimation foi refeita por motivos semelhantes. A dublagem inicial era tão imprecisa e mal feita que atraiu enormes críticas na época, com as principais reações e motivações dos personagens sendo desfiguradas. Você pode encontrar alguns trechos das exibições aqui. A explicação oficial da Khara era que ela deveria ser “mais próxima da visão original“. Mais tarde, a recusa de Khara em continuar com a Funimation, responsável pela dublagem, até provocou a ira da própria Funimation.


O envolvimento de Anno com o jogo Neon Genesis Evangelion 2

Tal como acontece com outros mitos envolvendo material derivado, este afirma que Anno estava fortemente envolvido ou até mesmo escreveu parte do jogo Neon Genesis Evangelion 2, de onde vem as “Informações Confidenciais“. Seu único envolvimento confirmado está sendo entrevistado pelos criadores do jogo, junto com outros funcionários da Gainax, que os ajudou a construir o mundo e escrever os próprios arquivos do IC. Eles também afirmam que os cenários presentes no próprio jogo são simplesmente feitos por eles e podem ser desconsiderados quanto à sua canonicidade. Em um registro de produção, eles explicam que queriam criar seu próprio “mundo de Evangelion”. Isso também é expresso em seu esforço para criar uma simulação e personagens “autônomos”. Isso permite que o jogador crie vários cenários para os personagens, batalhas e relacionamentos.


Kaworu penetrou no Campo A.T. de Shinji como seu guia de transição

Um equívoco nascido de alguns detalhes facilmente perdidos. Depois de emergir na Unidade 01 e ver o Eva morto de Asuka, Shinji entra em pânico, não apenas por causa do choque de perder mais uma pessoa com quem ele se importava, mas sua última via de fuga aparentemente se foi. Para adicionar insulto à injúria, Rei-Lilith começa a sofrer mutações horríveis, e Shinji ainda vê a cabeça destroçada de uma Rei gigante mudando de forma diante de seus olhos. Isso é o suficiente para levar Shinji ainda mais ao desespero e ele entra em um frenesi absoluto. A essa altura, ele poderia ter se tornado um perigo para o processo de iniciar o Terceiro Impacto propriamente dito, então isso exige alguma ação por parte de Lilith. Como Shinji já está perturbado e alienado pelos outros, e acaba de perder o que ele viu como uma última via de fuga em Asuka (embora ela volte a ser assim logo depois), Lilith se transforma em Kaworu. Isso acalma Shinji, e Lilith aproveita a oportunidade para a Lança de Longinus penetrar no núcleo da Unidade 01 e transformar a Unidade 01 na Árvore da Vida, como os conselheiros da SEELE cantam ritualmente em triunfo.

Isso às vezes foi usado como evidência de que Shinji desejava ativamente Kaworu nesta cena e que ele era a motivação para Shinji entrar na Instrumentalidade por ser a pessoa que ele queria, semelhante ao que aconteceu para Hyuga com Misato. No entanto, a cena de Shinji simplesmente não se desenrola assim. Na verdade, os storyboards e o roteiro deixam claro que não é o Campo A.T. de Shinji que está sendo penetrado, mas sim o da Unidade 01. Isso é emparelhado com o Eva 01 gemendo audivelmente, dublado por Megumi Hayashibara (Yui). Depois disso, Shinji ainda está visivelmente presente e fisicamente integral. Fuyutsuki também acrescenta que a Unidade 01 agora possui tanto o Fruto da Vida quanto o Fruto do Conhecimento, mencionado por Makoto ao mencionar o Campo A.T. mudando para “Padrão Vermelho”, outro elemento associado aos Anjos e Evas, mas não aos pilotos. Fuyutsuki então explica que agora está nas mãos de Shinji, enfatizando ainda mais que Shinji ainda não entrou na Instrumentalidade.

Imediatamente depois, Yui de fato explica que “esta Rei representa suas próprias esperanças e sonhos”, e quando ela diz isso, Lilith se transforma em Rei. Rei então pergunta a Shinji “o que você deseja”, e então Shinji tem uma visão dos seios de uma mulher sendo agarrados, então a tela tem um efeito “borbulhante” e fica laranja, muito parecido com LCL. É quando Shinji entra na Instrumentalidade. Os storyboards identificam isso apenas como uma “mulher”, mas a visão se assemelha a Asuka ou Misato. Independentemente disso, esta cena não é sobre Kaworu ou Asuka, mas sim sobre os temas freudianos/junguianos de “retorno ao útero”, aos quais Kaworu, mas também Misato, Rei e, obviamente, Yui têm uma conexão temática, e a breve aparição de Kaworu é ofuscada pelo contexto maior da cena antes de ele aparecer e depois de Lilith voltar a ser Rei. Além disso, Kaworu ainda está presente na “metade de trás” de Lilith, sugerindo que sua alma foi absorvida (presumivelmente colhida ou por Gendo através de seu implante de Adão, que foi então absorvido por Rei), o que torna isso ainda mais diferente das seguintes aparições de Rei, pois não é Lilith tendo a aparência do desejo dessa pessoa, mas Adão como parte de si mesmo. Na verdade, a fusão de Lilith (Rei) e Adão (Kaworu) era uma parte necessária da promulgação do Terceiro Impacto, por isso Gendo tinha o embrião de Adão enfraquecido em sua mão em primeiro lugar, com a alma de Kaworu presumivelmente retornando para lá, sendo uma parte da própria alma de Adão, não muito diferente do que aconteceu com outras partes da alma de Lilith, ou de Kyoko. Desta forma, podemos dizer com segurança que não é Kaworu se manifestando como um guia de transição como para outros personagens, mas sim o próprio Kaworu/Adão, já fundido com Lilith.

Em EoE, a Instrumentalidade está focada em seu retorno ao útero e suas ansiedades em torno das mulheres em sua vida, principalmente Asuka, cujo carinho ele busca desesperadamente e egoisticamente imediatamente após entrar na Instrumentalidade. Kaworu está completamente ausente da instrumentalidade depois, apesar de haver todas as razões para Shinji ir atrás dele se ele quisesse, apenas aparecendo no final em que ele completa as falas de Rei como Adão. Além disso, Rei e Kaworu mais tarde se referem a si mesmos no plural para Shinji dentro da Instrumentalidade, em relação à humanidade coletivamente. Isso simplesmente não combina com a ideia de que Shinji o deseja profundamente ou foi trazido para lá ao aceitar ou ceder a ele em primeiro lugar. Longe disso, Shinji ainda está angustiado e ainda busca complementação. Retroativamente, Kaworu é brevemente mencionado apenas na Instrumentalidade da série no contexto de Shinji se sentir culpado por matar alguém que ele viu como humano, e pensar que talvez ele realmente não o tenha matado tiraria um peso dos ombros de Shinji.

Mesmo quando Shinji diz “você estava lá o tempo todo”, ele está de fato ecoando o que Asuka diz no início do filme quando ela descobre que Kyoko está residindo dentro da Unidade-02, e Kaworu chama Shinji quando ele está olhando para a cruz de Misato, sua última memória de mais uma figura materna. Tanto Asuka quanto Shinji rapidamente voltam a um status de alegria infantil. Shinji está procurando uma fuga, um abraço de mãe para deixá-lo fugir da dura realidade. Curiosamente, um rascunho anterior da EoE deixou isso muito mais claro, enfatizando ainda mais (para Gendo) que Adão foi fundido em Lilith, bem como ela tentando penetrar no núcleo da Unidade 01. Adicionalmente, a própria Rei disse a fala de Kaworu e apenas brevemente se transformou em Kaworu depois. Claro, exceto (parcialmente) pela fala, tudo isso ainda é o caso na versão final do filme, mas é menos claro, assim como o final apresentado nesse rascunho é quase idêntico, mas fornece muito mais detalhes em comparação com o último.


Anno forçou Megumi Ogata a enforcar Yuko Miyamura

Mais um boato em torno da produção de EoE, envolvendo um dos aspectos mais violentos da produção de Evangelion. Anno teve dificuldade em terminar esta cena, e para obter o desempenho mais realista, Megumi Ogata (voz de Shinji) na verdade sufocou Yuko Miyamura (Voz de Asuka). Alguns dizem que foi Anno forçando-as, mas foi claramente consensual. As fontes não esclarecem de quem foi a ideia, no entanto.

MO: Estou feliz que você pense que eu soei natural como se estivesse fazendo improvisações. Não me lembro de ter feito nada experimental. Houve um tempo em que eu realmente empurrei Yuko Miyamura no chão para estrangulá-la durante a última cena do filme “Evangelion” em que Shinji estrangula Asuka. Eu não poderia atuar muito bem interpretando aquela cena. Eu estava tão agitada que a estrangulei com muita força, tornando impossível para ela dizer suas falas por um tempo. Claro, eu pedi desculpas a ela por fazer isso. Quase a matei – Statements by Evangelion Staff – Megumi Ogata on fandom and choking Yuko Miyamura

CF: Megumi Ogata (Shinji) realmente te estrangulou enquanto gravava as vozes para o End Of Evangelion para obter uma performance realista?
YM: Sim, ela fez. Tentei muitas vezes fazer parecer que estava sendo estrangulada, mas não consegui. Então, Megumi Ogata me ajudou a fazer sons realistas me estrangulando. Ela é legal não é!?
Gold Coast Film Festival 2010


Ogata também diz em outra entrevista que a cena foi baseada na experiência de uma mulher conhecida de Anno:

Ogata: É. Na hora da retomada, eu realmente estrangulei Miyamura uma vez. Na verdade, empurrei-a para o chão e sentei sobre ela. É por isso que a voz de Miyamura não pôde sair por um tempo, o que foi uma loucura. Ah, claro que ajustei (risos) (para a saúde dela, para ela não morrer).

No entanto, houve um tempo em que nós (nosso desempenho) não recebemos o OK, mesmo depois de tentar várias vezes e não correr bem. Então eu pensei em realmente tentar (sufocando). Estou feliz por não ter me tornada um assassino de verdade (risos).


Ogata: Sim. Mas posso dizer isso? Por favor, verifique depois. Parece ser modelado após uma situação que realmente aconteceu com uma mulher que Anno conhecia. Ela estava sendo estrangulada, e no momento ela pensou que poderia ser morta – não Anno-san, a propósito, apenas no caso – Ela queria acariciá-lo, e foi quando ele voltou à realidade… pensei que deveria tentar. Eu não sou o diretor, então não sei se é verdade ou não, mas para mim, o final antes do olhar foi um final mental/espiritual, e a cena no final é um final real. Foi como uma volta à realidade, a dublagem também foi muito real e foi acompanhada de uma experiência real.” – Megumi Ogata: Koji Ide’s Evangelion Forever


Rebuild é uma sequência ou um loop temporal da franquia original

Uma teoria que remonta ao lançamento de Evangelion 1.0 em 2007 postula que os quatro filmes da tetralogia Rebuild of Evangelion são sequências da série de TV Neon Genesis Evangelion e fazem parte do futuro distante da série de TV.

Uma variação surge do cenário Adão e Eva acima e afirma que as versões reconstruídas de Shinji e Asuka são os descendentes distantes de Asuka e Shinji da série de TV. O ímpeto para a ideia original parece ter sido o resultado do mar ser vermelho em Evangelion 1.0, muito parecido com o que foi retratado em End of Evangelion após o Terceiro Impacto, e uma linha de Kaworu sobre querer ver “O Terceiro” novamente.

Nenhuma das variações da teoria de sequência tem qualquer evidência sólida que não possa ser explicada de dentro da continuidade Rebuild of Evangelion – por exemplo, é explicitado em Evangelion: 3.0 + 1.0 que o Segundo Impacto “purificou os mares” e os deixou vermelhos. O lançamento de Evangelion: 3.0 + 1.0 confirma que quaisquer noções da tetralogia Rebuild sendo “sequências” ou Kaworu “viajador do tempo” estão em um nível-meta 17 O nível do discurso que diz respeito a um objeto em si.


Asuka é tsundere

Um personagem tsundere tende a agir com raiva, violência em relação aos outros, enquanto eventualmente mostra um lado mais suave em relação ao seu interesse amoroso – às vezes agindo especialmente com raiva ou arrogância em relação ao seu interesse amoroso para esconder seus sentimentos.

Enquanto o design de personagem e o comportamento de Asuka superficialmente parecem ser indicadores de um tsundere no início, todo o seu arco de personagem e motivações, uma vez revelados na íntegra, revelam uma personalidade completamente diferente e uma psique terrivelmente traumatizada. A arrogância de Asuka, tendências violentas e comportamentos na busca de atenção são o produto de uma infância traumática e sua necessidade de encontrar validação e atenção de Shinji decorre do desempenho deste último como piloto de Eva.

Planos para uma adaptação live-action

Uma ideia popular, ou sonho, de muitos fãs ocidentais é um dia ver uma adaptação live-action de Eva. No início dos anos 2000, a ADV, a empresa por trás da localização em inglês da NGE, teve a mesma ideia. Eles tentaram repetidamente obter autorização da Gainax, mas foram rejeitados: 18 What happened to the Neon Genesis Evangelion live-action movie (em ingês) 19How the ‘Evangelion’ Live-Action Film Never Came to Be (em inglês)

Anno também reiterou repetidamente que os japoneses são seu público-alvo e reafirmou sua falta de interesse em colaborar com criadores ocidentais ou um remake live-action, ambos especulados perenemente no fandom ocidental:

“Apenas a animação japonesa realmente explora nosso mundo interior e emoções. O Japão é provavelmente o único país que faz animação tanto para adultos quanto para crianças.” […] São as diferenças na abordagem da animação entre o Japão e o Ocidente que fazem Anno relutante em colaborar em projetos internacionais. Nem ele está interessado em remakes live-action de seu trabalho. “A estrutura mental é muito diferente entre Hollywood e Japão”, diz ele. “Pode haver alguns cineastas japoneses que podem colaborar com criadores ocidentais, mas eu não sou um deles.” — ScreenDaily interview

“Anno, no entanto, não é fã de filmes live-action derivados de seu anime. Ele descarta “Pacific Rim”, com suas disputas inspiradas em “Evangelion” entre alienígenas gigantes e robôs pilotados por humanos, como “não tão interessante”. Os planos de Hollywood para um remake live-action de “Evangelion” o deixam frio. “‘Evangelion’ foi concebido como uma animação”, diz ele. “Seria difícil expressar em live-action.”  – Hideaki Anno: Emotional Deconstructionist


Notas e Referências
  • 1
    O caminho para Evangelion na Netflix é pavimentado com bootlegs estranhos (artigo em inglês):https://www.polygon.com/2019/6/20/18684026/neon-genesis-evangelion-bootleg-dvds-gainax-adv-netflix
  • 2
    E-Mono é um catálogo de mercadorias de 143 páginas lançado pela Kadokawa Shoten em 25 de dezembro de 1997. Ele lista uma infinidade de mercadorias licenciadas relacionadas a Evangelion que foram lançadas desde o lançamento do livro.
  • 3
    Recursos Especiais da Versão Platinum – Com o lançamento doméstico da série de TV remasterizada pela ADV, eles tentaram superar os esforços anteriores com seus próprios recursos de “bônus” abaixo do padrão. Isso incluiu, é claro, comentários sobre episódios selecionados com Matt Greenfield (chefe da ADV) e os vários atores de dublagem que trabalharam no NGE. Os comentários iniciais foram em sua maioria inúteis – com foco em localização, dublagem e fandom ocidental – embora isso possa ser considerado uma bênção disfarçada, já que, ao não tocar na carne da NGE, eles não conseguiram provar o quão pouco eles realmente sabiam sobre o espetáculo. Pena que não durou. Logo, Greenfield desenterrou um fã da NGE que ele sentiu que adicionaria algumas informações reais sobre o programa aos recursos especiais. E, assim, o nome de Sean McCoy começou sua descida à infâmia. Ninguém tinha ouvido falar do cara. Parece que ele costumava rondar a Usenet no final dos anos 90, espalhando algumas teorias bastante… interessantes, notavelmente aquela sobre como Shinji e Asuka fizeram sexo em EoE, e as palavras finais de Asuka (“Kimochi warui”) foram em referência direta ao enjoo matinal. O que acabou nos DVDs não foi melhor. As faixas de comentários com ele são ruins o suficiente, mas o verdadeiro ofensor é o recurso especial de duas partes intitulado The Mythology of Eva, em que Greenfield e McCoy unem forças para evocar equívocos muito mais potentes do que qualquer um poderia alcançar sozinho.
  • 4
    Evangelion na Netflix é um desserviço para os fãs de anime, diz presidente da Funimation (Artigo em inglês:https://www.polygon.com/2018/12/11/18135919/neon-genesis-evangelion-netflix-funimation-interview)
  • 5
    Livro de memórias de 2002 do produtor de anime Yasuhiro Takeda, discutindo convenções e fandom de ficção científica japonesa, formação e história da Gainax e suas produções até 2002, incluindo as origens de Evangelion e o ataque fiscal. Em inglês: https://www.gwern.net/docs/anime/eva/2002-takeda-notenkimemoirs
  • 6
    Entrevista com Megumi Hayashibara sobre Evangelion 3.0+1.0: https://evangelionbr.com/2021/12/14/megumi-hayashibara-sobre-evangelion-3-01-0/
  • 7
    Mesa Redonda de Discussão com Hideaki Anno (em inglês): https://evangelion.fandom.com/wiki/Statements_by_Evangelion_Staff#Hideaki_Anno’s_Roundtable_Discussion
  • 8
    Hideaki Anno Schizo Evangelion e Hideaki Anno Parano Evangelion (ou seja, esquizofrenia paranóica) são dois livros de 1997 com entrevistas coletadas, incluindo algumas de Anno e outros funcionários da Gainax, bem como vários ensaios e editados por Kentaro Takekuma e Mitsunari Oizumi. Ele também inclui vários ensaios de terceiros
  • 9
  • 10
    Entrevista de JUNHO
  • 11
    – entrevista Tudo sobre Kaworu Nagisa
  • 12
  • 13
    O judeu errante, também chamado Aasvero, Asvero, Ahasverus, Ahsuerus ou Ashver, é um personagem mítico, que faz parte das tradição oral cristã. Diz a lenda que Ahsverus foi contemporâneo de Jesus e trabalhava num curtume ou oficina de sapateiro, em Jerusalém, numa das ruas por onde passavam os condenados à morte por crucificação, carregando suas cruzes. Na Sexta-feira da Paixão, Jesus Cristo, passando por aquele mesmo caminho, carregando sua cruz, teria sido importunado com ironias ou agredido verbal ou fisicamente, pelo coureiro Ahsverus. Jesus, então, o teria amaldiçoado, condenando-o a vagar pelo mundo, sem nunca morrer, até a sua volta, no fim dos tempos. (wikipedia – https://pt.wikipedia.org/wiki/Judeu_errante)
  • 14
    Aluno: E quanto ao episódio final da série de TV? Você disse que não gosta de moe, mas Asuka não é moe? Anno: Quando fiz a série de TV, ainda não havia moe. Também gosto de Sailor Moon. Para a série de TV, certamente ficamos sem tempo. Não tivemos tempo para o episódio 25, então o refizemos para a edição teatral. O episódio final, episódio 26, seria assim originalmente. Na cena do episódio 16, que mostra uma conversa entre Shinji e o anjo, Tsurumaki-san proibiu [o uso de] japonês pelo anjo. Por isso, o tema passou a ser, a partir de então, conversas consigo mesmo, e terminou com a questão de como você pode chegar a um acordo com outras pessoas. Fizemos [o final] em quatro dias. Fizemos a gravação de voz primeiro e depois desenhamos os storyboards. Entrevista com Hideaki Anno em Outubro de 2013 (em inglês)
  • 15
    Embora esta seja realmente uma nota do mangá, Sadamoto descreveu que sua versão de Shinji é exatamente dessa maneira: “Mas também um personagem frio, sem ambição – do tipo que cometeria suicídio, mas não consegue fazê-lo. Era minha intenção criar um personagem melancólico que desistiu da vida.” – My Thoughts at the Moment. Anno faz algumas observações semelhantes, mas menos diretas.
  • 16
  • 17
    O nível do discurso que diz respeito a um objeto em si.
  • 18
  • 19